O que estava tão ruim que faz o diálogo ser o principal desafio da Educação?

O jornalista, professor e escritor André Gomes, que assumiu a pasta de Educação na semana passada, logo após a misteriosa demissão de Mário Bastos (em quem o prefeito disse que perdeu a confiança e pediu uma investigação contra ele na Corregedoria), fez uso da tribuna durante a sessão da Câmara de Vereadores de terça-feira.

“Nosso principal desafio é estabelecer um novo diálogo com a rede municipal de ensino. Temos metas simples e diretas a cumprir, como melhorar o ambiente de trabalho na escola e aumentar progressivamente a aprendizagem de nossos alunos”, afirmou o secretário, que já realizou a primeira reunião geral com todos os diretores da rede e disse que terá uma agenda de pequenas reuniões por área. “As pessoas esperam um ensino público de qualidade, que se iguale à rede particular. Contamos, para isso, com o apoio e a ajuda dos vereadores”, enfatizou.

Obviamente que se o principal desafio, como dito pelo novo secretário, é o diálogo com os professores e melhorar o ambiente de trabalho, é porque estava muito ruim para os professores trabalharem e também conversar com o comando da pasta (ou administração). E aí a pergunta que não se cala é: o que estava (ou ainda está) ruim?

André Gomes tomou a decisão de fazer parte do governo Crespo. Ele tinha outras oportunidades profissionais, mas escolheu essa. Ele não é novato na equipe e, ao contrário, goza da intimidade do prefeito Crespo desde o período da campanha eleitoral. Sempre foi uma espécie de observador e, sem voz direta com o prefeito, sempre teve voz intermediária para que suas idéias chegassem ao chefe do executivo. Portanto, André Gomes não é nenhum neófito no ambiente de poder. E seu currículo atesta isso: Jornalista, professor e escritor, André Gomes, autor de vários livros, é pós-graduado em Gestão Estratégica da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP) e professor da Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação (Esamc), em Sorocaba.

Defende gestão compartilhada

André Gomes, também soube de posicionar, em seu primeiro pronunciamento aos vereadores, no que diz respeito ao que pensa do projeto do prefeito Crespo para a pasta que assumiu. Depois de dizer que “a rede municipal de ensino é um verdadeiro tesouro”, ele saiu em defensa da administração do prefeito Crespo, dizendo que ele “tem um plano para o ensino público” e, também, defendeu o que o prefeito classifica de “gestão compartilhada das escolas” numa parceria com o ensino do Sistema Sesi, que ele classifica de “reconhecidamente bom”. Assim ele se explicou: “Queremos um ensino de qualidade para todos os nossos alunos. No próximo ano, teremos novas unidades de ensino e a Prefeitura não tem dinheiro para mantê-las. Precisamos escolher, juntos, as melhores organizações sociais por meio da gestão compartilhada. Creio que isso está para muito além das nossas diferenças de convicções ideológicas”.

Nome bonito para terceirização

A vereadora Iara Bernardi (PT) ressaltou que o diálogo não pode ser uma via de mão única e que a administração precisa ouvir a rede. Ela criticou a proposta de “apostilamento” da educação, por meio da compra, por parte do poder público, das apostilas do Sistema Sesi. Mas foi crítica em relação à fala do novo secretário: “O senhor usa um nome bonito [“gestão compartilhada”] para se referir à entrega das escolas para a iniciativa privada. Mas a Prefeitura não tem recurso sobrando para fazer apostilamento da educação. Queremos que os concursados sejam chamados”, enfatizou.

Ideologias aberrantes

O vereador Luis Santos (Pros) disse que vai acompanhar o trabalho do novo secretário e defendeu que a Rede Municipal de Educação se atenha, de fato, ao ensino e não continue sendo bombardeada por “ideologias aberrantes” que considera nefastas.

Povo aflito

O vereador Irineu Toledo (PRB) disse que o poder público municipal tem sido alvo de muitas posições contrárias e que “o povo está cansado e aflito”, à espera de soluções, fazendo votos de que isso ocorra na gestão do novo secretário.

Diálogo com sindicato

O vereador Wanderley Diogo (PRP) pediu que o secretário olhe com bons olhos a rede pública e estabeleça um diálogo com os professores e com o sindicato.

Transparência da gestão

O vereador João Donizeti Silvestre (PSDB) afirmou que o país vive uma crise muito grande e que a educação representa um enorme desafio. “O poder público tem recursos limitados e há uma demanda muito grande por construção de escolas e creches. Não sei se a Prefeitura tem capacidade financeira para contratar todos os professores via concurso público, mas é preciso que essa questão seja colocada de modo transparente e discutida com toda a sociedade, ouvindo a Câmara, como o senhor está fazendo, ouvindo o Conselho Municipal de Educação”, disse o vereador, ressaltando que o “ensino público é um conceito filosófico que não pode ser quebrado e, sim, valorizado”.

Boas referências

O vereador Hélio Brasileiro (MDB) disse ter ouvido boas referências do novo secretário, sobretudo quanto ao empenho e à honestidade no trato com a coisa pública e enfatizou que a educação é fundamental para o desenvolvimento.

Falta de material

Já a vereadora Fernanda Garcia (PSOL) criticou a falta de material para trabalhos pedagógicos, o que, segundo ela, obriga muitos pais que atuam nas Associações de Pais e Mestres a custearem esse material do próprio bolso. A parlamentar também criticou a compra de apostilas do Sesi, sem que haja um diálogo prévio com os professores da rede para saber o que eles pensam a respeito desse material. “É triste que a atual administração não tenha projeto de educação de longo prazo”, destacou.

Gestão pedagógica

O vereador Anselmo Neto (PSDB) comentou as mudanças no projeto sobre gestores pedagógicos, que tramita na Casa.

Comer a merenda

O vereador Vitão do Cachorrão (MDB) conclamou o secretário a ouvir o sindicato e defendeu que os professores tenham direito a comer a merenda junto com os alunos.

Sucesso no cargo

Silvano Júnior (PV) e Fausto Peres (Podemos) também se pronunciaram, desejando sucesso ao secretário.

Encontro com a rede

Durante encontro de apresentação aos supervisores e diretores das escolas da rede municipal de ensino (foto), André Gomes anunciou a eles o seu plano de trabalho: A realização de reuniões frequentes com supervisores de ensino e diretores de todas as escolas que fazem parte da rede municipal, assim como a realização de visitas constantes às unidades como forma de conhecer in loco as principais demandas, ouvir sugestões e intensificar o diálogo os profissionais que atuam na área. Além disso, a garantia de que, a partir de agora, com um novo contrato assinado pela administração municipal, as escolas passarão a contar com reparos e manutenções necessárias de forma constante e mais rápidas.

Comentários

Leia também