Motoristas paralisam ônibus por duas horas em protesto contra o prefeito e o denunciam por assédio moral por ameaça de demissão

Fato: O prefeito Crespo esteve na manhã desta segunda-feira no bairro Cajuru para conferir presencialmente uma denúncia do vereador João Donizeti de que faltam ônibus no bairro e nos horários de pico eles passam lotados, deixando passageiros no ponto.

Versão da Prefeitura: o prefeito, a partir disso, determinou mais ônibus na linha e que ônibus parem, esmo lotado, deixando para o passageiro decidir se entra ou não no veículo lotado.

Versão do Sindicato dos Motoristas de ônibus: o prefeito esteve presencialmente abordando e ameaçando os motoristas de demissão por justa causa.

Consequência 1: o fato causou revolta nos trabalhadores em transporte urbano de Sorocaba que, em protesto, no final da tarde de segunda-feira, recolheram os ônibus para o Parque das Águas.

Consequência 2: os usuários ficaram sem ônibus para voltar para casa após o trabalho no horário habitual. O protesto durou das 18h às 20h.

Consequência 3: o comboio de ônibus até o Parque das Águas congestionou o trânsito que já é complicado.

Nota do Sindicato

O prefeito José Crespo que diminuiu em 20% os horários das linhas de ônibus na cidade, o que acarretou um menor número de horários de ônibus para atender a população e maior superlotação nos horários de pico, esteve nesta manhã com sua equipe de comunicação abordando e fotografando os motoristas da Linha 31 – Cajuru, acusando-os de não parar nos pontos de ônibus para embarque dos passageiros. Crespo ameaçou os motoristas de demissão por justa causa e os próprios passageiros se revoltaram contra o prefeito, que recebeu vaias e palavras de ordem. Os motoristas param nos pontos de ônibus só que alguns passageiros não conseguem embarcar porque os ônibus estão superlotados, resultado da política de Crespo para o sistema de transporte da cidade.

O departamento jurídico do Sindicato acionou o Ministério Público do Trabalho, protocolou denúncia de assédio moral contra o prefeito e um pedido liminar de preservação das imagens captadas pelas câmeras dos coletivos, que são de responsabilidade das empresas que operam o sistema e da Urbes – Trânsito e Transportes.

Nota Prefeitura

Não é verdade que a equipe de comunicação acompanhou o prefeito. Quem estava com ele eram assessores do sexto andar. O prefeito fez uma fiscalização por conta de denúncia de usuários do transporte de que o motorista não para nos pontos. O prefeito determinou que a Urbes aumente o número de ônibus na linha para evitar a superlotação.

 

Interpretação

O sindicato, com o recolhimento dos ônibus, constrange o prefeito diante da acusação de assédio moral, externando um lado pouco comum de um agente público que é o de enfrentar um trabalhador.

O prefeito, com sua atitude, demonstra total falta de habilidade para falar com os motoristas e cria para si próprio um problema que não teria se não tivesse ido fazer o que é da competência dos seus secretários.