CPI da Fila atira onde viu, mas já há quem diga que ela vai acertar onde não viu, ou seja, um cadastro de 30 mil nomes

A superintende regional da Caixa Econômica Federal (CEF), Célia Marisa Molinari de Matos, foi a primeira convidada a prestar esclarecimentos na Comissão Parlamentar de Inquérito nº 02/2016, nesta terça-feira, 31, criada para investigar os problemas enfrentados pelas pessoas durante o novo cadastro habitacional, a CPI da Fila. Presidida pelo vereador José Crespo (DEM) e com relatoria de Marinho Marte (PPS), a comissão realizou sua primeira oitiva após a 31ª sessão ordinária da Câmara. E olha a afirmação dela: “Se a Prefeitura esgotou cadastro anterior ou se não tinha todos os dados que necessita para a Caixa, pode ser que tenha tido sim a necessidade [de atualizar o cadastro], só que isso não tenho como afirmar”.

Essa afirmação vai colocar o foco no vereador Hélio Godoy, presidente da Comissão de Habitação da Câmara. Ocorre que ele, enquanto secretário da Habitação do prefeito Pannunzio, foi quem fez o cadastro original que a Prefeitura de Sorocaba possui. Uns dizem que são 30 mil nomes, endereços e situação eleitoral. Há quem afirme que são 50 mil nomes. Ou seja, um mailing que gera o interesse de muita gente que tem algo a vender. Ainda mais se o produto em questão for uma candidatura.

Na prefeitura há quem aposte que Hélio Godoy levou com ele este cadastro.

Enfim, a CPI da Fila foi criada para verificar a necessidade do recadastramento na duas últimas semanas, em detrimento dos interessados já inscritos anteriormente (o tal mailing que estaria com o vereador Godoy). Como já disse anteriormente, a CPI quer mesmo saber se o tal cadastro atual tinha o objetivo de beneficiar Chiquinho da Habitação, funcionário responsável pelo novo cadastramento e que é candidato a vereador pelo PSDB.

A CPI começou. E quem disser que sabe como ela vai acabar está redondamente enganado.