Prefeito reforça seu time com indicados por secretários do seu grupo político e escolhe candidato a vice do candidato do PRB na eleição de 2016 para presidir o Procon e sorocabano do Ministério das Cidades para captar recursos em Brasília

MolletaSegamarchi

Molleta, à esquerda, durante a campanha eleitoral de 2016 e o sorocabano que pertence ao Ministério das Cidades e chega emprestado à Prefeitura de Sorocaba

O advogado Laerte Molleta (PEN), candidato a vice-prefeito na chapa de Hélio Godoy (PRB) na eleição municipal de 2016, foi escolhido pelo prefeito Crespo para ser o novo comandante do Procon de Sorocaba. Molleta é amigo pessoal e parceiro na política do advogado Gustavo Barata, corregedor da Prefeitura de Sorocaba e um leal parceiro político de Crespo. Barata lê todos os documentos antes do prefeito colocar a sua assinatura nele, como um dos mais prestigiados homens de Crespo, foi ele quem indicou Molleta para o cargo no lugar de Pedro…, funcionário de carreira. Barata – que algumas eleições atrás chegou a concorrer a vereador em Sorocaba e sonha com uma carreira política – demonstra prestígio junto ao prefeito ao trazer Molleta ao governo. Não será de se estranhar se, em breve, ele venha a ser nomeado secretário de Crespo.

Sorocabano de família tradicional

O engenheiro Alceu Segamarchi Júnior, de família tradicional de Sorocaba e com mais de 30 anos de experiência na vida pública, foi escolhido por Crespo para ser o responsável pelo gerenciamento de projetos e captações junto ao governo federal. Ele chega para chefiar a equipe que terá em campo, em Brasília, Fernanda Mariano que vai ocupar a vaga na capital federal criada pelo prefeito com a aprovação da Câmara de Vereadores.

Alceu foi apresentado a Crespo pelo secretário de Recursos Hídricos e diretor do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto), Ronald Pereira da Silva. Até dez dias atrás, ele ocupava o cargo de secretário nacional de Saneamento do Ministério das Cidades, organismo que emprestou ele à Prefeitura de Sorocaba, pagando inclusive o seu salário enquanto estiver trabalhando aqui.

Alceu Segamarchi Júnior formou-se em engenharia civil pela PUC de Campinas e é pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, autor de vários trabalhos técnicos publicados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), e tem mais de 30 anos de experiência profissional em gestão pública. Neste período, trabalhou na Fepasa, CPTM e na Prefeitura Municipal de São Paulo, onde ocupou o cargo de Diretor de Gestão Patrimonial.

A coluna Lauro Jardim, do jornal O Globo, em 1º de junho de 2016, trouxe nota dizendo que Alceu era réu em ação por improbidade na crise hídrica que afetou a capital paulista. Leia a íntegra da nota: Alceu Segamarchi Júnior, novo secretário nacional de Saneamento do Ministério das Cidades, responde a uma ação civil pública por improbidade administrativa movida pelo MP de São Paulo. A ação, ajuizada em dezembro de 2015, acusa três funcionários da Sabesp e seis do Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE) — incluindo Segamarchi, seu superintendente por quatro anos — de irresponsabilidade no processo de renovação da outorga do Sistema do Alto Tietê em 2014. A renovação permitiu o aumento da captação mensal para 15m³/s no reservatório de Taiaçupeba, o que, para o MP, contribuiu para a diminuição do volume útil nos reservatórios do sistema. Ainda como superintendente do DAEE, Segamarchi apareceu, em 2014, em uma troca de emails suspeita, revelada pela “Folha de S. Paulo”. Em mensagens investigadas pelo Cade, diretores da Tejofran indicam que Segamarchi se propôs a ajudá-los em contratos de piscinões.

Grupos políticos

Para quem estranhou o título desta postagem, ao dizer que reforça seu governo com indicações de pessoas do seu grupo político, vale lembrar que Crespo ganhou a eleição (e ele nunca negou isso, ao contrário, reconhece) graças ao empenho de Renato Amary que ao retirar sua candidatura colou em Crespo na campanha inteira. Diversos secretários do governo Crespo são pessoas ligadas a Renato Amary e, portanto, do grupo de Renato e não de Crespo. Desde o final da eleição, nos bastidores, há quem arrisque dizer que essa parceria iria acabar e que não chegaria à transição, posse e primeiros 100 dias de governo. Aparentemente, segue tudo em ordem entre eles. Mesmo com o governo tendo pessoas do grupo de um e de outro.