Autor: Djalma Luiz Benette

Solidariedade à filha do pai traidor

Um pai de família de 71 anos foi preso na tarde da última sexta-feira em Sorocaba após ter sido flagrado pela própria filha abusando sexualmente da sua neta (filha da sua filha), de apenas 7 anos, dentro da piscina da casa no bairro Josane, em Sorocada. Segundo o relato da filha do paí preso, ela havia deixado sua filha (a neta) com os avós para ir à uma consulta médica, por volta das 13h e ao retornar, no final da tarde, perguntou para a mãe onde estava a filha. A avó, então, disse que a criança estava na parte de baixo da casa, com o avô. Chegando ao local a mãe da menina flagrou o seu pai (avô da sua filha) segurando as mãos da criança em seu pênis. Foi quando ela gritou com o pai, tirou a filha da piscina e ligou para a polícia. Segundo a PM, a criança confirmou que o seu avô estava levando as mãos dela até o seu órgão genital. Não se sabe qual a reação do avô.

Essa é das poucas notícias que ainda me chocam.

É a inversão da ordem. Um pai protege seus filhos. Amam suas crias. E esse senhor de 71 anos traiu essa lógica de proteger a filha abusando da filha dela. Um pai age como essa mãe agiu, berrando, se escandalizando, tirando a filha das mãos do seu algoz.

Fico pensando – e mentalmente me solidarizando (pois é o que é possível) – nessa mãe, que nem sei que é. A sua dor é algo imensurável. Deve ter passado o final de semana revendo a sua própria vida, lembrando, como um filme, em quem foi esse monstro que ela teve perto de si ao longo de sua vida. E sua mãe, foi igualmente enganada em todos esses anos pelo marido? Como está sendo o começo da semana dessa mãe, verdadeiramente mãe na acepção da palavra, a que cuida e ama?

Que essa mãe tenha força e coragem para enfrentar qualquer pressão que possa estar vindo de irmãos, mãe, tios para que ela retire sua queixa de modo que venha afrouxar a pena que o monstro do seu pai merece. Não será de estranhar de que em nome da preservar a imagem da “família” ou do “coitado do velho” que teve um ato impensado essa mãe venha a sofrer algum tipo de pressão. Que ela resista e tenha ajuda de um marido (ou similar) para fazer valer a verdade.

Que essa mãe tenha amparo para enfrentar a dor da traição do seu pai e oriundas das consequências dessa traição. Seja na sua fé, na sua religião, na sua igreja ou na psicanálise, psiquiatria, psicologia. Seja na amizade, na literatura. Pois só enfrentando a verdade dessa dolorosa dor da traição de seu pai contra a sua filha, acredito, ela terá força para seguir “pedalando” e protegendo a sua filha. Essa criança, com o amor da sua mãe, terá certamente uma vida mentalmente saudável.

Mãe, não sei quem é você, mas saiba que você não está sozinha. Conte comigo e com milhares de pessoas do bem. Siga acreditando que o bem é maior do que o mal, embora você tenha tido o flagrante dessa indescritível traição.

Afinal, quem é o governo Crespo?

Uma das grandes perguntas filosóficas é: quem sou eu?

Me veio essa pergunta à mente ao ler uma das mais recentes divulgações da assessoria de comunicação da Prefeitura de Sorocaba, na manhã de hoje: “Governo Crespo chega à metade do mandato com cerca de 150 obras, ações e projetos realizados”. Em tempos de crise econômica, não é pouco. Aliás, é bastante.

E ao ler essa colocação oficial, me veio à mente, também, que é absolutamente comum entre os leitores deste blog, a percepção de que o governo Crespo não faz nada. “Nossa cidade está paralisada”, afirmou Denis Oliver comentar a postagem sobre o trabalho do Observador Municipal, semana passada. Oliver é ajustador mecânico na empresa Schaeffler Group, aluno de Engenharia Civil em Anhanguera Educacional, e estudou Eletricista Industrial na instituição de ensino Senai Sorocaba e Modelagem Industrial no Senai Moda Bom Retiro e frequentou EE Ezequiel Machado Nascimento Professor na Vila Porcel em Sorocaba.

Que disparidade de opinião é essa?

Martin Buber, filósofo que nasceu em Viena, na Áustria, em fevereiro de 1878, é dos quem melhor ajudam a explicar quem é o Eu. Segundo ele, essa figura é a junção de três percepções: 1) Eu sou o que penso que eu sou; 2) Eu sou o que penso que os outros pensam que eu sou; 3) Eu sou o que os outros pensam que eu sou. Posso estar sendo grosseiro, o que certamente estou, em resumir a grande obra “Teoria do Eu-Tu e Eu-Isso” nessas três frases. Mas para efeito de artigo, estou certo que está ajustado.

Pois bem, a pergunta “Afinal, quem é o governo Crespo?” passe por essa complexa relação definida pelo filósofo do século 19. É evidente que a percepção de Crespo e de parcela do sorocabano em relação ao seu governo é antagônica. Por quê? Essa é uma outra discussão.

Deputado de Tatuí não está na China

O deputado federal eleito por Tatuí, na Região Metropolitana de Sorocaba, Guiga Peixoto, não faz parte do grupo de deputados federais eleitos pelo PSL, que assumirão o cargo em fevereiro, que participa da comitiva que visita a China, com as custas pegas pelo Partido Comunista Chinês.

A comitiva vem sendo intensamente criticada por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Olavo de Carvalho, escritor tido como o guru intelectual do governo, sendo responsável pela indicação dos nomes dos ministros de Relações Exteriores e Educação, acusou os políticos de serem “analfabetos funcionais” e “caipiras” por “entregarem o Brasil à China”.

Há enxurrada de críticas nas redes sociais e as discussões dentro da bancada. E os parlamentares eleitos reclamam da falta de apoio do governo, expondo fraturas na base aliada. “De repente, viramos inimigos da nação. Estou acostumada a este tipo de ataque, mas a maioria aqui não está”, diz Carla Zambelli (de Ribeirão Preto) no restaurante do hotel onde estavam hospedados, acompanhados por representantes do Partido Comunista.

O presidente Bolsonaro, que teria ficado surpreso com a viagem, não pretende se pronunciar sobre o caso.

Guiga Peixoto

Como mostra a foto do deputado em visita ao prefeito de Sorocaba, Crespo, na semana passada (quando a comitiva já estava na China), ele não viajou. Nem foi convidado, aliás, para se integrar ao grupo.

Guiga Peixoto (José Guilherme Negrão Peixoto) é administrador e empresário de óticas além de dono de diversos terrenos em Tatuí, onde reside. Em 2016, foi candidato à prefeitura da cidade pelo PSC. Uma de suas principais bandeiras é o fortalecimento econômico da região. Doou R$ 111 mil à sua própria campanha. Seu auto financiamento representou 90% de todo o orçamento declarado, de R$ 123 mil. Foi o candidato do PSL eleito com menos votos, um total de 31.718.

Sindicato extrapola e é condenado

O juiz Márcio Ferraz Nunes, da 5º Vara Civel de Sorocaba, condenou o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sorocaba, na figura do presidente Salatiel Hergezel, em ação de Danos Morais movioda pelo prefeito Crespo.

O prefeito afirmou na ação, que “em razão de interesses político-partidários, e extrapolando os limites da crítica”, Salatiel proferiu “ofensas e agressões morais contra a parte autora, afirmando em publicação que o prefeito ‘é um insano, …demonstra desequilíbrio psiquiátrico e necessita de intervenção médica’.”

Para o prefeito, usando “sua conta do Facebook”, Salatiel fazia uso de “notícias mentirosas (fakenews), sempre com o intuito de macular sua reputação, atribuindo-lhe a pecha de ‘corrupto’”.

O prefeito queria que a justiça pedisse que Salatiel retirasse do Facebook essas afirmações e que ele fosse condenado ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 20 mil.

O juiz julgou parcialmente procedente o pedido do prefeito condenando o Sindicato , ao pagamento de indenização, pelos danos morais causados à parte autora, arbitrada em R$ 2 mil e torna “definitiva a antecipação dos efeitos da tutela outrora deferida”.

Leia a íntegra:

 

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMARCA DE SOROCABA

FORO DE SOROCABA

5a VARA CÍVEL

RUA 28 DE OUTUBRO, No 691, Sorocaba – SP – CEP 18087-080

Horário de Atendimento ao Público: das 12h30min às19h00min

SENTENÇA

Processo Digital no: 1028731-02.2018.8.26.0602

Classe – Assunto Procedimento Comum – Indenização por Dano Moral

Requerente: Jose Antonio Caldini Crespo

Requerido: Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sorocaba – Sspms

Juiz(a) de Direito: Dr(a). MARCIO FERRAZ NUNES

 

Vistos.

Trata-se de ação de obrigação de fazer c.c. indenização por danos morais e pedido

de antecipação de tutela de urgência proposta por JOSÉ ANTONIO CALDINI CRESPO em face de

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SOROCABA.

Em inicial, narra a parte autora que, em razão de interesses político-partidários, e extrapolando os limites da crítica, a parte requerida vem proferindo ofensas e agressões morais contra a parte autora, afirmando em publicação que o prefeito “é um insano, …demonstra desequilíbrio psiquiátrico e necessita de intervenção médica”. Alega, ainda, que a parte requerida propaga em sua conta do facebook notícias mentirosas (fakenews), sempre com o intuito de macular sua reputação, atribuindo-lhe a pecha de “corrupto”‘. Pleiteia, assim, a antecipação dos efeitos da tutela para compelir a parte requerida, a retirar as publicações veiculadas em sua página do facebook e se abster de republicar o conteúdo destas publicações em seus canais de comunicação virtual. Por fim, pleiteia a condenação da parte requerida ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 20.000,00 e a publicação da sentença na página do facebook da parte requerida, pelo período de 7 dias, com opção de compartilhamento ativada.

Deferido, em parte o pedido liminar, apenas para determinar ao requerido que exclua de suas publicações, a parte destacada – “Cada dia que passa o sorocabano está diminuído sua autoestima social em viver numa cidade governada por um insano, que dia após dia demonstra desequilíbrio psiquiátrico, e necessita de intervenção médica”. Citada (fls. 78), a parte requerida apresentou contestação (fls. 81/97) pleiteando a improcedência do pedido inicial, alegando não ter em momento algum extrapolado o exercício do direitoà informação e a liberdade de imprensa.

Houve réplica (fls. 183/188).

Facultada a especificação de provas, as partes se manifestaram pelo julgamento antecipado do feito.

É o relatório.

Passo a decidir:

Conveniente e oportuno o julgamento antecipado da lide em epígrafe, conforme preceito do artigo 355 do Código de Processo Civil, já que a matéria controvertida é apenas de direito, que independe de produção de prova.

Já decidiu o Supremo Tribunal Federal que “a necessidade de produção da prova há de ficar evidenciada para que o julgamento antecipado da lide não implique em cerceamento de defesa. A antecipação é legítima se os aspectos decisivos estão suficientemente líquidos para embasar o convencimento do Magistrado” (RE 101.171-8- SP).

Inicialmente, necessário analisarmos o pedido de assistência judiciária pleiteada pela parte requerida.

Em nosso entendimento, para a concessão do benefício da gratuidade não basta a simples alegação de pobreza, devendo haver a comprovação através de prova robusta da necessidade do interessado para seu deferimento.

No caso dos presentes autos, em que pese a alegada situação financeira difícil, o sindicato encontra-se regularmente constituído e não foi cabalmente demonstrada a total ausência de receitas e patrimônio, suficiente para inviabilizar a assunção dos ônus decorrentes desta demanda.

Nessas condições, deferir o benefício, que, em última análise, é custeado pelo Estado, equivaleria a carrear à população os ônus que deveriam ser pagos pela requerida, o que não pode ser admitido.

Ante o exposto, indemonstrada a incapacidade financeira, INDEFIRO o pedido de gratuidade.

No mérito, o pedido formulado pela parte autora é parcialmente procedente. Como já feito quando da prolação da decisão que apreciou o pedido liminar, necessário diferenciarmos aquelas publicações que tem evidente animus injuriandi ou diffamandi, que devem ser consideradas ilícitas, daquelas que podem, a partir de prova, revelar simples animus narrandi, ou mesmo crítica, que não trazem carga de ilicitude, posto que inseridas dentro dos limites da liberdade de expressão.

 

Em relação à manifestação lícita (narrativa e crítica): “INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. COMENTÁRIO EM REDE SOCIAL.

Sentença de improcedência. Ratificação dos termos da sentença (art. 252, RITJSP). Crítica, realizada pela ré em rede social, à atuação política do autor, como líder estudantil em protesto. Contexto do comentário que revela ser o termo “imbecil” direcionado à postura política do autor, não à sua pessoa. Inexistência de ofensa à sua reputação, imagem ou honra. Danos morais descaracterizados.

Recurso desprovido”. (TJ-SP – Apelação APL 00004564920148260263 SP 0000456-49.2014.8.26.0263).

Já no que toca à manifestação ofensiva, que extrapola o limites da liberdade de opinião (injuriosa ou difamatória):

“DANOS MORAIS. OFENSAS VERBAIS E EM REDE SOCIAL. Manifestações de alto cunho agressivo contra os autores. Lesividade potencializada pela veiculação em rede social. Réu que é parente da coautora, sendo presumível que possuíam amigos em comum e que eles puderam identificar contra quem as ofensas estavam sendo proferidas. Indenização devida. Quantum reduzido por ser o autor beneficiário da Justiça gratuita. Recurso parcialmente provido” TJ-SP – Apelação APL 10453665420148260002 SP 1045366-54.2014.8.26.0002 (TJ-SP) . Têm-se, pois, segundo nossa ótica, as seguintes hipóteses.

A primeira diz respeito à manifestação injuriosa, que tem por intenção simplesmente ofender, sem verdadeira descrição de fato, e deve ser considerada ilícita;

A segunda, a manifestação difamatória, que revela fato não verdadeiro e desabonador ou fato verdadeiro desabonador que não tenha conteúdo de interesse social, que revela inequívoco ânimo ofensivo e deve ser considerada ilícitas e coibidas.

Já a manifestação simplesmente narrativa, que se limita à narração de um fato e deve ser considerada lícita, ainda que desabonadora, mas, nesse último caso, desde que o seu conteúdo tenha relevância social (caso contrário, será considerada manifestação difamatória);

Por fim, a manifestação crítica pura, que revela uma opinião pessoal sobre alguém, sobre determinada conduta ou sobre uma ideia, sem conteúdo e intenção ofensivos.

No caso dos autos, é possível visualizar ataque pessoal e ofensivo, em pequena parte da seguinte passagem: “Cada dia que passa o sorocabano está diminuído sua autoestima social em viver numa cidade governada por um insano, que dia após dia demonstra desequilíbrio psiquiátrico, e necessita de intervenção médica” (fls. 20).

No mais, as publicações se referem a fatos que são de interesse público. Nem se diga que a parte autora, que exerce a nobre função de Prefeito da Cidade de Sorocaba, ao se candidatar ao cargo deveria esperar criticas e manifestações desfavoráveis, como as presentes.

É certo que a constituição, em seu artigo 5°, incisos IX e XIV, assegura, como direito fundamental a todos reconhecido, o direito de liberdade de expressão e à informação.

Esse último, por sua vez, se desdobra em outros dois, que podem ser classificados com o direito de informar e o de ser informado.

Isso não significa, no entanto, que abusos não devam ser coibidos. Não se olvida, no entanto, que o homem público, principalmente o eleito pela sociedade e ocupante de cargo eletivo e mandato, esteja mais sujeito a críticas em razão de seus atos que os demais, já que vive, inclusive, sob incansável fiscalização da sociedade e, principalmente, dos órgãos de imprensa.

Por tal motivo, estando mais sujeito às crítica, muitas vezes até mesmo bastante contundentes e incisivas, deve suporta-las de forma mais endurecida que os demais cidadãos.

Nesse sentido, as críticas, ainda que bastante contundentes, desde que se refiram ao seu trabalho, ao exercício da função pública, mormente quando traduzem questões de interesse social, devem ser por ele suportadas.

No caso, exceção feita à passagem pela qual foi concedida a liminar, as postagens trazidas aos autos, consignam críticas à atuação do requerente na qualidade de Prefeito Municipal, não tendo sido abordado qualquer aspecto exclusivamente pessoal, sem qualquer relação com a atividade pública por ele exercida.

Em relação ao texto atribuído ao Serviço Público Federal, trata-se de investigação em curso e não restou demonstrado nos autos, se tratar de falsa e sigilosa notícia. Saliente-se que a própria parte autora diz na inicial (fls. 5 – item 7.):

“…cujo documento é de natureza sigilosa justamente para proteger as pessoas referidas, vez que há procedimento de investigação preliminar acerca da chamada “máfia das merendas” no Estado de São Paulo.” Por isso, com exceção do trecho acima destacado (fls. 20 – “Cada dia que passa o sorocabano está diminuído sua autoestima social em viver numa cidade governada por um insano, que dia após dia demonstra desequilíbrio psiquiátrico, e necessita de intervenção médica”), das demais publicações não decorrem qualquer direito reparatório, posto que não são suficientes a causar o famigerado dano moral.

Nesse sentido, a jurisprudência: “INDENIZAÇÃO – Danos morais Publicação jornalística – Ofensa à honra – Inocorrência Autor que é político – Atração de manifestações e juízos de valoração nem sempre favoráveis – Submissão a críticas e ataques por órgãos de imprensa Estrita similitude, ademais, entre a imunidade parlamentar e a tutela da liberdade de imprensa – Recurso não provido. Os políticos estão sujeitos de forma especial às críticas públicas, e é fundamental que se garanta não só ao povo em geral larga margem de fiscalização e censura de suas atividades, mas, sobretudo à imprensa, ante a relevante utilidade pública da mesma, e em contrapartida dá-lhes a sistemática constitucional de imunidade para, por sua vez, criticarem e censurarem outrem”. (Apelação Cível n. 235.627-1 – Barretos – Relator: MARCO CÉSAR – CCIV 5 – V.U. – 20.10.94)

A situação experimentada pela parte autora, apenas no que toca ao texto cuja veiculação foi coibida, é suficiente à conclusão de existência de dano moral indenizável.

Em vista disso e atento aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, à título de indenização pelos danos morais sofridos pela parte autora, entendo suficiente o valor de R$ 2.000,00.

E, tendo em conta que a ofensa em questão não traz conduta dasabonadora, mas simples ofensa que traduz opinião pessoal contra a pessoa, digna de atingimento da honra subjetiva, a retratação não tem o condão de diminuir a lesão causada ou restaurar o conceito da pessoa atingida, de sorte que descabe o pedido de publicação da sentença pela mesma via, como formulado.

Assim, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido formulado pela parte autora para condenar a parte requerida SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SOROCABA, ao pagamento de indenização, pelos danos morais causados à parte autora, arbitrada em R$ 2.000,00, com juros e corrigidos a partir da publicação do julgado e ainda, JULGO EXTINTO o processo nos termos do artigo 487, inciso I do Código de Processo Civil. Torno definitiva a antecipação dos efeitos da tutela outrora deferida.

Em vista da sucumbência, arcarão as requeridas sucumbentes com custas e despesas processuais, além de honorários que arbitro em R$ 1.000,00.

P.R.I.

Sorocaba, 15 de janeiro de 2019.

DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE NOS TERMOS DA LEI 11.419/2006,

CONFORME IMPRESSÃO À MARGEM DIREITA.

Futuro do ninho tucano – Parte 2

Eu disse na semana passada que o vereador João Donizeti surgia como favorito, sendo o nome de consenso, para presidir o diretório municipal tucano na convenção que vai definir os membros da próxima executiva local do PSDB.

Mas ele conseguiu o apoio do chamado grupo do Pannunzio. Válter José Nunes de Campos, chefe de gabinete da deputada estadual Maria Lúcia Amary, está fazendo valer o acordo que definiu João Leandro como presidente (que é atualmente) e ele o seguinte.

As conversas de João Donizeti com o deputado federal Vitor Lippi e com o vereador Engenheiro Martinez foram como um balde de água fria nas pretensões dele, ao menos por enquanto.

Em jogo, vai estar a palavra de Fernando Henrique Cardoso, o presidente de honra do partido, que ao se referir à disputa nacional disse que manda quem tem voto. Era uma referência à disputa entre Dória e Alckmin pelo comando nacional.

Em Sorocaba, Pannunzio (que é tido como o mentor da candidatura de João Donizeti) é o anti-Dória. Maria Lúcia e Lippi (que chegou a ser convidado para ser secretário de Dória), reeleitos, são “Dória de carteirinha” como se diz.

A intenção é o consenso, mas João Donizeti em uma semana viu enfraquecer esse seu papel. Válter José já se posicionou e deixou claro que vai para a disputa, se necessário, para fazer valer o combinado (inclusive com João Donizeti) de que ele seria o próximo presidente da legenda.

Em jogo, mais do que a vaidade de presidir o partido, o poder de conduzir o processo de escolha do candidato a prefeito do PSDB em 2020. A firmeza de Válter José de ser o presidente reforça a intenção de Maria Lúcia Amary vir a ser a candidata tucana a prefeitura de Sorocaba.

Justificativa a mais à terceirização

Servidores público da área da saúde (funcionários de carreira na Prefeitura de Sorocaba na Unidade Pré-Hospitalar da Zona Norte) denunciaram ao vereador Péricles Régis – durante sua ação de fiscalização realizada durante um plantão da madrugada nesta semana – que médicos deixam de atender a população propositalmente, ou seja, os médicos atendem menos pacientes do que poderiam durante os plantões nas unidades, gerando fila de espera (desgaste ao poder público) e dor ao paciente.

“Embora não concordem com a postura, que acaba gerando acúmulo de pacientes à espera de cuidados no saguão e rotineiros tumultos na unidade, os funcionários assumem não fazer denúncias por temerem represálias”, relata a assessoria do vereador Péricles Régis, que fez a ação após receber telefonemas de munícipes que reclamavam da demora por atendimento.

Gestão compartilhada

O relato do vereador acaba sendo uma justificativa a mais para a decisão do prefeito Crespo em tirar os médicos concursados da UPH da Zona Norte e ali fazer a chamada gestão compartilhada da unidade, o que o Sindicato dos Médicos e dos Servidores Públicos chamam de terceirização da saúde.

A empresa Instituto Diretrizes, da cidade de Santo André, venceu a licitação e vai gerir o local e outras UPHs a partir do 5 de fevereiro.

As denúncias de que os médicos da UPH da Zona Norte faziam “corpo mole” existem desde o prefeito Lippi e depois Pannunzio. Médicos chegaram, inclusive, a quebrar o ponto digital instalado no local.

Ideologia e a guarita

Quando falei pela primeira vez sobre a instalação da guarita na praça central revelei que continha um forte elemento ideológico no raciocínio do prefeito para assim agir: acatou a sugestão do então presidente do PSL sorocabano (agora ele deixou o comando do partido e passou a assessor o prefeito) para fazer a obra.

Entre o anúncio da guarita e a obra pronta, passadas três semanas, a polícia abriu um inquérito para investigá-la, um advogado moveu uma ação contra a obra e um cidadão registrou um BO (Boletim de Ocorrência) contra a guarita. O tema se tornou o preferido das rodas de conversa do sorocabano. Mesmo assim, apesar de tanto barulho, o prefeito se mantém surdo e a obra está pronta.

Hoje, porém, vejo o quanto essa questão ideológica é forte e, principalmente, essencial para o prefeito. Davi Vieira, ou Davi Bolsonarinho para os íntimos dele, foi quem apresentou a Sorocaba o projeto de sucesso da Extrema-Direita brasileira que culminou com a eleição de Jair Bolsonaro para presidir o Brasil. Hoje ele saiu em defesa da guarita (como ilustra a imagem dessa postagem) e das pessoas que o seguem pinço duas que ajudam a compreender a lógica em torno desse insano (obviamente que para mim) debate sobre a guarita. Carlos Eduardo Souza, assim se posicionou: “Até agora eu não entendi o que o povo tem contra a guarita”, ou seja, ele sabe que a guarita tá lá, vê muita crítica, mas não compreende o debate. A outra leitora é Nan Baccelli. Ela diz: “Fizeram essa obra e eu nem sabia o que era. Mas pela baderna petista nas eleições passadas acho justo!” Ou seja, ela acredita que a guarita vai “proteger” Sorocaba dos petistas. Ou ao menos da baderna petista.

Na contramão desse raciocínio ideológico, está o jornalista Geraldo Bonadio, um dos mais importantes analistas sorocabanos sobre a própria cidade. Pensando sobre o prefeito, sua trajetória passada e projetando a futura, ele afirma: “Só uma pessoa atrapalha o prefeito: ele mesmo e sua incontrolável vontade de tomar sopa fervendo, enrolar-se em problemas miúdos – a ausência de capinação nas praças e no Cemitério da Consolação – e guerrinhas ridículas, como a que trava com a Arquidiocese por conta um posto de vigilância – que poderia facilmente ser instalado num trailer estacionado entre a Banca do Miguel e o Mictório Municipal – ou a questiúncula sobre a área do Aeroclube. Nelas se engajando, reencena o script que o levou, em tempos idos, a perder para si mesmo eleições em que concorreu à Prefeitura”. Ou seja, ele vê o prefeito gastando enorme energia em problemas miúdos. Opinião da qual assino embaixo.

Quem está certo? O prefeito em dar ouvidos à Extrema-Direita que vê na guarita um elemento de combate ao petismo ou as pessoas que tanto o criticam, entre eles a Arquidiocese sorocabana? E certo ou errado de qual ponto de vista? Do cidadão ou da fatia do eleitorado que o prefeito quer abocanhar.

A culpa é do cidadão

Quando Sorocaba teve o surto de dengue, durante a gestão passada da administração municipal, com a notificação de mais de 50 mil casos da doença na cidade, e havia virado “esporte preferido” do sorocabano malhar o então prefeito Pannunzio, eu defendia que o problema da doença era, principalmente, do cidadão. Obviamente que apenas consegui ser igualmente malhado por minha opinião.

Nesse ano, a moda é malhar o prefeito Crespo em razão da invasão de escorpiões na cidade. E minha visão continua sendo a mesma daquela época, a culpa é do sorocabano que não cuida, literalmente, do seu quintal.

E sinto que meu argumento é correto ao ler que o programa Cidade Limpa – um projeto institucional da TV TEM em parceria com as prefeituras que consiste em ser um mutirão que coleta entulhos com o objetivo de prevenir doenças, enchentes e outros transtornos urbanos – em sua primeira ação de 2019 coletou quase 40 toneladas de entulho num único dia em bairros da Zona Oeste, ou seja, o material recolhido neste primeiro dia do Cidade Limpa foi suficiente para encher 18 caminhões que trabalharam em um sistema de revezamento. Foram retirados ao todo 40 m³ de lixo inservível entre móveis velhos, galhos de árvores entre outros

.

Outro argumento a favor do meu raciocínio: Em 17 dias de ações em combate aos escorpiões, 2.490 casas foram visitadas e 315 toneladas de entulhos foram retirados de áreas públicas e 42 moradores foram notificados por apresentarem irregularidades em suas propriedades.

O mais fácil continua sendo xingar e responsabilizar o prefeito de plantão, seja ele do partido que for. O mais difícil é mudar a cultura de um povo. E a cultura do sorocabano, me parece, é a de não pertencimento. Ele não sente que a cidade seja dele e por isso a vê como um lugar que não é seu, ou seja, um lugar para seus inservíveis.

Onda de positividade

As expectativas em relação aos principais índices econômicos do país – PIB, taxa Selic, índices de inflação e mercado de trabalho – estão animadoras, segundo estudo realizado pelo setor de Economia da Associação Comercial, em parceria com a Esamc Jr.

O Produto Interno Bruto (PIB), representado pela quantidade de bens e produtos produzidos, tem um aumento projetado de 2,8%. O setor de comércio e serviços poderá ter um aumento de 2,5%.

Segundo análise da economista Carla Giuliani, o consumo privado, outro índice importante que mostra a necessidade de consumo das famílias, em 2019 espera um aumento de 2,80%.

A taxa Selic, juros que norteia a economia brasileira, deve ficar na casa dos 7,5%, sendo atrativo para o crescimento da economia e, como consequência para a classe empresarial, conforme análise do setor econômico da Associação Comercial.

Todos os índices de inflação mostram que estão dentro da meta definida pelo governo, que é de 2,5% a 6,5%. O IPCA, calculado pelo IBGE, o IPC, da FIPE, e o IGP-Di, da FGV, devem ter um valor próximo de 4%. Já o IGP-M da FGV, espera um valor menor, próximo a 3,5% no ano.

Para o presidente da Associação Comercial, Sérgio Reze, os diferentes fatores econômicos trazem a sensação de uma melhora nos índices de produção, emprego e inflação equilibrada, atrelada ao novo governo empossado. “Desde que sejam tomadas as devidas medidas de contenção de despesas e priorização de setores vitais da economia”, analisa.

Expectativa de emprego

A taxa média de desemprego para 2019 deve baixar para 11,9%, segundo o IBGE. No final de 2018 era de 12,3%.

O mercado de trabalho em Sorocaba no ano passado, apresentou aumento tanto no setor de comércio como no setor industrial. Já o setor de serviços registrou aumento de 4,22%.  “A previsão é que neste ano o comportamento deve ser ainda mais positivo em todas as áreas”, acredita Reze.

Frenesi X passividade da tarifa

Padre, médicos, professores, consultores, jornalistas, urbanistas, advogados… só falam e também compartilham memes nas redes sociais sobre a sanidade do prefeito Crespo e a tal guarita que ele resolveu construir na praça central a pedido de um comerciante que, agora, três semanas depois do pedido da obra, acaba de ser nomeado seu assessor no 6º andar do Paço Municipal.

Escrevi aqui sobre o tema com o título “A lógica de uma decisão” onde busquei decifrar a mente do prefeito ao decidir pela guarita. Aliás, chamo a atenção para a observação de um leitor deste blog, Rodrigo Castanho, sobre a falta de lógica no fato de Sorocaba ser uma Fab City, MIT, cidade inteligente… e construir puxadinho em frente a catedral, “estão de brincadeira né?”, provoca ele.

Me vem à cabeça, o que aconteceu de 2013 (quando o brasileiro se revoltou com o aumento de 20 centavos no preço da passagem de ônibus e saiu protestando, fazendo o governador Alckmin e o prefeito Pannunzio, para citar exemplos locais a voltarem atrás e que culminou com o impeachment da então presidente Dilma) para os dias de hoje.

A Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria de Mobilidade e Acessibilidade, informa que o passe social, utilizado pela maioria da população no transporte coletivo urbano, vai custar R$ 4,40 a partir de 22 de janeiro. O reajuste é de 4,76% e visa recuperar as perdas de 12 meses sem elevação. Os usuários poderão comprar créditos nos preços atuais até 21 de janeiro.

São novamente 20 centavos de aumento e o sorocabano continua falando e mandando memes e compartilhando mensagens sobre a guarita.

Sinceramente, quando a lógica do funcionamento da mente de um prefeito se tornou mais importante do que o bolso do cidadão?

Como já disse o Celso Ribeiro Marvadão, o cronista de Sorocaba, se o problema é o quanto essa guarita atrapalha a beleza arquitetônica da Catedral está na hora de se fazer uma campanha para corrigir a aberração, autorizada nos anos 70, que é o prédio da garagem automática grudada na igreja. Ou, ainda, corrigir a aberração dos anos 40 que foi a construção do prédio do Recreativo.

Fico pensando se perdi o senso de humor. A verdade é que não entendo o frenesi (delírio coletivo) em torno dessa guarita e a passividade em torno de um novo aumento no preço da passagem de ônibus, o jeito mais simples de resolver um problema, ou seja, manda a conta para o lado mais fraco.