De volta ao cargo de prefeito há um mês, Crespo fala que nesta nova fase está focado na conciliação, distensão e participação

CrespoEuNo dia 6 de outubro o prefeito Crespo voltou ao cargo por força de liminar concedida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo que suspendeu os efeitos do decreto legislativo que cassou o seu mandato. O mérito da ação ainda não tem data para ser julgada.

Na coluna O Deda Questão do Jornal Ipanema (FM 91.1Mhz) na manhã de hoje lembrei que há um mês Crespo voltou a ocupar o cargo de prefeito e que esse tempo é o suficiente para que ele retome à rotina de dar satisfação à comunidade sobre os seus atos. O secretário de comunicação, Eloy Oliveira, prepara uma agenda de entrevistas e pronunciamentos do prefeito.

No começo da tarde, em seu gabinete, Crespo me recebeu para um bate-papo informal, portanto, não para uma entrevista gravada. Apenas uma conversa. Essa havia sido uma prática do ex-prefeito Pannunzio que pelo menos por 3 vezes também me convidou para um café em sua sala ao saber que eu estava no prédio do Paço Municipal.

Crespo receberia (como recebeu) o deputado estadual Raul Marcelo (PSOL), seu adversário no 2º turno das eleições, que conseguiu verba orçamentária para que seja construído o protão de acesso à ferradura no estádio municipal, onde o São Bento vai mandar os seus jogos de 2018 do campeonato Paulista da série A-1 e do Brasileirão da Série B. Raul Marcelo estava acompanhado da diretoria do São Bento e a verba conseguida por ele é equivalente a 40% do dinheiro necessário para a obra, algo em torno de R$ 250 mil.

Bate-papo

Demonstrando bastante serenidade, calma e foco, Crespo em nenhum momento revelou mágoa com o que lhe aconteceu e explicou que nos 43 dias longe do cargo teve a chance de refletir. Na sua volta, que nesta segunda-feira, 6 de novembro completa 32 dias, ele afirmou que está colocando em prática o que refletiu no período de ausência, ou seja, que nesse mês se dedicou à Conciliação, Distensão e Participação.

A conciliação, disse Crespo, é diretamente com Jaqueline Coutinho, sua vice-prefeita e pivô dos argumentos usados pelos vereadores para cassarem o seu mandato. Me desculpei com ela e tenho cotidianamente demonstrado respeito por ela e pelo cargo que ela ocupa. Os exageros ficaram no passado e não vou remoer nada, apenas construir um futuro de conciliação e isso está sendo possível.

A distensão é tirar a tensão que o que ele chamou de sincericídio (sinceridade que gera ofensa aos outros e lhe causa problemas) com outras esferas do poder e outras lideranças políticas. Crespo disse que suas falas provocaram a mágoa do ex-prefeito Pannunzio por exemplo e que ele podia ter feito tudo o que fez sem falar nada e está certo de que não teria criado a tensão política que causou. O prefeito se prepara para estabelecer um canal de interesse de Sorocaba com os parlamentares do PSDB, especialmente os deputados Vitor Lippi e Maria Lácia Amary, que estarão em 2018 coligados com o seu partido o DEM. Não há justificativa para alimentar uma tensão entre as lideranças locais já que em âmbito estadual e nacional os dois partidos sempre caminharam juntos.

A participação refere-se diretamente a abrir espaço no governo, nesta sua volta ao cargo, aos vereadores. Minha intenção ao fazer do modo que fiz antes de ser cassado era fazer diferente do que havia sido feito, mas ir contra uma cultura faz mal à cidade pelas turbulências que provocam. Claro que eu meu dei mal, pois fui cassado, mas o que importa é que fazer tudo sozinho, fechado, faz mal à governabilidade da cidade. Por isso, explicou, está focado em abrir espaço aos vereadores.