Deputado defende seu voto em vaquejada, ataca MMA e é alvo de críticas

VLDeputado sorocabano explicava porque preferiu ficar com Temer, apesar de todo o desgaste, mas foi resposta sobre seu voto em vaquejada que criou a polêmica entre os ouvintes

A decisão do PSDB de se manter aliado ao presidente Michel Temer, e de todo o desgaste dessa decisão, era o tema da entrevista com o deputado federal sorocabano Vitor Lippi na coluna O Deda Questão no Jornal da Ipanema (FM 91.1Mhz) na manhã de hoje (14/06).

Tenho tratado dessa questão da crise nacional, há semanas, sob o viés dos dois deputados sorocabanos, o próprio Lippi e Jeferson Campos. Eles têm dado informações raras e que ajudam a quem acompanha de longe toda essa problemática a entender este momento difícil pelo qual passa o Brasil.

Lippi, ao contrário dos parlamentares mais novos do partido, teve a preferência pessoal de seguir a maioria das lideranças e seguir com Temer em nome da recuperação econômica, da estabilidade para as aprovações das reformas Trabalhista, Previdenciária e Tributária e de uma transição, sem susto, até a eleição de 2018.

O deputado defendeu essa decisão, explicou a decepção com Aécio e deixou claro que sabe que o eleitor poderá não compreender essa posição dele e em 2018, nas urnas, a resposta não ser aquela que o PSDB deseja que seja.

Mas, no final da entrevista, ao mudar de tema, é que pude verificar na prática a infinita audiência do Jornal da Ipanema e da coluna O Deda Questão. Ao final de uma resposta sobre vaquejada (leia a seguir) praticamente de modo simultâneo, em menos de 1 minuto, 50 ouvintes se manifestaram. Todos indignados com o que respondeu o deputado.

 

Vaquejada x MMA

 

A pedido do ex-vereador, ambientalista e colunista do Jornal da Ipanema, Gabriel Bitencourt (que já tratou desse tema em sua coluna e eu repercuti aqui no blog) eu perguntei porque Lippi votou a favor da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que legaliza no Brasil todo a vaquejada (prática onde um homem sobre um cavalo corre atrás de uma vaca ou boi e puxando-o pelo rabo joga o animal no chão).

Lippi explicou que os parlamentares foram procurados por diversas comissões em Brasília, “inclusive de veterinários”, para ‘liberar’ tal prática. “Antigamente era feito, muitas vezes, de uma forma cruel, sem nenhum cuidado… E com a evolução, da questão com os cuidados com os animais, houve a criação de regras, de normas…”

O deputado federal citou um exemplo dessas ‘regras’: “você tem que ter um local adequado, que tenha palhas no chão de quinze centímetros, para que o animal não se machuque ao cair; que o rabo que as pessoas puxam tenha uma proteção, um jeito próprio de puxar… A questão do bem-estar animal faz parte das normas e das exigências para a regulamentação dessa atividade esportiva”.

Lippi disse que esses ‘cuidados’ o convenceram, “assim como a grande maioria, noventa por cento dos congressistas”, a votar a favor da PEC, “pois entendemos que hoje é um esporte que está sendo feito com regras, sem o sacrifício ou agressividade ou violência”.

Assim que Lippi falava, mensagens dos ouvintes começaram a chegar, e manifestei duas delas: está dizendo que machucar um pouquinho pode? Que agora vai ter que aprender a puxar o rabo da vaca?

Lippi, assim, teve o impacto da repercussão afirmou que a sociedade é incoerente ao reprovar a vaquejada e defender as lutas de MMA. “Veja as incoerências da sociedade: o pessoal que critica isso [vaquejada] adora MMA, onde uma pessoa violentamente agride a outra. Inclusive eu fiz parte de uma manifestação, aqui em Brasília, que é contra o MMA, que é uma pessoa agredir a outra violentamente, machucando-a, criando sequelas, mutilando os outros… É preciso uma reflexão da sociedade sobre o que significa a violência, como está sendo feita… É bonito as pessoas assistirem a esses espetáculos dantescos? Parece que estamos ainda na época dos romanos, onde as pessoas eram jogadas numa arena para um machucar o outro, deixar o outro desacordado… São essas coisas que precisam ser discutidas”.

Escute o áudio de 3’40”: http://www.jornalipanema.com.br/noticias/arquivo-aberto/279962/lippi-defende-a-pratica-da-vaquejada-e-ataca-as-lutas-de-mma