Jornalista que quis barrar ex-prefeito é convidado para ir ao STF

O ministro Dias Toffoli, que assumirá a presidência do STF (Supremo Tribunal Federal) no dia 13 de setembro, convidou o jornalista Márcio Aith para comandar a Secretaria de Comunicação do tribunal. Aith, que foi subsecretário de Comunicação do Governo de São Paulo na gestão de Geraldo Alckmin, está agora na equipe de campanha do tucano para a Presidência da República. Ele respondeu ao magistrado que permanecerá onde está. Os dois devem voltar a conversar depois da eleição. A informação é da coluna Mônica Bérgamo do jornal Folha de S.Paulo.

A curiosidade neste convite se dá ao fato de na campanha eleitoral de 2012, para prefeito de Sorocaba, quando Renato Amary e Pannunzio foram ao 2º turno, o jornalista – pessoa de extrema confiança de Alckmin – ter barrado uma gravação ao horário eleitoral de TV de apoio do governador a Pannunzio, embora ele fosse o candidato do PSDB, o mesmo de Alckmin.

Pannunzio precisou impor a sua história dentro do partido, onde foi líder de governo e presidente do diretório estadual da legenda, para romper a barreira imposta por Márcio Aith e chegar ao governador para gravar a mensagem de Alckmin a Pannunzio.

Naquele momento, início de 2º turno, a certeza era que Renato Amary seria eleito. Certeza, aliás, que perdurou até o dia da eleição. Quando Pannunzio ganhou, por 3 mil votos (a abstenção do 1º ao 2º turno cresceu mais de 20 mil votos, houve um feriado neste intervalo), a surpresa foi geral. Além disso, embora tenha deixado o PSDB, ido ao MDB, e hoje estando no PPS, Renato Amary sempre foi do grupo de Alckmin. E Pannunzio sempre foi tido como mais ligado a José Serra.

Comentários

Leia também