Parque Tecnológico seleciona projeto para Startup; Vereador faz projeto para conceder incentivos fiscais a Startups; Startup de Sorocaba lança produtos 100% biodegradáveis para Pet. Afinal, o que é isso?

Ao longo das últimas semanas pelo menos três notícias envolvendo Startup circularam pelos veículos de comunicação da cidade.

Mas, percebo, não todas as pessoas que se dão conta do que é exatamente uma Startup, mas já sabem que ela faz parte da vida das pessoas que desejam se inserir no mercado de trabalho e, principalmente, quem deseja ter o seu próprio negócio.

Para ajudar na compreensão, reuni várias definições para resumir uma Startup como sendo uma empresa jovem, com um modelo de negócios repetível e escalável, em um cenário de incertezas e em busca de soluções a serem desenvolvidas. Embora não se limite apenas a negócios digitais, uma startup necessita de inovação para não ser considerada uma empresa de modelo tradicional.

Diante disso, seguem as três ações envolvendo Startup em Sorocaba.

Incentivos fiscais a startups sorocabanas

As startups sorocabanas ligadas ao desenvolvimento de produtos e serviços que beneficiem setores de interesse público tais como saúde, educação, segurança e mobilidade poderão ter descontos no ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) em seus primeiros anos de funcionamento. É o que determina o projeto de lei de autoria do vereador Hudson Pessini (MDB), em tramitação na Câmara Municipal de Sorocaba.

O vereador explica que a ideia central do projeto é estimular o empreendedorismo e a economia criativa no município, reduzindo o risco de fracasso das empresas embrionárias. O projeto de lei prevê o desconto de 100% do imposto no primeiro e segundo ano de funcionamento da empresa; 50% no terceiro; e 30% no quarto e quinto ano. Para isso, o projeto de lei acrescenta um dispositivo prevendo os referidos descontos na Lei n° 4.994/95, que regulamenta o ISSQN.

Hudson Pessini conta que um artigo publicado na revista Harvard Business Review aponta o estímulo às startups como algo essencial para o desenvolvimento econômico em cidades e países no mundo todo. “Um ecossistema de startups gera opções de investimentos para os bancos, fluxo entre integrantes do meio e das universidades, riqueza para os empreendedores, inovação para as grandes empresas, desenvolvimento de serviços e produtos melhores para as pessoas”, argumenta o vereador.

O projeto determina ainda que ao final de cada ano as startups favorecidas deverão reverter 10% dos descontos concedidos para projetos sociais locais, como forma de contrapartida pelo benefício recebido.

 

Parque Tecnológico seleciona projetos

O Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS) e o Sebrae-SP finalizaram o processo de seleção de startups para o programa Startup-SP, que vai apoiar o processo de validação dos projetos até o mês de julho deste ano. Foram inscritos 70 projetos de plataformas digitais inovadoras que oferecem serviços e produtos em diversas áreas.

Entre os selecionados estão projetos de sites e aplicativos voltados para educação, tecnologia assistiva, marketing digital, criação e gestão de websites e conexão entre empresários e investidores. Devido a alta qualidade dos projetos apresentados, a organização do StartupSP selecionou 11 startups, e não 10, como era previsto inicialmente.

“Em 2017 tivemos 52 inscritos e neste ano ficamos surpresos com os 70 projetos apresentados. Os jovens de hoje sonham em ter seu próprio negócio e o Parque Tecnológico tem essa função de apoiar o empreendedorismo inovador. Serão quatro meses de trabalho de mentoria para ajudar essas ideias a se transformarem em negócios”, destacou o presidente do Parque Tecnológico de Sorocaba, Roberto Freitas.

O coordenador da incubadora do PTS, Marcelo De Santis Ferreira, acompanhou a seleção dos projetos e está empolgado com o início das atividades. “Participar do processo de seleção me proporcionou um primeiro contato com os empreendedores e pude entender quais problemas da sociedade eles querem resolver com o desenvolvimento de seus projetos, pois o empreendedor para ter sucesso tem que dar soluções para os seus clientes. Sem essa premissa, não tem como ter um modelo de negócio que funcione”, disse.

Aos 24 anos e formado em ciências atuariais, o jovem Eric Hess decidiu investir em um mercado em crescente alta: o de locação de carros. Mas o projeto do Eric é diferenciado pois, neste caso, qualquer pessoa pode colocar seu carro à disposição para locação seguindo as exigências da empresa, chamada Easy Car. Ele explica os diferenciais que esta modalidade apresenta aos usuários. “O locatário pode encontrar automóveis bem próximos a ele, com valor em média 30% mais baixo que em locadoras, e o proprietário ainda leva o carro até o locatário”, disse.

Ainda segundo Eric, os cuidados exigidos com o veículo durante e após seu uso, a apólice de seguro e a responsabilidade do condutor sobre possíveis multas existem como em qualquer locadora. “Garantimos viagens com conforto e segurança, com investimento de menor custo e menos burocracia no momento da locação”, completou.

Até o final do processo de validação junto ao PTS e ao Sebrae, Eric espera ter 50 veículos cadastrados na plataforma e, até dezembro deste ano, cerca de 300.

Outro projeto selecionado pelo Parque Tecnológico de Sorocaba para receber mentoria junto ao Sebrae foi o Share4Grow, uma plataforma que permite a oferta de insumos e produtos a menor custo e/ou quantidade para micro e pequenas empresas.

 

 

 

“Imagine um mercadinho pequeno, de bairro. Ele não consegue comprar bebidas direto com o fabricante, pois a quantidade de produtos teria que ser muito alta, então ele é obrigado a comprar com um distribuidor e não tem acesso ao mesmo desconto praticado pelo fabricante. Nossa plataforma irá possibilitar os melhores preços aos empresários, mesmo em pequenas quantidades”, explicou Danilo Júlio Rodrigues, 25, responsável pelo projeto.

Dentro da ferramenta também será possível compartilhar frete com outros compradores e, inclusive, fazer repasse inteligente de resíduos entre os usuários. “Vamos supor que eu descarte bastante plástico na minha empresa, e que você tenha interesse na compra plástico. Podemos criar também este relacionamento pelo site ou aplicativo Share4Grow”, destacou Danilo.

Em cinco anos, mais de 100 empresas já passaram pela incubadora do PTS desenvolvendo diversos projetos voltados para a solução de problemas por meio da inovação tecnológica.

Atualmente, a incubadora apoia 14 startups e, em breve, receberá outros 11 projetos selecionados pelo programa Startup-SP que receberão mentoria e auxílio na validação do mesmo, junto a equipe do PTS e do Sebrae, até o mês de julho.

Para incentivar e atrair novos projetos, o PTS abriu um novo processo seletivo da Hubiz (incubadora). As vagas são oferecidas para pessoas físicas ou jurídicas, de preferência em grupo, que apresentem propostas de desenvolvimento ou geração de produtos, processos e serviços inovadores e/ou de base tecnológica. A inscrição deve ser feita pelo site http://sgi.macropus.com.br/hubiz/edital. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail hubiz@inovasorocaba.org.br.

Startup lança produtos 100% biodegradáveis

Acompanhando a tendência dos ‘pets amigos da natureza’, a We Step Clean, empresa incubada no Parque Tecnológico de Sorocaba, interior de São Paulo, uniu tecnologia e consciência ambiental para desenvolver seus produtos e lança, neste mês, o primeiro comedouro para cães e gatos 100% biodegradável e atóxico: o BioBowl.

O produto é produzido a partir da resina vegetal e mais resistente que os comedouros comuns, feitos de plástico. Sua composição não possui nenhum componente prejudicial para os animais. Quando descartado, o produto se decompõe entre 40 e 60 dias no meio ambiente, sem resíduos tóxicos.

“Queremos sempre dar o melhor para os nossos pets, então por que não pensar em um bowl atóxico e que será favorável para a saúde deles e o meio ambiente? Além disso, caso um cachorro venha a morder o recipiente, o material é digestível e não trará problemas”, destaca a diretora da empresa, Andrea Sant’ Anna.

A We Step Clean está incubada no Parque Tecnológico de Sorocaba desde agosto de 2016. “É uma grande satisfação ver projetos nesta área, uma vez que o mercado pet está crescendo muito e a iniciativa da startup foi pioneira no segmento com este produto. Esta empresa é a prova de que inovação e empreendedorismo podem acontecer em qualquer setor, basta saber identificar as oportunidades”, disse o coordenador da incubadora do PTS, Marcelo De Santis Ferreira.

O BioBowl é comercializado em dois tamanhos – 500 ml e 1.500 ml, e é vendido no site da empresa www.westepclean.com.

Outro projeto em desenvolvimento pela empresa é a ‘Pata Limpa’, uma esteira também produzida à base de resina vegetal que permite a eliminação de resíduos e bactérias das patas dos cães.

“Essa ideia surgiu de uma necessidade pessoal. Na época tinha um labrador chamado Muni que não me deixava pegar na pata dele para limpar e então comecei a pesquisar sobre como construir uma esteira higienizadora. Ao passar sobre ela toda a sujeira fica ali e ele não leva para dentro do ambiente possíveis contaminações da rua”, destacou Andrea.

Ainda segundo Andrea, além do uso dentro de casa, este produto também é indicado para grandes centros urbanos como clínicas, edifícios e shoppings.

“Este é só o começo. Estamos desenvolvendo também uma casa para cachorros 100% biodegradável que é vendida desmontada e você monta na sua casa. Ela é leve, fácil de montar e oferece ótimo isolamento térmico e acústico”, completou a empresária.

Comentários

Leia também