Ouvinte denuncia a morte da tia por Leishmaniose Visceral na Santa Casa de Sorocaba. Prefeitura afirma que controla a situação e fará campanha para o combate ao mosquito palha, transmissor da doença do cachorro ao humano

SolangeAndré, ouvinte do Jornal da Ipanema (FM 91.1Mhz), durante a coluna O Deda Questão de hoje (12/09) enviou mensagem dizendo que a tia dele faleceu no último dia 28/08 de Leishmaniose Visceral, conforme constou no laudo médico na  Santa Casa de Sorocaba. E mais, ele disse que comunicou a Vigilância Sanitária mas nada foi feito.

A manifestação dele ocorreu durante entrevista com Solange Ismerin, gestora de Vigilância Epidemiológica e Saúde da Prefeitura de Sorocaba, a respeito da manifestação de outro ouvinte que afirmou que Sorocaba está vivendo uma infestação de mosquitos palha e os casos de Leishmaniose explodiram em toda a cidade.

A gestora explicou que não há motivo para pânico e todo o protocolo previsto para este tipo de ocorrência está sendo feito desde o monitoramento sorológico de cães, orientação dos profissionais da rede pública, abordagem do problema junto aos secretários de todas as pastas para que a informação seja disseminada e até a preparação de uma campanha para orientar o sorocabano no combate ao mosquito palha que transmite a doença do cachorro infectado (hospedeiro da doença) ao picar um ser humano.

A gestora foi surpreendida pela afirmação de que houve uma morte na Santa Casa e deixou claro que todo protocolo de análise está sendo feito no Instituto Adolfo Lutz e ainda não há uma resposta. Ela também pediu que o ouvinte enviasse o documento (este que está em anexo nesta página) sobre a Declaração de Óbito expedida pela Santa Casa atestando como causa a Leishmaniose Visceral.

Leia a carta enviada para O Deda Questão

Deda, bom dia.

Ouço seu programa em todas as manhãs na rádio Ipanema. Vejo que vocês têm grande preocupação com os acontecimentos da cidade.

Estou entrando em contato para alertar sobre um problema que está assolando Sorocaba, de conhecimento da prefeitura, contudo, esta não está informando os munícipes em programas de televisão, educativos publicitários, mídias digitais e etc…

Ocorre que Sorocaba está vivendo uma infestação de mosquitos palha e os casos de Leishmaniose explodiram em toda a cidade.

Em contato com a zoonoses, fiquei sabendo que a prefeitura já tem confirmação de inúmeros casos em cães relatados por veterinários na região da Vila Santana, Nogueira Padilha, Caputera, Jardim Astro e em diversos outros bairros da cidade desde o começo deste ano.

Inclusive, que instauraram um inquérito para investigar a proliferação destes casos.

 

Foi afirmado pelo servidor, que a cidade está vivendo uma infestação mas que não possuem nenhuma campanha ou pessoal suficiente para realização de uma mobilização. Ele informou ainda que supostamente há um possível caso em ser humano em investigação na cidade, mas não deu mais informações.

Votorantim teve a confirmação de um caso  de uma munícipe que veio a óbito, salvo engano.

Casos caninos também foram identificados em diversos bairros da cidade vizinha.

Diante de uma situação tão grave, a prefeitura não se manifestou, não está fazendo campanhas publicitárias, educativas e etc.

Sei que no primeiro semestre deste ano realizaram uma reunião com veterinários para informar protocolo de comunicação de casos a zoonoses.

Acredito que deveriam alertar imediatamente a população sobre essa ameaça de saúde pública para limpeza de terrenos com material orgânico, nebulização de inseticida contra o mosquito palha e orientar os proprietários de cães para que comprem as coleiras específicas que matam pulgas, carrapatos e afastam o mosquito.

Nada está sendo visto neste sentido, desde o começo do ano que já se tem conhecimento deste grave fato de saúde pública na cidade.

Gostaria de saber se vocês poderiam “startar” essa discussão no jornal, solicitando informações a respeito da prefeitura sobre a quantidade de casos confirmados em cães, possíveis casos em humanos e da orientação e educação da população a respeito.

O fato é grave e sinto que as informações estão sendo sonegadas pelas autoridades competentes.

Agradeço por sua atenção.

(A pedido do ouvinte, não divulgarei o nome dele)