Flávio Chaves demorou para aparecer, mas botou o time na rua. Telefonema de ex-governador dá ânimo extra ao candidato e escancara porta para 2016

Alberto Goldman, que alguns chamam de O judeu e outros de O comunista, foi eleito deputado em 1972 e com muitos votos em Sorocaba, da turma da velha Sorocabana. Pertencia ao MDB, mas era do MR-8 (um dos movimentos revolucionários do Brasil). Goldman é o vice-presidente nacional do PSDB, coordena no Estado todo a campanha de Aécio pra presidente, mas nunca escondeu a amizade com o ex-prefeito e ex-deputado Flávio Chaves. Na segunda-feira passada pela manhã, Goldman telefonou ao Flávio e lhe deu uma comida, como se diz na gíria, atitude que só velhos amigos e companheiros têm condição de fazer. Goldman queria mais material de campanha de Flávio nas ruas e lhe informou que havia chance boa dele ser eleito. Pesquisas de um forte candidato a deputado federal, que monitora a intenção de voto desde o início da campanha, indicam que pela primeeira vez o nome de Flávio Chaves apareceu. Pode ter pouco voto aqui, afinal a campanha terá duração de apenas vinte dias. Mas deixa no ar que a porta para 2016 ficou aberta, quase escancarada.