Ato pró-Bolsonaro é fiasco, mas não deve ser desprezado. Apoiador usa apelido de torturador

Um grupo dez pessoas, que se autodenomina defensores do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), promoveu um encontro na Praça do Canhão, no centro de Sorocaba, no domingo passado (01/05). Na foto aparecem 19 pessoas presentes. Bolsonaro (pesquise no Google para entender o que ele defende, como se comporta e o que pretende) é alvo de um pedido de cassação de seu mandato por parte da OAB-RJ e por parte do deputado estadual sorocabano Raul Marcelo (PSOL) por ter homenageado no dia 17 de abril, em rede nacional de TV, durante seu voto a favor do impeachment da presidente Dilma o torturador do regime militar de sobrenome Ulstra. Isso mesmo, o deputado homenageou um torturador. A partir dai já se vê o nível de desprezo que merecia este parlamentar. Mas mesmo assim, Davi Vieira, entende que ele merece ser apoiado e organizou o ato “Eu Apoio Jair Bolsonaro – Sorocaba”. Leia a seguir os nomes que participaram do ato e assinaram a manifestação de apoio: David Vannucci, Davi Vieira Bolsonaro, Joel Gomez, Lucas Cezar de Araujo, Wander Lee, Lucas Farias, Samuel Bignardi, Mônica Fernandes Oliveira, Frederico Salomao e Ronaldo Ustra Bolsonaro.

Sim, o jovem que aparece à direita nesta foto se autodenomina Ronaldo Ulstra Bolsonaro. Coloca em seu apelido não apenas o nome de Bolsonaro como do torturador. Isso tudo acontecendo em pleno século 21 e em Sorocaba.

Que seja apenas uma piada de péssimo gosto. Que a sociedade dê a todos esses aventureiros uma resposta nas urnas.

Fica uma pergunta para a reflexão: em que momento nós (a sociedade sorocabana e brasileira como um todo) erramos de maneira tão drástica a ponto de ver nascer uma geração que apoia e se orgulha de um torturador?