Deputado federal revela que prefeita Jaqueline telefonou a ele pedindo ajuda para montar o seu governo

VLestudioO deputado federal Vitor Lippi (PSDB) revelou, durante entrevista ao Jornal da Ipanema, da Rádio Ipanema 91,1 FM, nesta manhã de segunda-feira (11/09), que a prefeita Jaqueline Coutinho (PTB) telefonou a ele logo depois de assumir o comando da prefeitura, com a cassação de Crespo, para dizer que queria a ajuda de vocês (referência aos tucanos em geral). Segundo o deputado, a prefeita pediu permissão a ele para que João Leandro da Costa Filho, presidente do PSDB em Sorocaba, fosse para seu governo após assumir seu mandato.

João Leandro ocupa, agora, o cargo de secretário de Gabinete Central da Prefeitura de Sorocaba. Ele chegou a concorrer as eleições 2016 para prefeito, entretanto, não chegou a ir para o segundo turno, quando disputaram José Crespo (DEM) e Raul Marcelo (PSOL).

À época, o tucano ocupava cargo de chefe de gabinete do deputado em Brasília.

Vitor Lippi foi o entrevistado na coluna “O Deda Questão” e demonstrou dúvida se poderia contar a história ou não na rádio: “Eu achei muito importante a postura da prefeita Jaqueline”, elogiou. Ela me perguntou se eu poderia ceder meu chefe de gabinete. Como eu vou falar não? Você [Jaqueline] me liga e me pede ajuda para ajudar Sorocaba. Eu vou falar não? Lógico que não!”, exclamou.

Crítica a Crespo

Sem citar o prefeito cassado, Lippi, que já foi por duas vezes prefeito de Sorocaba,  afirmou que ninguém governa sozinho, lembrou de Collor e Dilma que foram cassados por não ter maioria, e repetiu uma frase que já havia dito na rádio: “a arrogância precede a derrota”. Sobre a formação de secretariado da prefeita, que reúne diversas legendas partidárias, Lippi afirmou que a “política é a arte da articulação. Acho perfeitamente legítimo que a atual prefeita busque várias coligações que busquem colaborar com Sorocaba”.

Ao longo da entrevista, o deputado também falou sobre as votações das Reformas Tributária e Política, em tramitação na Câmara.

FOTO: Da esquerda para a direita: Alexandre Moreto, José Roberto Ercolin, Vitor Lippi e Deda Benette