Autor: Djalma Luiz Benette

Nova rixa entre prefeito e vice (e MP) é visto como circo de horrores

O prefeito Crespo não quis passar o comando da cidade à vice-prefeita Jaqueline Coutinho durante o período em que está na Espanha participando, numa comitiva organizada pela Frente Nacional de Prefeitos, da 8ª edição do Smart City Expo World Congress. Somado os dias do evento com os feriados (Proclamação da República e Consciência Negra) o prefeito ficará 12 dias longe do Palácio dos Tropeiros.

A decisão do prefeito apenas evidencia a rixa existente entre ele e a vice, além de sinalizar que é praticamente inexistente um caminho que venham reaproximá-los. A história de desavença dos dois é de domínio público.

Em meio a esse conflito político partidário e pessoal, o promotor público Orlando Bastos Filho, do Ministério Público em Sorocaba, decidiu fazer uma manifestação técnica, entendendo que há uma vacância de poder e recomendando que a vice tomasse posse. Em ofício encaminhado à Câmara Municipal, o promotor afirma: “pelo sistema constitucional vigente, o chefe do Executivo não pode se afastar do país sem convocar seu vice para ocupar o cargo, e recomenda que a vice-prefeita assuma o exercício do mandato imediatamente, sujeita à pena de incidir em improbidade caso não atenda a recomendação. Não é moral, probo, muito menos justo e respeitoso aos munícipes de Sorocaba, que sejam submetidos por mais de uma dezena de dias a uma administração acéfala”.

Em Nota Oficial, o prefeito respondeu ao promotor, chamando-lhe a atenção, ao dizer que Orlando Bastos Filho se equivocou ao ler a lei: “Respeitado o entendimento do Ilustríssimo promotor, denota-se evidente equívoco na interpretação dos institutos jurídicos “vacância”, “impedimento” e “afastamento” do agente político do cargo de prefeito. No caso em análise, não se está diante da hipótese constitucional de “vacância” e “impedimento” do Agente Político, o que justificaria o empossamento da Vice-Prefeita; na hipótese de “afastamento” por prazo inferior a 15 dias, cujo tema é tratado especificamente em legislação municipal, não há previsão de empossamento da Vice-Prefeita, de modo que eventual transmissão de cargo decorrerá de mero juízo discricionário do Chefe do Executivo. Nesse sentido, aliás, são reiteradas as decisões do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo”.

Por qual motivo uma recomendação? Por que decisão é da Justiça. O papel do MP é acusar ou recomendar. Nesse caso, o promotor instaurou Inquérito Civil para apurar a situação e, vendo ilícito, pedir a punição do prefeito.

A vice, diante da manifestação do MP, se animou em sentar-se novamente no posto de comando da cidade e foi até a prefeitura para acatar a recomendação do MP.  Mas lá deu com as portas fechadas do gabinete. Impedida de cumprir seu propósito, ela fez de próprio punho um ofício à justiça manifestando o desejo que fosse acatada a recomendação do MP, mas ainda não havia recebido resposta sobre sua vontade de ser prefeita até o retorno do prefeito.

Há opiniões para todos os gostos nessa momentânea tríade (prefeito, vice e promotor). Mas de todas que vi, ouvi e li, ao menos para quem vê de longe toda essa situação, uma delas me chamou a atenção: um amigo, sarrista, me ligou para perguntar quanto custava o ingresso… para esse circo de horrores.

Talvez seja só isso mesmo, um circo e de horrores.

O fato é que Sorocaba tem urgências, como todas as cidades aliás, que estão acima de qualquer divergência política partidária ou pessoal. Ou de qualquer desejo eleitoral. Sinceramente, acabou de acabar a eleição onde o brasileiro, com soberania, decidiu mudar o que estava aí. É preciso dar o tempo de que essa decisão (nacional) provoque os seus reflexos (locais) para um novo processo eleitoral. Não convém queimar a largada.

Prefeitura é acusada de ser lenta no edital da merenda. E se silencia

A Comissão Especial de Vereadores que acompanha a contratação do serviço de alimentação escolar em Sorocaba, composta por Iara Bernardi (PT), Hudson Pessini e Péricles Régis (ambos do MDB), protocolou ofício no Ministério Público Federal denunciando a demora das Secretarias de Abastecimento, Agricultura e Nutrição e de Licitações e Contratos, em efetivar a contratação de novas empresas fornecedoras de merenda escolar, por meio de processo licitatório.

“Pedimos ao MPF que acompanhe o andamento desse processo de escolha de novas empresas e tome as medidas cabíveis diante da demora”, diz Iara. Para os vereadores, não se trata “apenas” de uma demora banal. Segundo eles, os contratos são da ordem de cerca de R$ 50 milhões de reais, e a não contratação por meio de processo licitatório levará a contratações emergenciais, “o que deturpa o processo e joga sobre ele dúvidas sérias, ainda mais tendo em vista o histórico da merenda escolar na cidade, com crimes que já denunciamos via CPI da Merenda”, afirma Iara.

 

O mesmo ofício também foi apresentado à Prefeitura e à Corregedoria Geral do Município de Sorocaba. “Chegamos em novembro de 2018 e ainda não temos uma licitação preparada e publicada. Em 2017 foram cometidas diversas irregularidades, e até agora a Secretária criada para isso não conseguiu preparar a licitação da merenda. Estou vendo que ano que vem, irão chamar novo contrato emergencial, e as empresas que já cometeram erros no passado, continuarão a prestar os serviços”, conclui Iara.

Prefeitura se silencia

Questionei a Prefeitura de Sorocaba na última segunda-feira a respeito desse entendimento dos vereadores, desejando saber se o Poder Executivo concorda que existe mesmo essa lentidão. Mas até o começo da noite desta quarta-feira não obtive resposta. Como o expediente da prefeitura só retorna na próxima quarta-feira, qualquer manifestação só virá a partir da semana que vem.

Se economia não melhorou, também não piorou em Sorocaba

Os dados da inadimplência, nessa época onde começam a ser registradas uma maior movimentação no comércio, seguem estáveis em Sorocaba, segundo dados da Associação Comercial de Sorocaba.

O economista da Associação Comercial / Esamc Jr., Rafael Muscari, afirma que os números da Boa Vista SCPC, administradora do banco de dados da Associação Comercial de Sorocaba, apontaram queda na quantidade de registros e número de pessoas inadimplentes e no valor total da dívida. Ou seja, em outubro, 145.003 registros foram marcados no banco de dados, contra 146.894 em setembro (redução de 1,29%).

O aumento de 0,18% foi registrado no número de pessoas inadimplentes (CPFs negativados), de 77.731 em setembro para 77.873 em outubro. O valor total da dívida também subiu de R$ 72.166.961,32 para R$ 72.241.611,49.

São números que demonstram estabilidade na inadimplência, segundo a Associação Comercial de Sorocaba.

Uma interpretação possível desses dados da estabilidade da inadimplência é que o devedor ainda não achou meios de virar um bom pagador, ou seja, o desemprego segue alto (estima-se em 24 milhões de pessoas em idade ativa sem emprego no Brasil inteiro). A boa notícia, porém, é que a situação não piorou.

Segue a CPI que investiga contrato com entidade de presidente assassinado

O médico Roberto Kunimassa Kikawa, 48 anos, foi assassinado no último sábado (10 de novembro), após ter sido confundido com um policial numa tentativa de assalto no bairro Ipiranga, zona sul da capital. Ele é o fundador do Cies Global (Centro de Integração de Educação e Saúde), responsável em Sorocaba pela Tenda da Saúde, atendimento médico complementar ao SUS (Sistema Único de Saúde).

O contrato entre a Prefeitura de Sorocaba e a Cies Global é alvo de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Câmara de Sorocaba, onde denúncias apontam irregularidades no pagamento dos serviços de consultas e exames realizados pela Cies Global na cidade, além dos atendimentos terem sido feitos em uma tenda montada na área da Unidade Básica de Saúde do Jardim São Guilherme sem o alvará da Vigilância Sanitária, apenas com um protocolo de solicitação para funcionamento.

No dia 28 de agosto passado, durante depoimento na CPI na Câmara de Sorocaba, o fundador e o diretor executivo da Cies Global, Roberto Kunimassa Kikawa, defendeu que a entidade realizou integralmente todos os exames contratados e afirmou que não houve cobrança múltipla por exames realizados apenas uma vez. Segundo ele, um mesmo paciente passava por diversos procedimentos, como sedação, consulta médica, pesquisa bacteriológica, entre outros, e para cada etapa é registrado um código – por isso apareceriam nos registros várias vezes o mesmo nome do paciente.

Kikawa disse também que a entidade se sentiu muito prejudicada porque o convênio inicialmente previa recursos de R$ 1,4 milhão para prestação dos serviços, mas posteriormente o valor foi reduzido para cerca de R$ 500 mil. Por isso, segundo o depoente, o plano de trabalho da Cies Global teve que passar por uma readequação para se enquadrar no novo valor. Pelo mesmo motivo Kikawa explicou as dificuldades para contratação de profissionais. “A redução não permitiu ter o número adequado de quais exames seriam realizados. Com isso tivemos dificuldade de realizar a contratação de médicos, pois estava incerta a demanda”, concluiu.

A CPI da Cies Global é presidida por Hudson Pessini (MDB) e tem como integrantes o relator Francisco França (PT) e os membros Fausto Peres (Podemos), Fernanda Garcia (PSOL), Iara Bernardi (PT), Irineu Toledo (PRB), Luis Santos (Pros), Péricles Régis (MDB), Renan Santos (PCdoB) e Vitão do Cachorrão (MDB).

CPI segue

A pedido do promotor Orlando Bastos Filho, do Ministério Público em Sorocaba, a CPI da Cies Global protocolou o relatório parcial dos trabalhos realizados, no 17 de julho. Não há previsão de quando a CPI terá a conclusão final das investigações.

Hudson Pessini informou que a CPI já tinha ouvido o suficiente de Kikawa e não havia a intenção de chama-lo novamente. No momento, a CPI busca provas documentais para o conteúdo do que foi dito nas oitivas com os envolvidos. Documentos solicitados à Cies Global aguardam determinação da justiça para serem entregues aos integrantes da CPI.

Empreendedor premiado

O vereador Luís Santos foi quem aproximou a Cies Global da Prefeitura de Sorocaba e eu, no início da tarde domingo, acabei por lhe dar a notícia da trágica morte de Kikawa. A reação de Luís Santos foi de espanto e dor: “Meu Deus! Dor de uma perda irreparável pelo que ele representava como amigo e empreendedor social”. Vale lembrar que o modelo de operação da Cies Global, adaptando centros médicos avançados em tendas ou caminhões, rendeu a Kikawa o Prêmio Empreendedor Social 2010, realizado pela Fundação Schwab em parceria com a Folha de S.Paulo.

Campeão da Série B, Fortaleza teve homônimo na indústria têxtil sorocabana

A série B do Campeonato Brasileiro de 2018 chega ao final com o estrondoso sucesso do São Bento assegurando a sua permanência na competição em 2019, apesar de todos percalços pelo qual passou, inclusive a troca de mais de uma dúzia de jogadores, e com o Fortaleza Esporte Club, time da capital cearense, sagrando-se campeão com da competição por antecedência.

A curiosidade desse título é o fato da equipe, que completa 100 anos (foi fundada 18 de outubro de 1918) ter tido um homônimo em Sorocaba.

Isso mesmo. O Fortaleza Clube foi um dos primeiros times de futebol de Sorocaba, fundado em 7 de novembro de 1904, ou seja, 10 anos antes do São Bento que viria a nascer em 1914 e se tornou o maior embaixador da cidade.

Geraldo, meu irmão mais velho, perto de fazer 70 anos, jogou no Fortaleza. O ex-vereador Yabiku, o craque da ponta esquerda, também fez história no time nascido dentro da indústria têxtil Santa Rosália que, ao lado das fábricas Santo Antônio e São Paulo, formaram o complexo Cianê (Companhia Nacional de Estamparia) que se tornou, por décadas, o maior empregador de Sorocaba chegando a ter quase 60 mil funcionários.

Na última sexta-feira, por acaso, em evento sobre saneamento, me encontrei com Laelso Rodrigues, que está perto de fazer 90 anos. Memória viva da cidade, Laelso se recordou, provocado por mim, de Severino Pereira da Silva (que comandou a Cianê), e do seu filho Carlos Alberto Pereira da Silva, como grandes industriais que impulsionaram o crescimento de Sorocaba. E, claro, ele também se lembrou do Fortaleza e do jogo onde o time Fortaleza de Sorocaba, no final da década de 40, venceu o Flamengo do Rio de Janeiro (esse mesmo time, o de maior torcida do Brasil) para tristeza de Ary Barroso, o compositor mais gravado por ninguém menos do que Carmem Miranda. Flamenguista roxo, como se diz, Ary achava que havia erro no fiasco do Flamengo, recordou Laelso.

História sorocabana

Segundo o blog (http://castellain.com.br/blog/?p=56221), o Fortaleza de Sorocaba nasceu nas mãos de Nicolau Parella e Romano Biazoli, ambos funcionários das indústrias têxteis Santa Rosália (atual bairro de Santa Rosália), com o nome de Sport Club Santa Rosália, para a prática do futebol entre os funcionários daquela fábrica de tecidos.

Mais tarde, a mesma fábrica passou a ser administrada pelo inglês Joseph Klirck, que além de esportista, tinha estreita relação com Charles Miller. Como bom bretão, Klirck incentivou a prática do futebol, instruindo a equipe e doando a primeira bola de futebol.

Foi em uma viagem ao nordeste brasileiro que Klirck, inspirado pela bela cidade de Fortaleza, rebatizou a equipe como Fortaleza Foot-Ball Club.

Porém, nos anos 20 adotou o novo uniforme nas cores vermelho, preto e branco, além de seu nome oficial para Fortaleza Clube.

Mais tarde, em 1906, o recém fundado Sport Club Floresta, de Santa Rosália fez fusão com o Fortaleza Foot-Ball Club, prevalecendo o nome Fortaleza. Suas cores originais eram o verde e branco.

O Fortaleza foi considerado o único rival a altura do Savóia de Votorantim, então bairro da cidade de Sorocaba, em que várias vezes as equipes se enfrentavam dentro e fora de campo.

Em 1940, o empresário Severino Pereira da Silva assumiu a administração da empresa, e em 1942 inaugurou o seu estádio próprio Estádio Severino Pereira da Silva. Este foi o primeiro estádio da cidade de Sorocaba a receber iluminação artificial para jogos noturnos, sendo inaugurado no dia 19 de julho de 1952.

Em sua história, o Fortaleza se destaca pela vitória sobre o C.R. Flamengo por 4 x 1, no dia 1º de março de 1947. Foi, por várias vezes, campeão dos torneios amadores de Sorocaba e região, tendo se tornado Campeão Amador de Sorocaba por 13 vezes, se destacando pelo tetra-campeonato de 1949, 1950, 1951 e 1952 e pelo tri-campeonato de 1967, 1968 e 1969, além de Campeão do Interior em 1948.

Muitos atletas sorocabanos passaram pelo clube, tais como Oberdan Cattani, Zecão e Hélio (goleiros) e Wilson Campos. Em 1970 o clube extinguiu seu departamento de futebol e a especulação imobiliária deu fim ao estádio e sede social.

Prefeito vai à Espanha por 12 dias, mas não passa o comando à vice. Por quê?

Prefeitos de onze cidade brasileiras, entre eles Crespo, de Sorocaba, numa comitiva organizada pela Frente Nacional de Prefeitos, desembarcaram em Barcelona (Espanha) para participar da 8ª edição do Smart City Expo World Congress, onde deverão conhecer boas práticas voltadas à inteligência das cidades.

Para o presidente da Frente Nacional dos Prefeitos, Jonas Donizette, de Campinas, essa missão é importante para o futuro das cidades brasileiras: “Espero que os prefeitos voltem com grandes ideias para suas cidades”. O prefeito de Sorocaba/SP, vice-presidente de Planejamento Urbano, está animado com a viagem, onde no quesito mobilidade urbana, Sorocaba é finalista no concurso de cidades inteligentes apresentando o projeto do VLT, também durante o congresso.

Custos da Frente Nacional

Representam a Frente Nacional de Prefeitos no evento, além dos prefeitos de Sorocaba e Campinas, o prefeito de Curitiba/PR, Rafael Greca, vice-presidente de Cidades Inteligentes,a prefeita de Palmas/TO, Cinthia Ribeiro, 2ª vice-presidente da FNP, e os prefeitos de Porto Velho/RO, Dr. Hildon, vice-presidente de Relações com o Judiciário; de Aracaju/SE, Edvaldo Nogueira, vice-presidente de Relações com Fóruns e Redes; de Niterói/RJ, Rodrigo Neves, vice-presidente de Parcerias Estratégicas;; de Ribeirão Preto/SP, Duarte Nogueira, vice-presidente de Gestão Pública; de Cariacica/ES, Juninho, vice-presidente de Políticas Sociais; de São José dos Campos/SP, Felício Ramuth, vice-presidente de Mobilidade Urbana; de Jaguariúna/SP, Gustavo Reis, vice-presidente de Juventude; de Presidente Prudente/SP, Nelson Bugalho, vice-presidente de Energias Renováveis e o vice-prefeito de Salvador/BA, Bruno Reis.

Os custos de viagem foram subsidiados a partir de uma parceria entre FNP e Smart City Expo World Congress.

Smart City Expo World Congress

O encontro de Barcelona é um fórum que prevê o compartilhamento de boas práticas em políticas públicas para cidades inteligentes. Em sua 8ª edição, que ocorre até 15 de novembro, o evento se concentrará em cinco tópicos principais: Transformação digital; Ambiente urbano; Mobilidade; Cidades inclusivas e compartilhadas; Governança e finanças; Missão internacional.

Relação com a vice-prefeita

O prefeito embarca de volta ao Brasil no próximo dia 20 e dia 21 retoma as atividades, em Sorocaba. Ele ficará fora da cidade, portanto, por 12 dias e abriu mão de passar o comando formal da cidade à vice-prefeita, Jaqueline Coutinho. Sua decisão está dentro da lei uma vez que apenas quando se ausentar por mais de 14 dias ele precisava passar o comando da cidade de maneira formal. Na sua ausência, a prefeitura segue o trâmite normal tendo em vista que os secretários municipais assinam pelo trâmite burocrático.

No exercício do mandato o prefeito Crespo já foi à Alemanha e Portugal por períodos menores que 12 dias e passou o comando da cidade à vice. Foi no retorno de uma dessas viagens que nasceu o atrito entre ele e a vice que originou, inclusive, a cassação do seu mandato por parte da Câmara pelo período de 43 dias.

Mas há uma luz no fim do túnel para que eles restabeleçam uma relação política, ao menos. Por quê? Porque assim que terminou a campanha eleitoral, portanto retornando da licença prevista em lei para se candidatar, Jaqueline Coutinho se apresentou ao prefeito. Crespo pediu que os secretários Hudson Zuliani, Eloy Oliveira, Eric Vieira e Flávio Chaves acompanhassem esse encontro, onde a vice disse que gostaria de ter espaço para trabalhar e pediu 2 assessores ao prefeito. Crespo teria dito a ela que iria ver se lhe daria algum espaço na administração, mas enfatizou que ela (Jaqueline) não confia nele e ele (Crespo) não confia nela.

Ainda não há decisão do prefeito, pelo que consegui saber, se ele vai ou não incorporar Jaqueline no dia-a-dia da administração. Numa eventual reforma (o zumzumzum dos corredores palacianos afirmam que vai acontecer), Jaqueline poderá vir a ser convidada para ocupar um cargo de secretária municipal.

Antagônico aos padrões, choca o primeiro discurso do presidente eleito

O primeiro discurso do presidente eleito Jair Bolsonaro foi completamente fora dos padrões e, apenas por isso, um choque, afinal nunca antes, talvez no mundo, mas seguramente no Brasil, um recém-eleito tenha ocupado a frente das câmeras para aparecer orando ao vivo em rede nacional.

No calor da realidade, impactado pela imagem, ao vivo na rádio Ipanema (FM 91.1Mhz) minha primeira fala foi de aceitar a nossa nova realidade e entender que Bolsonaro falava para os seus eleitores, ou seja, ele sabia a quem estava se dirigindo. E que havia um sentido completo em sua manifestação para essas pessoas que o elegeram com quase 9 milhões de votos a mais do que Haddad.

É preciso entender esse novo momento de nossa história. E entender a partir de sua origem. Por isso, para buscar uma real dimensão desse primeiro ato do presidente eleito reúno aqui duas manifestações. Uma do escritor Milton Hatoum, que dispensa apresentações. E outra de um amigo, bolsonarista de primeira hora, empresário, crítico de toda a política praticada no Brasil nos últimos 30 anos, e satisfeito com o resultado das urnas.

Fica o convite, caro leitor, para que você tire suas conclusões a partir da manifestação de Hatoum e da reação do meu amigo bolsonarista.

Vexame e sinistro

Foi um vexame o primeiro discurso do novo presidente. Antes da fala, o eleito e seus assessores, orando de mãos dadas e olhos fechados, pareciam membros de uma seita religiosa fundamentalista, e não dirigentes políticos de um Estado laico.

O discurso, de uma vulgaridade gritante (na forma e no conteúdo), antecipa um estilo de governar.

Não menos vulgares são os assessores e bajuladores que cercam o capitão. Ao ver e ouvir as cenas patéticas da reza e da fala, me lembrei das frases de um conto de Tchekhov: “Estou cercado de vulgaridades por todos os lados […] Gente enfadonha, vazia… Não há nada mais medonho, mais ultrajante, mais deprimente do que a vulgaridade. Fugir daqui, fugir hoje mesmo, senão vou ficar louco!”

Mas não é preciso fugir. Vou ficar aqui, lendo, escrevendo, dando palestras sobre literatura, questionando democraticamente essa figura sinistra e o que ela representa. Por Milton Hatoum, escritor

Simplicidade e honestidade

Não acho que a cena da primeira fala do presidente tenha sido linda e até dentro dos padrões que estamos habituados a ver. Entretanto havia ali um protesto à grande imprensa. Primeira declaração pelo meio que o elegeu, a internet, travando a transmissão e tudo, amadoramente, deixando o “padrão Globo” sem saber o que fazer. E depois por um pool de tv, com um repórter sem identificação no microfone.

Claro que tudo isso deixou a impressão de algo amador e simplório.

Na cena haviam sim alguns trogloditas atrás e ao lado dele, mas também reforçou o tom independente e amador.

Ele foi eleito justamente por isso, pela simplicidade, obviamente misturada com a honestidade. Não vejo nisso algo preocupante. Ele não disse e não fez nada diferente do que disse durante a campanha.

Nos fixando no conteúdo, declarou obediência aos princípios liberais, religiosos e à constituição.

Bom não?

Vamos ver o que vem por aí.

Por último, vejo no artigo ou sei lá o que seja (manifestação de Hatoum) uma primeira tentativa de colocar em lados opostos a realidade e a intelectualidade desse país, mas isso também não é novidade, foi assim durante a campanha. Não deveriam eles se arvorar em criticar toda incompetência e roubalheira dos últimos 33 anos? Por que não o fizeram? Acho que vamos descobrir aos poucos.

Por fim: Figura sinistra… Não aceitar o resultado das urnas é que é sinistro!!!

Sorocabano celebra eleição de Bolsonaro como título da Copa do Mundo

Para comemorar a eleição de Bolsonaro, um público avaliado em 8 mil pessoas por integrantes de grupos sorocabanos ligados ao presidente eleito, se reuniu na praça do Parque Campolim na noite deste domingo, bem antes da oficialização do resultado das urnas, por volta das 17h30.

A última vez que vi o Parque Campolim tomado como domingo foi quando o Brasil conquistou o título no Mundial do Japão\Coréia em 2002.

De acordo com os organizadores a concentração estava prevista para iniciar as 19h, porém populares começaram a chegar no parque duas horas antes. Na estrutura o evento contou com telão e carro de som para que todos pudessem acompanhar em tempo real a apuração dos votos.

Ao som de diversas músicas de apoio à campanha de Jair Bolsonaro, os sorocabanos ali presentes comemoraram, levando ao fechamento das avenidas Antônio Carlos Comitre e Domingos Júlio para festejar.

Em coro, os sorocabanos gritavam “Mito, mito, mito”, “1,2,3,4,5 mil… Jair Bolsonaro presidente do Brasil”, “a nossa bandeira jamais será vermelha”.

Por volta das 22h os organizadores encerraram a comemoração, conforme orientação da  Polícia Militar que acompanhou o evento. A Guarda Civil Municipal e agentes de trânsito da Urbes também acompanharam a comemoração para orientar trânsito local.

Um dos mais entusiasmados na comemoração, era o sorocabano Vinícius Rodrigues, primeiro suplente a deputado federal pelo PSL no estado de São Paulo. Ou seja, se confirmando a nomeação do príncipe de Orleans e Bragança, eleito deputado federal, para algum cargo no governo de Bolsonaro, a vaga na Câmara dos Deputados ficará com Vinícius Rodrigues.

Deputado sorocabano grava vídeo com Bolsonaro, que agradece votos locais

O deputado federal Jefferson Campos, reeleito para o seu quarto mandato na Câmara em Brasília, gravou um vídeo com o candidato à presidência da República Jair Bolsonaro, na casa dele, no Rio de Janeiro, na última terça-feira, e divulgou em sua conta nos Instagram.

Bolsonaro diz: Olá pessoal de Sorocaba. Prezados fiéis, amigos da Quadrangular. Muito obrigado a todos vocês pelo apoio, consideração e votação que tivemos no último dia 7. E no dia 28, vamos repetir, apertar o 17 de novo. Um abraço.

Jefferson completa: Vamos pra cima!

O abraço aos amigos da Quadrangular diz respeito ao fato de Jefferson ser pastor e vice-presidente nacional da Igreja Quadrangular do Brasil.

Em sua postagem, o deputado explica que esteve na casa de Bolsonaro “junto dos outros membros da Frente Parlamentar de Segurança para manifestar apoio e preocupação com a violência generalizada que toma conta do país e apresentar soluções para nosso Jair Messias Bolsonaro, nosso futuro presidente”.

No 1º turno ficou evidente a preferência do sorocabano por Bolsonaro ao lhe dar mais de 213 mil votos contra 45 mil da votação de Haddad.