Fim definitivo do Sabe Tudo é uma derrota da sociedade sorocabana

“A partir de agora a Prefeitura de Sorocaba irá intensificar à segurança em pelo menos 32 bairros da cidade. Para isso, o prefeito José Crespo retomará as atividades nos Prédios Públicos do Sabe Tudo, por meio da Secretaria de Segurança e Defesa Civil (Sesdec). A novidade foi anunciada em entrevista coletiva à imprensa, nesta segunda-feira (27/08)”.

Assim, como uma conquista, a Secretaria de Comunicação do prefeito Crespo anunciou que as torres do Sabe Tudo passarão a ser postos de policiamento. Provavelmente a comunidade vai aplaudir essa medida. Em tempos de campanha eleitoral onde um dos candidatos líderes das pesquisas (Bolsonaro) prega, abertamente, o uso de armas, o sentimento de que o Brasil precisa mais de polícia do que de educação prevalece. Em Sorocaba, isso não se mostra diferente.

As torres do Sabe Tudo são espaços de 200 m², construídos em Escolas Públicas da cidade, equipados com 20 computadores, com acesso à Internet em banda larga, acervo de livros, revistas e jornais diários.

O Sabe Tudo começou como um programa voltado à democratização do acesso à Cultura e se transformou rapidamente num programa de acesso à Internet e à inclusão digital utilizando a internet como ferramenta de pesquisa.

Obviamente que “o pai” do Sabe Tudo é o prefeito, o dono da caneta e quem toma a decisão e arca com suas consequências. Sendo assim, é de Vitor Lippi a paternidade do Sabe Tudo em Sorocaba. Mas há um instante anterior a essa tomada de decisão e eu participei ativamente dele. A então secretária de Educação e Cultura, professora Terezinha Del Cístia, e eu, que ocupava o cargo de Diretor-Adjunto de Cultura (depois viria a ser o primeiro secretário da Cultura de Sorocaba), em 2005, fomos até Curitiba, capital do Paraná, conhecer as chamadas Torres do Saber. E voltamos animados em criar algo bastante parecido, que se transformou em Sabe Tudo. Nutria, como nutro ainda hoje, a certeza de que problemas sociais e a falta de segurança que eles geram devem ser combatidos com inteligência pelo poder público, o que inclui uma vasta ação, portanto, múltis áreas do conhecimento.

Os governos Lippi aconteceram no melhor momento da economia brasileira. Pannunzio, quando o sucedeu a partir de janeiro de 2013, quando a crise econômica já combalia os governos municipais, deixou de ver o Sabe Tudo como investimento e passou a computar os locais como custo de modo que eles foram ficando abandonados pelo caminho. E, em pleno 2018, o prefeito Crespo resolveu resolver (vale esse trocadilho) o problema pelo lado imediato da questão, tirando os prédios da ociosidade a que foram condenados e dando-lhe o status de posto de policiamento. Um caminho, repito, que pode de imediato agradar a população. Mas que de longo prazo é impedir que as novas gerações de sorocabanos tenham um local de acesso à cultura física dos livros e jornais e digital da Internet. Mais que isso, deixa mais uma geração sem espaço. Não existem locais, a não ser a rua e o que dela deriva, para os jovens e crianças se encontrarem pelo lado do bem.

Lamento ver meu sonho, agora, definitivamente enterrado. Imagino que a professora Terezinha também. O fim do Sabe Tudo é uma derrota da sociedade sorocabana.

O que será agora

A Secretaria de Comunicação explica que desde que assumiu o governo, Crespo estuda a melhor forma de utilização destes prédios que foram fechados na antiga gestão, depois que o Poder Público rompeu o contrato com uma organização social que ministrava cursos de informática e cidadania para a população local. As unidades estão localizadas principalmente na Zona Norte e serão uma extensão para o trabalho da Guarda Civil Municipal. “Fizemos uma avaliação de como seria a melhor utilização destes prédios. Como não há acessibilidade por conta das escadas, optamos por intensificar a segurança dos bairros. Sorocaba estará na vanguarda do país, com esta atuação dentro das comunidades da nossa GCM espalhadas pela cidade. Temos projetos em andamento para recursos financeiros do governo federal que está disponível para cidades que contemplem programas efetivos de segurança municipal”, contou o prefeito.

O recurso é proveniente do Susp (Sistema Único de Segurança Pública) e visa contemplar projetos com preservação da ordem pública, das pessoas e do patrimônio, por meio de atuação conjunta, coordenada, sistêmica e integrada dos órgãos de segurança públicas e defesa social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios em articulação com a sociedade. “Sorocaba se encaixa perfeitamente neste projeto. Dentro das unidades do Sabe Tudo, vamos trabalhar com a segurança do bairro, da comunidade, dos prédios públicos, com ações de prevenção e ênfase em grupos vulneráveis”, relata o secretário Jeferson Gonzaga.

Algumas unidades serão estrategicamente ocupadas por 4 Guardas Municipais para efetivamente conter o policiamento da proximidade. Caso haja necessidade, as unidades funcionarão 24 horas. Em outras, serão desenvolvidos projetos com promoção da cultura e da paz na segurança comunitária e na integração com políticas públicas.

Outra preocupação do governo foi estudar o território e dividi-lo em regiões para estrategicamente desenvolver ações efetivas de segurança. De acordo com avaliações e cruzamento de informações sobre a localização de próprios e índice de crimes envolvendo estes prédios, a cidade contará com 17 núcleos de segurança, todos os núcleos contendo pelo menos uma unidade do Sabe Tudo.

Além de garantir mais segurança aos bairros, as unidades também poderão ser utilizadas para projetos em conjunto com outras secretarias, entre elas a Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda. “Nós também temos projeto para desenvolver nas unidades, que será envolvendo a tecnologia e tenho certeza que será possível realizarmos, com esta nova gestão. Vamos somar atividades de qualificação e segurança para a comunidade local”, cita Robson Coivo, responsável pela pasta.

Mesmo ainda não contando com o recurso financeiro do SUSP, as unidades já começam a ser ocupadas pela GCM com trabalho gradativo nos 32 bairros. Outras parcerias com outros órgãos como com a Polícia Militar também são estudadas para fortalecer os trabalhos.

Participaram também da coletiva o ex-prefeito Renato Amary e os secretários: Alexandre Robim (Chefe de Gabinete), Éric Vieira (Gabinete Central), Eloy de Oliveira (Comunicação e Eventos), Roberto de Freitas (Parque Tecnológico), Flávio Chaves (Relações Institucionais e Metropolitanas), Mário Bastos (Educação), além dos vereadores Rafael Militão e Wanderley Diogo.

FOTO: Secretário Jeferson Gonzaga, de Segurança e Defesa Civil, e comandante Mariano da Guarda Civil Metropolitana visitam uma das unidades Sabe Tudo

Comentários

Leia também