MDB ainda não definiu seu caminho

O MDB, que na eleição passada ainda sob a liderança de Renato Amary bateu o recorde de cadeiras na Câmara de Vereadores, elegendo 5 concorrentes, ainda não tem definido qual caminho seguir no pleito deste ano.

Fernando Dini ainda pode surpreender e se firmar como candidato a prefeito, mas será preciso convencer as lideranças estaduais do partido para isso. No momento, o MDB estadual, diga-se Baleia Rossi, negocia com a cúpula estadual do PSL e do PSDB.

Na negociação com o PSL, o MDB de Sorocaba abriria mão da candidatura em prol de receber o apoio do PSL em Ribeirão Preto, cidade onde Baleia Rossi sempre reinou e ultimamente sofre para se manter como a principal liderança da região. Assim, lá em Ribeirão Preto, o PSL apoiaria o candidato a prefeito do MDB e, em Sorocaba, Dini abriria mão de ser candidato e caminharia com a prefeita Jaqueline Coutinho, que é PSL em Sorocaba.

Na negociação com o PSDB, o MDB de Sorocaba abriria mão da candidatura a prefeito em prol do apoio dos tucanos aos medebistas em diferentes cidades paulistas, onde a máquina estadual poderia fazer a diferença. Neste caso, Dini também abriria mão de se candidatar e apoiaria a candidatura da tucana Maria Lúcia Amary a prefeita de Sorocaba.

O que ainda não consegui saber é o quanto a vontade de Fernando Dini vai pesar no caminho escolhido pelo partido em Sorocaba. Mas é evidente que está muito distante uma candidatura própria a prefeito o que não significa que não possa vir a acontecer.

No caso da decisão ser apoiar Maria Lúcia Amary, o MDB não ficaria com a vice. Salvo algum engano, o vice será Anselmo Neto, ex-tucano, hoje no Podemos, político com forte ligação com a Igreja Católica.

No caso da decisão ser apoiar Jaqueline Coutinho, o MDB em tese também não ficaria com a vice, uma vez que este cargo já foi prometido ao PSB e o indicado pelo deputado federal Jefferson Campos e pelo deputado estadual Carlos Cézar seria Roberto Freitas que comandou o Parque Tecnológico, coordenou o gabinete de crise da Pandemia de CoronaVírus da prefeita Jaqueline e comanda o trabalho de compilação do Plano de Governo dela.

Mas digo em tese que o cargo de vice de Jaqueline está ocupado, porque ainda é possível que o MDB indique o vice de Jaqueline se este for o preço do apoio do partido. O que pesa contra é o fato de vir ocorrer, numa eventual eleição de Jaqueline, o que aconteceu com Crespo, alvo de duas cassações na Câmara. O que mais se deseja é um vice discreto, parceiro e que não faça parte das articulações na Câmara. Tudo o que um vice do MDB não significa para Jaqueline.

Comentários

Leia também