Entenda o complexo enredo que está por trás de ataques de vereadores tucanos ao comando do ninho tucano de Sorocaba

O presidente da Câmara de Vereadores, José Francisco Martinez, podia (pois faz parte de suas atribuições), simplesmente, ter engavetado um pedido de cassação do prefeito Pannunzio feito por um cidadão sem lastro de independência (assíduo frequentador de atos e da companhia do vereador Crespo). Mas preferiu manter este desgaste político de Pannunzio dentro da Câmara (entenda-se no noticiário).

O mesmo presidente Martinez podia não ter publicado (pois também faz parte de suas atribuições) um decreto legislativo do vereador Crespo suspendendo os efeitos do decreto do prefeito Pannunzio que criou o Cotim (Comitê de Otimização do Gasto Público), uma espécie de hierarquização dos gastos do dinheiro público deixando sua coordenação com Edsom Ortega (Planejamento), Aurílio Caiado (Fazenda) e Roberto Juliano (Administração).

 

Em ambas atitudes Martinez demonstra atitude de independência, mas como ninguém o havia afirmado que não era, e muito menos dito que era submisso, sua manifestação é obviamente interpretada como um ataque do tipo: vocês (prefeito e sua equipe) mandam ai. Mas eu mando aqui.

 

 

Trocadilhos de vereador

Quem decidiu agir como o presidente Martinez foi o vereador Yabiku, também tucano. Durante os últimos 3 anos e os 4 primeiros meses deste ano Yabiku abdicou do cargo de vereador, para o qual foi eleito em 2012, e foi o secretário de Esportes do prefeito Pannunzio. De volta à Câmara, deixou claro durante audiência pública para discutir a Lei de Diretrizes Orçamentárias 2017 o que pensa do homem-forte do dinheiro do prefeito, Aurílio Caiado: não permitiu que ele, enquanto secretário de esportes, implementasse suas propostas por causa de medidas de contingenciamento adotadas por Caiado. E pior, Yabiku chamou Caiado de “Seu Creysson”, personagem do extinto programa de TV Casseta & Planeta, que vendia os produtos das Organizações Tabajara: muitas promessas de soluções milagrosas, mas era tudo papo enganação.

Mais agressivo ainda contra o prefeito, Yabiku (que adora fazer trocadilhos como demonstra seu comportamento de pessoa pública) classificou as PPPs (Parceria Público Privadas, onde o poder público e a iniciativa privada conduzem obras) de “Parcerias Público-Paradas”. Yabiku disse: por conta dessas Parcerias Públicas Paradas, o BRT e o Hospital, principais promessas de campanha do Pannunzio, não saíram do papel até agora, soando à população como propaganda enganosa. Infelizmente, só aconteceu porque o prefeito acreditou nessas soluções milagrosas.

 

Apenas coincidência

Para as atitudes de Martinez, vale lembrar que ele e Crespo são membros de uma mesma Loja Maçônica em Sorocaba.

Para as atitudes de Yabiku, vale lembrar que ele e Martinez são amigos de setor na Prefeitura de Sorocaba. A atuação deles como engenheiro levou-os à vida pública décadas atrás. Eles sempre abriram mão do salário de vereador para receberem como funcionários públicos. Portanto, imaginar que o comportamento deles seja afinado não é nenhum exagero.

 

Qual a interpretação disso? Você (prefeito) tem seu time ai (secretários) e sua arma (caneta para 180 cargos comissionados) e eu tenho o meu time (vereadores) e minha arma (a boca no poderoso trombone que são os microfones da Câmara).

 

Indefinição do candidato

Mas porque somente agora toda essa movimentação?

Por que a eleição chegou.

A administração do prefeito Pannunzio está mal avaliada (embora não haja pesquisa oficial, aquela registrada como manda a lei, existem as mais variadas extraoficiais demonstrando esse fato). Mais que isso, o que afirmei em fevereiro (e poucos lavaram a sério) está se concretizando: o deputado federal Vitor Lippi não quer concorrer ao cargo de prefeito, ou seja, ele tem potencial para derrotar os adversários, ser eleito e garantir a permanência desse grupo no poder. O comportamento de críticas de tucanos contra os próprios tucanos é uma espécie de salve-se quem puder.

Os vereadores querem demonstrar aos seus eleitores que são independentes do prefeito.

Os vereadores estão entendendo que o prefeito Pannunzio quer salvar o próprio pescoço (fechar o seu mandato no azul, portanto dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal) nem que isso signifique (como na visão deles está significando) uma administração sem obras e mal avaliada e que leva os aliados a igualmente serem mal avaliados.

 

Ações isoladas

Enquanto dois históricos e aliados tucanos (Martinez e Yabiku) entendem que expor a insatisfação é o caminho, e os fatos demonstram isso, o que escuto de quem está no comando é que, mais que nunca, é preciso cautela.

Mas, com a garantia de que terão seus nomes preservados, ouvi afirmações como esta: é um momento de muita preocupação e esse comportamento dos vereadores seria uma estratégia de criar o caos para sensibilizar Lippi a mudar de idéia e surgir como o grande pacificador do ninho, ou seja, embora esteja dizendo que não quer ser o candidato a prefeito em outubro, ele quer ser sim, mas via aclamação. O lançamento da página pessoal de João Leandro (homem-forte de Pannunzio na política) no facebook foi interpretada como uma ação de muita ousadia, ou seja, uma espécie de faca no pescoço de Lippi do tipo: queremos que você seja o candidato, mas o vice será do prefeito Pannunzio. Lippi não quer ser candidato. Parece que isso já é unânime no ninho tucano. Mas também parece que é unânime que ele não quer ser com o grupo de Pannunzio. Ou seja, se tiver total autonomia (escolher o vice, escolher a equipe de arrecadação de dinheiro para a campanha e principalmente escolher o seu discurso…) ele poderá ser, sim, o candidato. Lippi quer enterrar o slogan de 2012 (estamos juntos numa alusão dele, que deixava o governo bem avaliado, e Pannunzio que era o candidato) e fazer o oposto em 2016, momento em que Pannunzio está mal avaliado e ele é o candidato.

 

Claro que isso é só uma interpretação do que é fato: a existência de um stress cada vez mais público dentro do ninho sorocabano. Portanto, alguém pode ver esse stress de uma outra maneira.

Qual?

O comportamento dos vereadores são apenas atos isolados. Martinez estaria apenas externando sua insatisfação para cada afirmação (e não foram poucas) pública do prefeito Pannunzio de incentivo a um candidato a vereador (como o funcionário público Chiquinho da Habitação) que é forte concorrente de Martinez.

 

Yabiku, por sua vez, faz críticas tão somente para justificar o fato de estar sendo classificado como o pior secretário de Esportes que já passou pela prefeitura de Sorocaba. E também para fazer retaliação contra Caiado que demitiu dois chefes de seção da secretaria da Fazenda, que cuidavam da fiscalização, e que eram apadrinhados de Yabiku.

 

Ainda existem outras interpretações a serem feitas que, confesso, não vejo até que alguém me mostre.