Entenda o que Cíntia quis dizer com independência do Poder Legislativo

A advogada Cíntia de Almeida, primeira suplente da coligação MDB-DEM-PPS que concorreu na eleição de 2016, assumiu na manhã de hoje, 22 de maio, o cargo de vereadora na Câmara de Sorocaba, recebendo a posse do presidente da Casa, Fernando Dini. A informação coloca fim a qualquer dúvida sobre a participação de Rafael Militão na Comissão Processante que decidiu por dar continuidade ao processo que pode levar o prefeito Crespo a perder o seu mandato (leia postagens anteriores).

Cíntia entra no lugar de Militão, o segundo suplente da coligação, que estava no cargo em razão de Cíntia estar afastada do Legislativo desde 2018, quando deixou a vaga de vereadora para assumir a Secretaria de Igualdade e Assistência Social do prefeito Crespo. Ela ocupava a vaga do titular, Marinho Marte, afastado da vida pública por decisão judicial.

Na cerimônia de posse de Cíntia, Fernando Dini enalteceu o trabalho e dedicação de Militão e deu posse à vereadora. “Estamos aqui mais uma vez para dar boas-vindas à colega Cíntia de Almeida, uma amiga e grande batalhadora que virá para somar”, afirmou.

Depois de entregar a declaração de bens e de fazer o juramento, Cíntia de Almeida agradeceu a acolhida de vereadores e funcionários da Casa e ressaltou a independência do Legislativo. “Espero que eu venha para contribuir com os atos do Legislativo que é um Poder totalmente independente do Executivo”, disse. Funcionários das secretarias Geral, Jurídica e de Comunicação da Casa acompanharam a breve cerimônia.

Independência

Não foi de improviso que Cíntia ressaltou a independência do Legislativo perante o Executivo. Ao contrário, foi bem pensado. Ela chega sob desconfiança uma vez que sua exoneração do cargo teve (leia postagem anterior) a intenção de embaralhar a Comissão Processante contra o prefeito. Não deu certo, ao menos neste momento.

Muitos acreditam que sua exoneração foi combinada entre ela e o prefeito. Há quem diga o contrário, uma vez que ela teria sido avisada da exoneração por seu imediato, Jeferson Calixto, que acabou ficando como o titular da pasta de Igualdade e Assistência Social.

A verdade é que Cíntia, caso tenha combinado com o prefeito de estar ao lado dele na Câmara, pode se complicar em cumprir esse papel caso o MDB, partido que ela preside, decida fechar questão pela cassação de Crespo. São 5 vereadores do MDB, obviamente, um partido que pode ser o fiel da balança. Cíntia pode até perder o mandato e ser expulsa da legenda caso contrarie uma decisão partidária.

O que se ouve nos corredores da Câmara é que o MDB já fechou questão para comandar a prefeitura, ou seja, vai votar e se empenhar para cassar Crespo, cassar o mandato da vice, Jaqueline Coutinho (também alvo de uma Comissão Processante), fazendo com isso Fernando Dini, presidente do Legislativo, o prefeito de Sorocaba.

Obviamente que isso muda como as nuvens mudam com o vento. Até o final da tarde o MDB pode decidir-se por outra opção.

Comentários

Leia também