Clima de apreensão contagia 1º e 2º escalão da prefeitura após conhecimento da data de julgamento de Crespo

Clima

Foto do dia em que o prefeito retornou ao cargo, via liminar, que agora terá o seu mérito julgado

 

A ordem do prefeito Crespo é para manter o ritmo de trabalho sem que nada tivesse acontecido, ou seja, sem que a data do julgamento da liminar que o mantém no cargo tivesse sido anunciada no começo da tarde de hoje. O prefeito afirmou que não existe motivo para preocupação e que tecnicamente é bem pouco provável que haja uma reversão na decisão da liminar.

Na aparência a mensagem do prefeito foi bem recebida pelos secretários. Mas ouvi de pessoas próximas que o prefeito está bastante tranquilo, por enquanto. Opa, por enquanto?

A verdade é que todo e qualquer julgamento gera apreensão em que pese o que diga o advogado e o que seja a história dos julgamentos em plenários de uma liminar, ou seja, de nunca ter sido revertida pelo colegiado a decisão liminar de um colega.

é isso o que aconteceu, mas na prática o clima de apreensão foi se estendendo dos secretários para os funcionários mais próximos e assim, como num rastilho de pólvora, virar o assunto dominante nos corredores do Paço Municipal.

Em que pese o recesso parlamentar, os vereadores também sentiram esse clima diferente.

O presidente da Câmara, Rodrigo Manga, havia conversado perto da hora do almoço com os vereadores Vitão do Cachorrão, Péricles Régis, Renan dos Santos e Hudson Pessini. Eles tinham a intenção de daqui a dois dias se encontrar com o prefeito para um assunto que envolve a escolha do futuro secretário da pasta de Igualdade e Assistência Social, vaga desde a exoneração de Alexandre Hugo de Morais do cargo. Mas já pensam em tratar deste tema somente após o julgamento de 5 de fevereiro, daqui a 13 dias.