A história ao vivo: Renato Amary chora ao explicar o filme que passou pela sua cabeça para decidir pela retirada de sua candidatura a prefeito de Sorocaba

Renato Amary, único favorito entre os então pré-candidatos a prefeito de Sorocaba para a eleição de daqui 73 dias, chorou ao vivo na manhã de hoje (22/07) durante a coluna O Deda Questão do Jornal da Ipanema (FM 91,1Mhz) ao explicar o que levou ele a retirar a sua candidatura. Ele lembrou o momento em que o pai morreu de câncer aos 47 anos e ele com 11 anos ia até Piedade comprar a caixa de morango por 1 para revender na feira da rua 13 de maio, no centro de Sorocaba, por 4 e assim ajudar a mãe a sustentar a casa com 4 filhos crianças. Ele se lembrou das dificuldades para cuidar do sítio em Araçoiaba com apenas 13 anos e quando se lembrou que carregava o filho mais velho no peito quando bebê e que deseja o mesmo com o seu próximo neto ele não aguentou de emoção e chorou. Como jornalista acompanho Renato desde antes dele ser eleito prefeito em 1996 e nunca havia visto ele externar tamanha emoção em público. Um momento que tocou e também emocionou os jornalistas que conduziam a entrevista (Kiko Pagliato, José Roberto Ercolin, Alexandre Moretto e eu). “Eu não tenho mais tempo na minha vida. Vou fazer 70 anos. Vou morrer com 90, 100 anos, e ainda vou ter processo. A justiça é muito morosa”, afirmou ao explicar os problemas judiciais que o fizeram tomar a decisão de retirar a candidatura: “Qualquer um pode entrar com um processo contra um prefeito se entender que há algo irregular. Eu tenho ainda alguns processos, mas não é que fui condenado, é questionado para saber se foram feitas coisas certas ou erradas. Procurem algum prefeito que não tenha sido questionado pelo Ministério Público e, depois, tenha virado um processo. Ajustiça é lenta, são muitos processos. Não tenho mais tempo na vida. Tenho 70 anos. Vou morrer com 90 ou 100 anos e terei alguns processos pendentes”, afirmou.

A emoção tomou conta de Renato quando havia transcorrido cerca de 12 minutos da entrevista. Ele ficou mais 40 minutos ao vivo e retomou a força que sempre caracterizou a imagem pública de Renato Amary. Ele deixou claro que não está abandonando a vida pública, vai seguir na política e vai se empenhar na campanha para ajudar Crespo a ser tornar prefeito porque encontrou nele uma pessoa com musculatura política, até mesmo fora de Sorocaba, para ser um bom candidato e, se eleito, um bom prefeito. Renato afirmou que vai se colocar à disposição de Crespo para ajuda-lo no que for possível ajudar. Ele também deixou claro que a retirada de sua candidatura é por razões políticas e não de saúde: “O pessoal inventa, eu faço academia, joguei bola até 50 e poucos anos. São pessoas malévolas, isso é uma boataria triste”.