Capítulo 10 – Por que os aliados do “padrinho” de Crespo estão rebeldes?

PMDBsO pedido de investigação do prefeito – apresentado, por meio de ofício, pelo munícipe Helder Abud Paranhos, chefe de gabinete do vereador Renan Santos (PCdoB) – recebeu 12 votos favoráveis contra 8 votos contrários. Além da bancada de oposição, formada por Fernanda Garcia (PSOL), Renan dos Santos (PCdoB), Francisco França (PT) e Iara Bernardi (PT), votaram a favor: Silvano Junior (PV), Fausto Peres (PTN), Hélio Brasileiro (PMDB), Hudson Pessini (PMDB), Péricles Régis (PMDB), Vitão do Cachorrão (PMDB), Wanderley Diogo (PRP) e Rodrigo Manga (DEM). Votaram contra: Fernando Dini (PMDB), Irineu Toledo (PRB), João Donizeti (PSDB), JP Miranda (PSDB), José Francisco Martinez (PSDB), Luis Santos (Pros), Pastor Apolo (PSB) e Rafael Militão (PMDB).

Essa quantidade de votos dos vereadores da coligação que elegeu Crespo prefeito, e que estiveram sob a liderança de Renato Amary, “padrinho” da eleição de Crespo (não canso de repetir que Raul Marcelo, ao reconhecer a vitória de Crespo no 2º turno, afirmava que os sorocabanos queriam votar em Renato e por isso votaram no Crespo) causa espanto e reflexão.

Me aproprio (por concordar) de reflexão de um querido amigo sobre este momento. Ele me escreveu dizendo: Está difícil achar parceiros em quem confiar. Todo mundo está olhando apenas o próximo palmo do caminho. Esse episódio da prefeitura, por exemplo, para além das questões venais nela existentes, mostra a dificuldade que a sociedade tem em fazer o debate profundo sobre o momento de nossa democracia. Vejamos fatos e percepções envolvidas nesse episódio:

  1. O Crespo é desequilibrado, mas foi eleito.
  2. A não ser que se comprove um crime, tirá-lo de qualquer jeito é um golpe e fragiliza a democracia.
  3. A vice-prefeita Jaqueline Coutinho, possivelmente, está jogando o jogo do Renato. Não consigo acreditar na espontaneidade do post da mãe dela.
  4. O presidente da Câmara, Rodrigo Manga, quer ser prefeito de qualquer jeito e armou a cena da comissão com o Renan Santos (PC do B).
  5. Isso só demonstra, como vemos em Brasília, que as instituições estão quebradas. Todo mundo serve a interesses menores.
  6. A população assiste a tudo (em Brasília e em Sorocaba) incrédula e sem coragem de defender qualquer coisa.
  7. O resultado é que a sociedade vai se esfacelando.
  8. E, nesse ritmo, o Brasil caminha rapidamente para uma guerra civil.

Concordo plenamente tudo isso. E você?