Na briga entre taxista e motorista de aplicativo, prevalece o cidadão

O clima amistoso dos motoristas de Táxi e dos que usam Aplicativo ficou tenso na sessão da Câmara Municipal na manhã de hoje, quando o vereador Péricles Régis pediu a retirada da pauta, por tempo indeterminado, do decreto do Legislativo que susta os efeitos da decisão do Executivo sobre a regulamentação do transporte por aplicativos.

Houve acusações, trocas de insultos e dedos em riste. O vereador Francisco França, e assessor do vereador Rodrigo Manga, Daniel Pólice, foram até os grupos para acalmar os ânimos até a chegada de integrantes da Guarda Civil Municipal. As partes não chegaram a se agredir fisicamente, mas não pouparam agressões com palavras.

Péricles Régis justificou o pedido de retirada da pauta de seu decreto devido ao andamento das negociações entre as duas categorias – taxistas e motoristas por aplicativos – com o prefeito José Crespo (DEM). O vereador afirmou que Crespo deve rever o decreto do Executivo e alterar alguns pontos destacados pelos motoristas por aplicativos, o que os taxistas são contra.

E foi isso mesmo o que acabou acontecendo no final da tarde. Em novo decreto, o prefeito tirou três pontos que implodiriam a lógica do serviço de motorista por aplicativo que é o da oferta e procura, ou seja, há muita oferta do serviço, o preço cai. E para ter oferta, não é possível que exista a limitação de carros por aplicativo. Assim, o decreto atende 3 pontos pedidos pelos motoristas de aplicativos: não há limitação de carros, saem a limitação de placas e acaba a exigência de certidão de débitos. Estes dois últimos itens, num futuro ainda não especificado, também vai atender aos taxistas. Com o novo decreto, indica a assessoria de Crespo, “o prefeito está atendendo a voz da população sorocabana”.

Comentários

Leia também