Pré-candidato do PMDB viaja a Brasília, mas não dá declaração sobre o que foi fazer lá. Sua posição no momento é a de viabilizar sua candidatura

O pré-candidato a prefeito pelo PMDB, Renato Amary, deixou claro que prefere não falar mais do assunto viabilidade de sua candidatura a prefeito neste momento e me enviou uma mensagem no whattsapp para recusar meu pedido de entrevista: “Deda, obrigado pelo convite. Aprendi que o impossível demora um pouquinho mais. Abraço. Renato.”

Tudo isso eu já havia contado. Mas o que eu não sabia e muito menos tinha visto é que na última quarta-feira Renato Amary apareceu ao vivo no Jornal Hoje, da Rede Globo, atrás da repórter Gioconda Brasil quando ela falava sobre os candidatos à presidência da Câmara dos Deputados. Na imagem aparece ele se encontrando com o deputado federal Gilberto Nascimento (PSC), se cumprimentando e conversando. Como é ex-deputado federal, Renato Amary tem trânsito livre pela casa. A questão é saber o que ele foi fazer e o que é possível fazer para ajudar na liberação de sua candidatura. O problema recai sobre a época em que foi prefeito de Sorocaba e seus atos de governo foram questionados pelo Ministério Público e em alguns desses casos ele foi condenado pela justiça sendo enquadrado na Lei do Ficha Limpa. Renato luta na justiça para provar sua inocência e que fez o que fez pelo bem do serviço público. Renato administrou com a lógica da iniciativa privada, passando por cima de prazos e normas (o que cria problema para ele conseguir o registro da candidatura) para dar tempo de fazer o que queria. No prazo da lógica do serviço público, o que é feito em 4 anos pode levar o dobro do tempo ou mais.