Consórcio vencedor da licitação que vai implantar o BRT em Sorocaba mantém prazo de início de obras e anuncia campanha para alertar população sobre os transtornos da sua execução

A empresária Niege Chaves, presidente do consórcio vencedor da licitação para implantar o BRT (Bus Rapid Transit – Sistema de Tráfego Rápido de Ônibus) em Sorocaba reuniu a imprensa na tarde de quinta-feira para ratificar algumas informações já dadas anteriormente, como o prazo de setembro para o início das obras e o período de dois anos (final de 2020) para a sua conclusão, e anunciar novidades como a campanha publicitária para informar a população sobre os transtornos e mudanças durante o período de obras do projeto, além da criação de um prêmio jornalístico sobre a Mobilidade Urbana, que o consórcio fará em parceria com a ASI (Associação Sorocaba de Imprensa).

O consórcio BRT Sorocaba é formado pelas empresas CS Brasil e MobiBrasil e é responsável pelas obras do projeto que incluem 68 km de vias, três terminais integrados, quatro estações de integração e uma garagem. A concessão de operação do sistema é de 20 anos e nesse período terá, por contrato, de fazer a aquisição de 125 ônibus com Wi-fi, sendo 73 padron, 11 de 15 metros e 41 articulados, todos com ar-condicionado. O projeto do BRT de Sorocaba prevê três corredores: avenidas Itavuvu, Ipanema e Armando Pannunzio, além de faixas exclusivas em outras vias.

O investimento total do projeto é de R$ 384 milhões, deste valor são R$ 140 milhões da Prefeitura — vindos do Ministério das Cidades e contrapartida municipal –, e o restante obtidos pelo consórcio por meio de financiamentos privados.

O evento teve a presença do prefeito Crespo e de secretários municipais, entre eles o presidente da Urbes, Luiz Carlos Siqueira Franchim, que revelou que o poder público acompanhará as obras por meio de uma empresa fiscalizadora contratada.