Na mesma proporção em que sobem os índices de intenção de voto em Lula, mingua o número de sorocabanos que saem às ruas em apoio a operação Lava-Jato. Aliás, fenômeno que acontece praticamente em todo o país

AtoProLavaJatoCom um esforço matemático, contei cerca de 50 sorocabanos se ocupando de cartazes e faixas, concentradas no entorno da Praça da Bandeira e caminhando até o Terminal Santo Antônio, cerca de 200 metros adiante, em um ato em defesa da Operação Lava Jato. A organização do ato foi dos movimentos Vem Pra Rua Sorocaba e MBL (Movimento Brasil Livre), unidade de Sorocaba.

Um verdadeiro fiasco se levar em conta o sucesso dos ato pró-impeachment de Dilma quando apenas em Sorocaba manifestações chegaram a reunir 35 mil pessoas numa passeata de domingo, como esta úlçtima também foi num domingo, o passado.

Na mesma proporção, absolutamente contrária a essa, os institutos de pesquisa DataFolha e Paraná Pesquisas mostram uma esmagadora intenção de voto do brasileiro em Lula. Dependendo do cenário o petista chega a ter 48%. Na segunda posição, sempre na faixa de 19%, aparece Bolsonaro. Ciro Gomes, Geraldo Alckmin, Marina Silva, Álvaro Dias… surgem em torno de 3%, 4% ou 5%.

Em Sorocaba, pesquisa feita por um grupo de vereadores para avaliação deles próprios encaixou uma pergunta sobre a intenção do voto do sorocabano a presidente e deu Lula em primeiro com ampla margem de vantagem sobre o segundo colocado, Bolsonaro. Ou seja, o cenário nacional se repete localmente.

A um ano da eleição, o que se vê é um eleitor que crê em total desvinculação de Lula da Operação Lava-Jato ou um total envolvimento de todos os políticos com a Lava-Jata.

Minha única preocupação, a um ano da eleição, é a mesma de quando faltavam 4 anos para se chegar em 2018 e tiveram início as movimentações para cassar o mandato de Dilma, como acabou acontecendo: que seja preservado o estado democrático de direito, ocorram eleições e a vontade do eleitor seja soberana e respeitada. Não existe salvador da pátria e nem regime de exceção que dê conta de resolver os problemas do país, apenas o respeito às instituições levará o Brasil a prosperar.

Mesmo que o seu candidato perca, o respeito a voz das urnas não pode ser mudado sob qualquer pretexto ou força.