Cinco anos depois de restringir o atendimento na UPH da Zona Norte apenas para o público adulto, prefeitura publica edital em busca de pediatra para voltar a fazer atendimento misto na unidade. Por enquanto é só estudo

UPHznPediatraNo dia 01/11/13, portanto há cinco anos, a UPH (Unidade Pré Hospitalar) da Zona Norte – a mais antiga da cidade – deixava de fazer atendimento misto no local, ou seja, deixou de realizar atendimento no setor de pediatria, ficando apenas com atendimento no setor adulto. As consultas para crianças de até 11 anos, 11 meses e 29 dias ficaram centralizadas na UPH da Zona Oeste.

A decisão da época foi do prefeito Pannunzio que atendeu à reorganização do Sistema de Urgência e Emergência da Secretaria da Saúde de Sorocaba feita pelo então secretário de Saúde, Armando Raggio. A prática dessa decisão se mostrou um desastre político para Pannunzio (nem se discute a prática médica da medida, cujo os indicadores poderão mostrar que foi acertado) e virou tema de debate durante todo o seu governo chegando, em consequência, ao período eleitoral.

Hora de mudar

Sem falar sobre o assunto, seja em entrevista, envio de relise ou algum pronunciamento, o fato é que um edital publicado na imprensa no final de semana demonstra que a prefeitura de Sorocaba está disposta a cumprir o que prometeu em campanha, ou seja, reativar o atendimento misto na UPH da Zona Norte.

O edital comunica a necessidade do remanejamento dos médicos pediatras da UPH Zona Oeste considerando a necessidade de oferecer atendimento médico infantil na UPH da Zona Norte. E alerta para a baixa procura dos pediatras por vaga na carreira pública quando da abertura de concurso público.

Cerca de 30 pediatras plantonistas atendiam nas duas UPHs, dividindo-se em escalas de 24 horas de trabalho, até que a mudança, cinco anos atrás, levou os pediatras a trabalhar apenas na unidade da Zona Oeste.

Drama das famílias

Os moradores da Zona Norte que precisaram de pediatria nesses cinco anos tiveram um veículo VW Kombi à disposição para realizar o transporte, ou no caso de urgência, a ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). A prática demonstrou o quanto esse transporte foi ineficaz e ineficiente. Mas, na época, em que pese os questionamentos e alertas, o secretário Raggio disse que “esta decisão foi tomada com responsabilidade. Foi muito refletida e será constantemente aperfeiçoada”.

Não deu certo, avalia o atual secretário Ademir Watanabe, uma vez que é ele quem assina o edital que vai desfazer essa decisão.