Decifrando o enigma de uma possível candidatura

O sorocabano Flávio Amary, secretário de Estado da Habitação do governo paulista, ocupou hoje o espaço a ele reservado a colunistas no jornal Cruzeiro do Sul para falar sobre “A Sorocaba que queremos”.

“Tomo a liberdade de escrever, neste espaço democrático, não só como secretário de Estado, cuja confiança e responsabilidade foi me dada pelo governador João Doria, mas como cidadão sorocabano que, assim como tantos outros munícipes, desejam que a cidade seja olhada com carinho e com orgulho”, escreve o secretário num dado momento.

A primeira impressão é de que ele, que ainda não está filiado a partido político, esteja fazendo uma defesa, como cidadão, como explica, do momento turbulento pelo qual passa a cidade onde estão em curso duas Comissões Processantes na Câmara de Vereadores, que podem tirar o mandato do prefeito e também da vice; onde está em tramitação da Operação Casa de Papel; onde uma CPI e uma denúncia do Ministério Público colocam em situação de fragilidade o prefeito Crespo.

Mas, num momento seguinte do seu artigo, Flávio Amary afirma: “Que a gente possa construir juntos, com diálogo e coragem, uma nova realidade local, olhando para a riqueza das potencialidades de nossa cidade, fortalecendo-a e colocando-a em lugar de destaque no cenário nacional, como uma das melhores para se viver. Essa é a Sorocaba que querermos — e merecemos”. Então, minha segunda impressão, é de que ele está convocando o eleitor, acima até do que o cidadão não-eleitor, a junto com ele “construir (…) a Sorocaba que querermos — e merecemos”.

Por fim, tive certeza que seu artigo de hoje é o anúncio de uma possível candidatura a prefeito. Vejam o seguinte parágrafo: “Como um eterno otimista, renovo a esperança de que o amanhã será melhor do que o hoje. Aposto e acredito em Sorocaba, em sua qualidade de vida, em seu potencial de geração de empregos e atração de investimentos”.

Oficialmente, em conversa comigo e com várias outras pessoas que ouvi, Flávio Amary afirma que não é candidato a prefeito de Sorocaba. Mas como filho de peixe, peixinho é, assim como seu pai, Renato Amary, ex-prefeito por duas vezes, ex-deputado estadual, ex-deputado federal e padrinho da campanha vitoriosa de Crespo à Prefeitura de Sorocaba, Flávio sabe que o prefeito a ser eleito em 2020 começa agora, no primeiro semestre de 2019, a sua caminhada.

Este artigo, me parece, é o primeiro passo da sua jornada.

A Sorocaba que queremos

Flávio Amary

Uma das minhas primeiras atividades, logo que assumi a Secretaria de Estado da Habitação do governo de São Paulo foi organizar a minha agenda com uma série de visitas institucionais a representantes dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, algo que continuo a cumprir regularmente. Menciono este fato porque sempre acreditei no diálogo como único caminho para nos desfazermos de barreiras e diferenças para a construção do melhor para os cidadãos.

Somos seres sociais, ou seja, a relação com o outro é inevitável e, quase sempre, passível de discordância de ideias, questionamentos ideológicos e divergência no encaminhamento das soluções.

No âmbito governamental, no entanto, as diferenças e suas consequentes disputas podem colocar em xeque o presente e o futuro de uma cidade, estado e até mesmo de uma nação.

Ao lançarmos um olhar para a nossa Sorocaba presenciamos um cenário de incertezas e intolerância onde se estabeleceram critérios tão rígidos de certo e errado, bem e mal que, automaticamente, julga-se e condena-se aqueles que pensam ou agem de forma contrária às ideias ou atitudes do outro fazendo o debate ceder lugar ao embate.

Enquanto agentes públicos a serviço da sociedade precisamos dar o exemplo e a nossa colaboração para construir uma comunidade mais conciliadora e empática na qual o indivíduo, na diversidade que lhe é intrínseca, respeita, escuta e consegue estabelecer, de fato, um debate construtivo de ideias e soluções.

Nesse sentido, o papel dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário é fundamental na medida em que devem trabalhar de forma independente, mas, ao mesmo tempo, de maneira sensata, unidos em torno de um objetivo em comum: de oferecer o melhor para Sorocaba e seus cidadãos.

Tomo a liberdade de escrever, neste espaço democrático, não só como secretário de Estado, cuja confiança e responsabilidade foi me dada pelo governador João Doria, mas como cidadão sorocabano que, assim como tantos outros munícipes, desejam que a cidade seja olhada com carinho e com orgulho.

Que a gente possa construir juntos, com diálogo e coragem, uma nova realidade local, olhando para a riqueza das potencialidades de nossa cidade, fortalecendo-a e colocando-a em lugar de destaque no cenário nacional, como uma das melhores para se viver. Essa é a Sorocaba que querermos — e merecemos.

Como um eterno otimista, renovo a esperança de que o amanhã será melhor do que o hoje. Aposto e acredito em Sorocaba, em sua qualidade de vida, em seu potencial de geração de empregos e atração de investimentos.

Concedo meu voto de confiança aos parlamentares, autoridades e governantes que nos representam em âmbito municipal, para que tenham a responsabilidade e o equilíbrio nas tomadas de decisões e superem questões eleitoreiras ou ideológicas e coloquem Sorocaba e sua gente acima de disputas, poder ou qualquer outra intenção que não seja a do interesse legítimo da população.

Que estejamos todos — políticos e cidadãos — preparados e amadurecidos para fazer de momentos de discordância, uma oportunidade de sermos construtores de pontes, em vez de muros.

Flavio Amary é secretário de Estado da Habitação e escreve para o Cruzeiro do Sul.

Comentários

Leia também