Ex-figura pública em Sorocaba volta ao noticiário para promover série de TV

Figura pública na vida de Sorocaba no início dos anos 2000 (quando foi presidente do Sindicato dos Donos de Postos de Gasolina em Sorocaba e Região e se viu envolvida numa investigação policial, onde foi acusada de chefiar um esquema de cobrança de propina que beneficiava fraudadores de gasolina e comerciantes ilegais, chegando a ser cercada por policiais civis quando tomava café na praça de alimentação de um shopping de São Paulo) Ivanilde Vieira Serebrenic voltou à cena na noite da última terça-feira ao participar do programa “Conversa com Bial”, da TV Globo.

Desvinculada de Sorocaba há mais de uma década, Ivanilde foi uma das entrevistadas do programa para promover a série Assédio – que estreou no mês passado pela plataforma Globoplay – que segue sem data prevista para ser exibida pela TV aberta, mas já vem sendo promovida pela Globo em seus programas. A obra ficcional conta a história de uma rede de mulheres que se forma para denunciar uma série de abusos sexuais cometidos por um médico bem-sucedido e respeitado, ou seja, a Globo transformou em série de TV o caso do médico Roger Abdelmassih (condenado a 278 anos de prisão por estupro contra 39 mulheres, em 2010).

A saga começa quando uma dessas mulheres rompe o silêncio e torna público o que até então era restrito ao consultório. Essa mulher é Ivanilde Vieira Serebrenic ou apenas Ivani, nome com o qual ela foi apresentada na entrevista a Bial. “Fui a primeira mulher a vir a público. Sabia que outras mulheres iam engrossar essa fila e iam tirar esse homem de circulação. Enquanto estivesse no anonimato, ele ia continuar praticando esse crime. Só que não é fácil fazer isso”, disse ela na entrevista,

Escrita por Maria Camargo, a minissérie é livremente inspirada no livro A Clínica: A Farsa e os Crimes de Roger Abdelmassih, de Vicente Vilardaga. Cabe a Antonio Calloni o papel de interpretar o tal médico, chamado aqui de Roger Sadala, um especialista em reprodução humana e profissional até então com carreira irreparável. Porém, quando um grupo de mulheres se une em busca de justiça, a máscara dele começa a cair. A minissérie, que tem 10 episódios, foi construída como se fosse um documentário.

Conversa com Bial

Na entrevista, Ivanilde foi convidada para contar “minha triste experiência de ser vítima de estupro, terrorismo que inspirou a minissérie Assédio”, afirmou em sua página de rede social.

Em um trecho da sua “Conversa com Bial”, Ivanilde disse: “Até hoje há quem duvide, diante de tudo que aconteceu” e dá detalhes do motivo de ter saído do anonimato para denunciar Roger Abdelmassih: “Fui ameaçada de morte diversas vezes. Nos primeiros dias que fiz a denúncia, não podia sair na rua. As pessoas me apontavam, diziam que eu queria me prevalecer de um homem tão importante e financeiramente influente. Até hoje, há quem duvide diante de tudo o que aconteceu”.

Luta pelas mulheres

Desde que deixou Sorocaba e fez a acusação que levou à derrocada o médico Roger Abdelmassih, Ivanilde Vieira Serebrenic se dedica a promover a causa das mulheres. Recentemente ela foi condecorada no México e no início deste mês, no Equador onde recebeu o título de Embaixadora da Paz, como ela própria relata: Nesta tarde de 12 de outubro acabo de receber o título de “Embajadora de Paz”, concedido pelo Comité Internacional de los Derechos Humanos del Ecuador, “Cancilleres de Paz Mundial”, e assinado por seu presidente executivo Dr. Antonio Torres Collantes.

Agora somos ‘Embajadoras de Paz’. São nossas vozes indo além do Brasil. Vozes das mulheres que buscam a paz no amor de um companheiro, que buscam a paz ao constituir uma família, que buscam a paz ao desejar gerar um filho. Ecoamos as vozes das mulheres que buscam a paz e obtém violência.

‘Embajadoras de Paz’ nos traz o significado da coragem, da persistência e a mensagem que devemos avançar sempre. É o reconhecimento por não termos nos calado.

Agradeço ao Comité Internacional de los Derechos Humanos del Ecuador esta honraria, um verdadeiro bálsamo para meu espírito, e divido ‘Embajadoras de Paz’ com vocês, brasileiras e equatorianas.

O dia 12 de outubro, feriado no Brasil, acaba de ganhar um significado muito especial para mim.

Muito grata!

Comentários

Leia também