Prefeito ainda sofre consequências do seu comportamento e atitudes tomadas na fase anterior à cassação

CrespoNegroA comunidade negra de Sorocaba ocupou a Capela João de Camargo na manhã de segunda-feira para a celebração do Dia da Consciência Negra, numa solenidade que durou mais de duas horas, até que saíssem em marcha até a praça central. O tema da manifestação desse ano foi “Contra o Racismo, o Genocídio e a Intolerância, por um projeto político de Vida para o Povo Negro”.

O prefeito Crespo esteve na solenidade na Capela João de Camargo a convite dos organizadores do evento. Na semana passada ele havia dado posse aos novos integrantes do Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra, tendo escolhido como presidente José Marcos de Oliveira, do Fórum Regional de Promoção da Igualdade Racial de Sorocaba.

Anteriormente, assim que reassumiu o cargo de prefeito depois de ter ficado longe por 42 dias, período em que prevaleceu a cassação do seu mandato promovida pela Câmara de Vereadores, Crespo já havia nomeado uma negra (professora Joana Darc) para a Coordenadoria de Igualdade Racial que na primeira fase ele havia nomeado um caucasiano, fato que gerou protestos e manifestações contrárias a sua decisão.

Mas nenhum desses fatos da segunda fase de seu governo apagou definitivamente o sentimento de desagrado da comunidade negra da primeira fase, antes da cassação. E a prova disso foi um berro, do fundo da capela de João de Camargo. Uma voz isolada gritou: Fora Crespo! Muitos apoiaram o grito. Outros não. Mas foi evidente o clima de constrangimento. Crespo, percebendo que não era bem vindo, fez um discurso muito mais rápido do que o habitual e deixou a festa bem antes do seu final. “Meu sentimento foi de constrangimento alheio”, me disse a vereadora Iara Bernardi que representava o Poder Legislativo no ato.

Em que pese Crespo ser do DEM e Iara do PT, e ambos serem adversários políticos, a fala de Iara reflete um pouco o que ouvi de outros integrantes da comunidade negra. “O importante é que o governo vive uma nova fase e cada dia é o de conquista do que não foi dado muito valor na primeira fase”, me explicou pessoa próxima ao prefeito que prefere não aparecer. O maior exemplo do que não foi dado o devido valor na primeira fase do governo, talvez, seja explicado pela manifestação de Patrícia Ferreira (integrante da Juventude do PMDB sorocabano) que em sua página na rede social afirmou que os negros foram nomeados no governo Crespo apenas depois de muita pressão popular. Ela faz referência à polêmica (que foi tema neste blog e na coluna no Jornal da Ipanema) envolvendo a nomeação de Maurício Barisson no começo do ano para a Coordenadoria de Igualdade Racial da prefeitura.