Para prefeito, perdeu o sentido procurar o MP para dar ciência sobre critérios do decreto de estado de emergência em Sorocaba após rompimento de adutora

CrespoMP

Acabou o mistério sobre a ida do prefeito Crespo ao Ministério Público para dar ciência sobre o que levou ele a decretar estado de emergência na cidade o que, por lei, permitiu a prefeitura a contratação sem licitação da empresa que faz o reparo na adutora (Sorocaba sofre com o abastecimento irregular de água até a próxima segunda-feira pelo menos). A idéia era demonstrar transparência e se o MP discordasse do decreto ele aventou até mesmo cancela-lo. Ou seja, interromperia o trabalho e seguiria os trâmites legais o que poderia levar semanas para ser concluído.

Para o prefeito, teria sentido dar ciência ao MP logo em seguida a minha decisão. Como ela foi na noite de quarta-feira era plausível que tivesse o encontro com o MP até a manhã de quinta-feira. Mas a agenda com outros promotores sobre o Carandá (leia postagem anterior) e a demanda de trabalho sobre a recuperação da adutora impediram que o prefeito fosse até o MP.

São dezenas de locais públicos e ou de iniciativa privada que estão colaborando com o cidadão para amenizar o problema de falta de água. A previsão inicial era de que na segunda-feira a água estivesse nas torneiras. Já há quem diga que isso vai ocorrer na terca-feira.

FOTO: A colega Adriana Fratini registrou em sua página no facebook foto da empresa empresa Auto Ônibus São João, que fica na rua Venezuela, no bairro Barcelona, que  disponibilizou para os moradores do região água do seu poço artesiano. A empresa pede para que a água seja fervida antes de ser usada. Muita gente faz fila no local para pegar água. Uma iniciativa do comandante do grupo Auto Ônibus São João, Marco Franco. Que outros siagem seu exemplo de solidariedade