Paulo Flávio e Luiz Leite agitam as especulações nos bastidores sobre os pré-candidatos a prefeito de Sorocaba

Luiz Leite foi uma espécie de braço direito do prefeito Renato Amary nos 8 anos em que ele comandou Sorocaba. Em 2004 era para ser o candidato a prefeito, mas abdicou em favor de Vitor Lippi após ter a legalidade de sua conduta questionada por uma visita num evento oficial da prefeitura. O então candidato Crespo viu crime eleitoral naquela presença no evento. Não havia, mas Luiz Leite preferiu não ser empecilho. Agora que a lista oficial dos filiados está disponível no site do Tribunal Regional Eleitoral a presença de Luiz Leite no PMDB causou furor. A leitura é de que caso tenha empecilho (que ele nega por não haver nada diferente do que havia na eleição de 2012 quando ele teve validada sua candidatura) para concorrer, Renato Amary seria o grande fiador de Luiz Leite. Se não tiver empecilho, o recado ao eleitor é que estará restabelecida a grande parceria daquela administração.

Paulo Flávio de Mello Carvalho, presidente fundador do Grupo Wyda, maior empresa de embalagens da América Latina, divisão alimentos, também tem seu nome na lista de filiados na lista do TRE. E como ele aparece filiado no PSDB, partido que não terá o prefeito Pannunzio candidato à reeleição e nem o deputado Vitor Lippi, as especulações dão conta de que ele será o candidato do partido. Esse fato fica reforçado quando se evoca uma fala do prefeito Pannunzio, na rádio Ipanema, quando da vitória de Lippi e Maria Lúcia Amary como deputados em 2014. Naquele momento Pannunzio levantou a possibilidade de um empresário de Sorocaba, que nunca havia sido candidato, ser o candidato.

Assim como no caso do Renato Amary, o de Paulo Flávio também é só especulação. Mas, como o diz o ditado: onde há fumaça, há fogo. É esperar para ver.