A expressão “vai passar”, por enquanto, é apenas um slogan publicitário

Se você anda se sentindo diferente, estranho, muito quieto, ou até agressivo… saiba que você não está sozinho. Um estudo feito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro com 1460 pessoas em 23 estados brasileiros, incluindo o nosso, mostrou que os casos de depressão aumentaram 90%, de estresse agudo cresceu 40% e as crises de ansiedade saltaram 71% durante a pandemia do início da quarentena, em março, até agora, maio.

Se seu médico disse que você poderia estar  com síndrome do pânico, depressão, ansiedade e insônia e te receitou Rivotril (o nome comercial da droga Clonazepam)… saiba que você não está sozinho.  Segundo dados do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), a comercialização do medicamento aumentou 22% em março e abril deste ano comparado ao mesmo bimestre do ano passado, saltando de 4,6 milhões para 5,6 milhões de caixas. 

Apesar do estudo não ter o objetivo direto de medir a incidência de depressão e ansiedade na população, o fato dos casos terem dobrado desde o primeiro levantamento – feito no início da quarentena – o dado é considerado preocupante, aponta o coautor da pesquisa da universidade, Matthew Stults-Kolehmainen. “O que as evidências do estudo sugerem é que essas pessoas precisam de um cuidado urgente, para ontem. Não adianta esperar a quarentena passar para depois tentar apagar o fogo”, conclui o relatório. 

Apesar de receitado por um médico e visto como uma “dádiva por ser um artifício que possibilita uma rotina mais saudável, quando impedimentos severos nos paralisam ou causam danos notórios, é preciso ter discernimento sobre a gravidade do uso” contínuo do Rivotril, alerta Tatiana Pimenta – leia em https://www.vittude.com/blog/rivotril/.

Ao contrário de outros remédios tarja-preta, o Rivotril, pela legislação brasileira, pode ser receitado por qualquer médico registrado no CRM (Conselho Regional de Medicina) e não apenas pelos psiquiatras (profissional da Medicina, basicamente é responsável pelo diagnóstico e tratamento dos chamados Transtornos Mentais e de Comportamento, atuando com a prevenção, o diagnóstico, o tratamento e a reabilitação dos diferentes modos de manifestações das doenças mentais em geral). Além disso, o Rivotril custa menos de 15,00, ou seja, é acessível a praticamente todo brasileiro.

Os chamados Transtornos Mentais e de Comportamento, durante décadas, foram motivo de preconceito nas mais variadas sociedades. Eu, deixo claro aqui, não tenho preconceito algum com que sofre com eles. Aliás, tenho com quem não procura o psiquiatra mesmo precisando de auxílio nessa área.

A complexidade sobre quem somos nós, aquele pergunta difícil de responder, quem sou Eu?, em tempos de isolamento, quarentena, distanciamento, mediação tecnológica… tende a se acentuar. E não há nada de errado se você se deprimiu ou foi medicado desde que siga lutando para se entender, entender o que aconteceu e entender o que precisa ser/fazer/ter/parecer para construir uma rotina. E lembre-se, não há nada que garanta que tudo será como antes. A expressão “vai passar”, por enquanto, é apenas um slogan criado por algum publicitário que recebeu de alguma empresa para criar isso que todos nós queremos ouvir. Mas ouvir o que a gente quer, não significa que vá acontecer.

Comentários

Leia também