Presidente da Câmara adia por 90 dias a demissão dos funcionários sem diploma de curso superior recomendada pelo TCE e, também, adia resolução para acabar com os super-salários como de telefonista (R$ 8 mil) e porteiro (R$ 11 mil)

MangaRadio

Presidente da Câmara esteve no estúdio do Jornal Ipanema na manhã desta terça-feira

Rodrigo Manga foi surpreendido em sua primeira participação como presidente da Câmara de Vereadores de Sorocaba, na coluna O Deda Questão no Jornal da Ipanema (FM 91,Mhz), no terceiro dia deste ano, ao ser questionado sobre os super-salários pagos aos funcionários da Casa.

Exatos 105 dias depois, na manhã de hoje, Manga voltou ao programa e quando questionado sobre o que havia feito a respeito do assunto, uma vez que cobrou a Secretaria Geral e Secretaria Jurídica da Casa informações detalhadas sobre a composição dos salários dos servidores do Legislativo, ele anunciou que iria criar uma Comissão de Funcionários da Câmara para que apresentem elementos para a Mesa da Câmara preparar um projeto de Reforma Administrativa onde serão detalhados Salários, Gastos, Cargos e a forma que a carreira do concursado vai evoluir desde o instante em que ele é chamado para o cargo. Essa comissão terá 90 dias para fazer este estudo.

Enquanto isso, as aberrações (que outro termo usar?) como um salário de R$ 7.963,80 pago a uma telefonista; R$ 11 mil pagos a um porteiro; assessores jurídicos com salários que variam entre R$ 25 mil e R$ 27 mil; contador que ganha mais de R$ 18 mil seguem sendo pagas.

Fôlego aos assessores

Com a medida, Manga também dá um fôlego de três meses para cumprir a recomendação do TCE (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) que propõe que os cargos de assessores dos vereadores sejam exclusivos para pessoas com diploma de nível superior. Atualmente são 5 assessores e 1 chefe de gabinete para cada vereador, ou seja, são 120 funcionários. Desses, 58 pelo menos não tem diploma de nível superior.

Ele vinha sendo pressionado para não demitir e nem mesmo a argumentação do parecer da secretaria Jurídica da Câmara pelo cumprimento imediato da recomendação do Tribunal de Contas estava acalmando a pressão dos colegas sobre o presidente do Legislativo.

Agora, com a preparação de elementos para o Projeto de Reforma Adminsitrativa, Manga ganha um pouco de sossego. Resta saber se o Ministério Público vai achar normal isso tudo, já que depois desses 90 dias de estudo ainda haverá um tempo para a preparação do projeto e outro para discutir, e mais tempo para votar e mais tempo para assinar e mais tempo para pensar, e mais tempo…