50 dias depois, polícia busca provas em casa de ex-voluntária

A Polícia Civil de Sorocaba cumpriu nas primeiras horas da manhã de hoje, terça-feira, 28 de maio, mandado de busca e apreensão na residência de Tatiane Polis, ex-assessora do prefeito Crespo quando da época de sua cassação em 2017 e voluntária do gabinete do prefeito neste ano, sendo o motivo de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga os voluntários trabalhando na Prefeitura de Sorocaba.

Se passaram exatos 50 dias entre hoje e o dia 8 de abril, quando a Delegacia Seccional de Sorocaba e Gaeco (Grupo de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público realizaram a Operação Casa de Papel, que cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de três ex-secretários, empresários com contrato com a Prefeitura e no próprio Paço Municipal.

É importante frisar que embora sejam os mesmos personagens e o mesmo tema, são investigações diferentes.

A Casa de Papel investiga desvio de dinheiro, fraudes em licitações e corrupção de agentes públicos na Prefeitura de Sorocaba.

Na operação de hoje, sobre o voluntariado na Prefeitura de Sorocaba, a polícia apura tanto a possível prática de crime de responsabilidade do prefeito Crespo quanto o de usurpação de função pública de Tatiane Polis como voluntária.

A pergunta que fica é: sendo os mesmos temas e personagens nas duas investigações, 50 dias depois de ter cumprido mandados contra secretários e prefeitura não é tempo suficiente para alguém suspeito apagar provas?

Os policiais apreenderam na casa de Tatiane Polis documentos, aparelhos celulares e notebooks. Os materiais serão encaminhados para a perícia e, segundo o titular da Delegacia Seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel, em entrevista à rádio Cruzeiro (FM 92,3Mhz), é possível recuperar material mesmo que tenham sido apagados.

Comentários

Leia também