Homem-Aranha ataca na zona oeste

Qual é a relação que existe entre o momento que vive o Brasil e um assalto no supermercado Doda, localizado na avenida Américo Figueiredo, na divisa dos bairros Jardim Tropical e Jardim Montreal na zona oeste de Sorocaba, na véspera das festas de final de ano, onde a máscara de um dos mais populares personagens das HQs (Histórias em Quadrinhos), o Homem-Aranha, foi usada por um jovem assaltante para proteger sua verdadeira identidade?

O jovem segura um revólver para garantir que o seu comparsa, esse sem máscara, pegasse o dinheiro do caixa das jovens funcionárias. As câmeras de segurança registraram a cena e foram compartilhadas em redes sociais. Mais do que identificar os assaltantes, o objetivo foi alertar os outros pequenos comerciantes da região sobre a ação desses ladrões.

Primeiramente é importante frisar que a vitória de Bolsonaro se deu, entre outros fatores, em razão da promessa dele em impor limites mais curtos contra os que agirem fora da lei – como o Homem-Aranha e seu comparsa. E essa rédea mais curta não é somente em relação a crimes como esse da zona oeste, mas também de combate à corrupção e aos crimes do colarinho branco. O eleitor espera sentir-se mais seguro a partir do novo governo.

Em seguida é importante lembrar: tivessem outra alternativa o Homem-Aranha e seu comparsa seriam assaltantes? Morei na Holanda no longínquo 1989 e é inimaginável uma cena como essa, desse assalto, naquele país. Há criminalidade lá, obviamente. Mas é uma sociedade mais igual e justa. Não há o abismo social que existe no Brasil. Aliás, abismo que nenhum governante nos últimos 25 anos (FHC, Lula, Dilma e Temer) conseguiu resolver. E que, agora, Bolsonaro entende que não é um problema. Ao contrário, o problema é a abundância de crimes, como esse do Homem-Aranha, e o momento é de reforçar valores liberais (portanto não sociais), ou seja, Bolsonaro parece entender que é enxugar gelo querer resolver os problemas por ações sociais e vai fazê-lo pela força de repressão.

Comentários

Leia também