Direção metropolitana do PSC de Sorocaba acusa diretório municipal do PMDB de assediar apoio do partido por São Paulo para o apoio local

Serginho Cardoso, coordenador metropolitano do PSC, discutiu o secretário estadual do partido que exerce pressão sobre o diretório municipal do partido afim de que ele se decida pela pré-candidatura de Renato Amary (PMDB) no caminho local do partido nesta eleição. Serginho afirmou que o partido não deseja isso em Sorocaba e que os 36 pré-candidatos preferem um caminho próprio (o que seria a candidatura a prefeito de Flávio Chaves, ex-prefeito de Sorocaba e ex-deputado federal e estadual). Na impossibilidade de caminhar com a candidatura própria, a nossa opção é seguir com Maria Lúcia Amary se ela for confirmada a candidata do PSDB. “Entendemos que o caminho não é a candidatura do PMDB, nada contra Renato Amary, mas o momento é outro e não é admissível que ele passe como um trator pela vontade local do PSC e queira os minutos de televisão do partido na mão grande agindo na direção estadual da legenda”, me explicou Serginho Cardoso.

De maneira menos explícita, o diretório municipal do PRP também denunciou que o diretório municipal do PMDB tem feito conversações com a direção do partido em São Paulo sem levar em conta a vontade local da legenda. Atualmente o PRP tem 3 vereadores (Waldecyr Morelli, Muri de Brigadeiro e Wanderlei Diogo) e é aliado do prefeito Pannunzio na Câmara. Além disso, o secretário de Esportes, nomeado em abril passado, faz parte da legenda.