Motoristas estão prontos para greve. Prefeito não vai pagar grevista

grevemoto

Motoristas decidem em assembléia que vão fazer greve se não tiverem solicitações atendidas pelas empresas

Os trabalhadores em transportes urbano, rodoviário e de fretamento, nos municípios de Sorocaba e de Votorantim, reunidos em assembleias nesta terça-feira (30), às 10h e às 18h, ao tomarem conhecimento da contraproposta patronal de apenas 2,5% de reajuste salarial, se recusaram a votar a contraproposta e aprovaram, por unanimidade, o estado de greve. Além da reposição da inflação, os motoristas querem aumento real de 6% e outros benefícios.

Para cumprir a lei, o Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região protocolou notificação de greve nas empresas desses setores na quarta-feira (31/05) e a paralisação poderá ter início após 72 horas do protocolo de greve, conforme determina a legislação vigente, ou seja, a partir deste sábado (03/06). Mas o sindicato deverá esperar até a semana que vem, a partir do dia 5 de junho, para uma nova rodada de conversa com os donos das empresas antes de anunciar qualquer paralisação.

Prefeito muda de postura

Vale lembrar que ônibus é um serviço público (portanto de responsabilidade da Prefeitura) que no caso sorocabano está concedido (por contrato) às empresas que venceram a licitação para operar o sistema de transporte coletivo de ônibus. Ou seja, a relação salarial é entre os motoristas e as empresas, portanto, não entre os motoristas e a prefeitura. Mas, por ser concessão e por gerenciar o caixa (ou seja o dinheiro) das passagens, a prefeitura (via a Urbes) é quem repassa o dinheiro para a operação do sistema.

Nos últimos 12 anos (seguramente nos 8 anos do governo Vitor Lippi e 4 anos de Pannunzio) a prefeitura sempre teve um papel de retaguarda e de conciliação entre motoristas e empresas.

Mas, neste ano, o prefeito Crespo tirou a prefeitura da retaguarda ao dizer que não irá repassar às empresas o dinheiro dos salários dos motoristas que fizerem greve. E que se as empresas quiserem pagar dias que por ventura não venham a ser trabalho pelos motoristas que tirem do seu lucro este dinheiro.

O prefeito já agiu assim na greve do dia 28 de abril e cortou o ponto dos servidores públicos que não compareceram ao trabalho naquele dia.