Desaprovação do governo Pannunzio está relacionada não com a falta de atenção ao que mais preocupa o sorocabano (saúde), mas com a forma com que lidou com o tema

desaprovapann

A pesquisa Ibope/TV TEM (http://www.ibopeinteligencia.com/arquivos/JOB_0562-2_SOROCABA%20-%20Relat%C3%B3rio%20de%20tabelas.pdf), registrada no Tribunal Regional Eleitoral sob o protocolo Nº SP-07234/2016, também faz duas perguntas para entender qual a percepção do eleitor sorocabano a respeito do governo Pannunzio. São questões que ajudam a entender se a tendência do voto do sorocabano será pela manutenção ou troca do estilo de governo que está no comando da Prefeitura de Sorocaba.

A primeira pergunta feita: “De uma maneira geral, como o(a) sr(a) classifica a administração do Prefeito Antonio Carlos Pannunzio? O(A) sr(a) acha que ela está sendo?” E as respostas demonstram que 1% considera Ótima; 7% Boa; 31% Regular; 15% Ruim; e 43% Péssima. 2% Não Sabe Responder.

“E o(a) sr(a) aprova ou desaprova a forma como o Prefeito Antonio Carlos Pannunzio vem administrando a cidade de Sorocaba?” 18% Aprova e 76% Reprova.

A primeira conclusão, mais óbvia, é a de que o sorocabano vai buscar um prefeito que vá mudar o que o atual prefeito está fazendo. Afinal 58% classifica a administração Pannunzio Ruim ou Péssima e 76% desaprova a forma como ele vem administrando a cidade.

A mesma pesquisa Ibope/TV TEM faz outras duas perguntas que ajudam a entender o pensamento do eleitor sorocabano. Na primeira delas o Ibope pergunta: “Desta lista de áreas onde as pessoas vem enfrentando problemas de maior ou menor gravidade. Por favor, diga qual é a área em que, na sua opinião, a população de Sorocaba está enfrentando os maiores problemas. (1º lugar)”.

A lista apresentada pelo Ibope indicou estes tópicos: Calçamento de ruas e avenidas/  Saúde/  Educação/  Trânsito/ Transporte coletivo/ Assistência Social/ Geração de empregos/ Iluminação pública/ Limpeza pública/ Segurança pública/ Habitação/ Meio ambiente/ Impostos e taxas/ Administração pública/ Atividades esportivas/ Atividades culturais/ Opções de lazer/ Rede de esgoto/ Corrupção.

Vejam, dessa lista toda, qual o problema 1. A resposta esmagadora foi: 57% Saúde.

Na segunda pergunta, muito parecida com a primeira, o Ibope quis saber quais os 3 principais problemas de hoje que, por consequência, são os desafios do próximo prefeito. A pergunta foi: “Desta lista de áreas onde as pessoas vem enfrentando problemas de maior ou menor gravidade. Por favor, diga qual é a área em que, na sua opinião, a população de Sorocaba está enfrentando os maiores problemas. (1º + 2º + 3º lugares)”.

E da lista toda (a mesma da pergunta anterior), pela ordem de importância a resposta esmagadora do sorocabano segue sendo Saúde. Os dados mostram que para 82% dos sorocabanos o problema é Saúde; 46% é Educação; e dividindo a 3ª posição estão 31% Segurança Pública e 30% Geração de Emprego.

Relação entre os temas

O leitor está se perguntando qual a relação entre a desaprovação do prefeito Pannunzio e os maiores problemas atuais da cidade. Primeiramente a lembrança de que na eleição de 2012 a Saúde também era, como agora, o principal problema apontado pelo sorocabano.

Em seguida, vale lembrar alguns números da saúde. Em 2012 (gestão anterior a atual) a Prefeitura gastava 18% do orçamento municipal com a saúde. Em 2015 (atual gestão) o gasto foi de 33% do orçamento.

Conclusão óbvia: Pannunzio acertou na área onde mais atuar (Saúde conforme as respostas para as duas questões iniciais sobre os problemas da cidade). Portanto, se o eleitor desaprova o seu governo não é por onde ele escolheu mais trabalhar. Resta, portanto, entender que Pannunzio trabalhou mal, o que indica ser verdade afinal mudou em 3 anos de mandato 3 vezes de secretário da Saúde.

Claro que neste raciocínio também é preciso levar em conta o tamanho da crise econômica nacional que levou a um aumento substancial de sorocabanos buscando o atendimento público de saúde (foram 27 mil atendimentos em 2012 e 62 mil em 2015).

Outro ponto a ser considerado neste raciocínio, a mudança de secretários tem uma relação direta com questões ainda hoje polêmicas (UPH para atender só pediatria e outra apenas para adultos); diminuição em 2 horas no horários de atendimento nas UBSs; mudança de vocação da Policlínica.

Conclusão: a desaprovação do governo Pannunzio está relacionada não com a falta de atenção ao que mais preocupa o sorocabano (saúde), mas com a forma com que lidou com o tema.