Deputada sorocabana vê politicagem em CPI da Merenda, mas preside CPI de obesidade

A CPI da Obesidade Infantil da Assembleia Legislativa de São Paulo, presidida pela deputada estadual sorocabana Maria Lúcia Amary (PSDB), irá convocar seis especialistas para que expliquem as causas e os tratamentos da doença, além de fornecer dados acerca do problema. Os requerimentos autorizando as convocações foram aprovados na última reunião da CPI, realizada nesta semana.

Em contrapartida, a deputada sorocabana segue entendendo que não há necessidade de uma CPI na Assembleia para se investigar acusações de desvio de recursos da merenda de escolas estaduais que atingem, entre outros, o colega de partido e presidente da casa, Fernando Capez. Em entrevista na coluna O Deda Questão, no Jornal da Ipanema (FM 91,1Mhz), ela foi clara em dizer que uma CPI dessa natureza tem cunho político partidário, ou seja, é politicagem para atacar o seu partido e o governo de Alckmin e por isso ela não assina o documento para a criação dessa CPI.