Promotor se manifesta sobre o Dia da Abolição da Escravatura como cidadão, mas repercussão se dá em razão do seu título público

O promotor de justiça do Ministério Público de Sorocaba, Jorge Marum, fez uma postagem em sua rede social como cidadão, porém, mais uma vez, a repercussão e polêmica foi grande devido ao fato dele ser promotor. É o tipo de situação em que a pessoa civil se confunde a com a pessoa pública.

Enfim, ele crítica Zumbi, lamenta que o feriado comemorado não seja o de 13 de Maio e classifica que essa mudança de valorização da libertação dos escravos aos governos do PT.

O que diz Marum

Bom dia, Lembrando que hoje, 13 de maio, comemora-se a abolição da escravatura, lei aprovada pelo Parlamento (deputados e senadores) e sancionada pela princesa Isabel, conforme a Constituição da época, após anos de luta comandada por liberais como José do Patrocínio, André Rebouças e Joaquim Nabuco. Espero que, com a derrocada dos petralhas e suas fábulas, esse dia volte a ser lembrado e até se transforme em feriado nacional, no lugar do ridículo culto a Zumbi, que nada fez para libertar os escravos, mas apenas tentou criar para si um reino em estilo africano, com seus próprios escravos. J. Marum.

Reações

Tereza Ferreira, militante da causa dos negros em Sorocaba, usa argumentos de José Marcos, presidente do Conselho do Negro, para responder ao promotor: “Considerando que 130 anos depois o país ainda vive um déficit de moradia, educação e saúde (falando de coisas básicas) porque o 13 de Maio foi sancionado sem nenhum tipo de estrutura que pudesse garantir o desenvolvimento pleno para essas pessoas que viviam sob o regime escravista e sim para atender interesses mercantilistas; Considerando que 130 anos depois nosso parlamento pouco se diferencia do parlamento da época que cria e aprova leis para beneficiar a si e aos seus; Considerando ainda que o estado de privilégio dos não brancos perpetuam a identidade e a estrutura racista do país, quando enxerga a libertação do escravos como um ato heróico e desconsidera sem nenhuma reflexão as consequências dessa falta de planejamento no crescimento do país e na vida dessa parcela da população. Diante disso, digo que o Marum precisa aproveitar o esforço que a Secretaria de Educação tem feito para implementação da lei 10639 e voltar para os bancos escolares para aprender sobre a história e a cultura afro brasileira.  Que ele deveria ter participado da Ubuntu Semana de Cultura e Arte Afro Brasileira organizar o pelo Clube 28 de Setembro que teve além de exposições Rodas de Conversa que trataram de temas pertinentes a população negra. E digo mais ele deveria ir amanhã na sessão solene da Câmara dr vereadores que tratará sobre o 13 de Maio, quem sabe assim ele aprende sobre o assunto e evita da gente sentir vergonha alheia. Sobre Zumbi penso que ele é a cereja desse bolo tão complexo que é o racismo entranhado em casa um de nós.

Feira da Cultura Negra

Ao final de 09 (nove) dias de atividades, na sede do histórico e importantes Clube 28 de Setembro, foi encerrada ontem (13/05) a Feira de Cultura e Arte Negra de Sorocaba/SP – 2018/ Ubuntu. De iniciativa da Associação Ação Periférica – AAP, foram incontáveis as atrações de valorização: Rodas de Conversa, Vivencias Pretas, Capoeira, Religiosidade Performances, Culinária, Debates, Exposição Literária, Moda Afro, Música e Graffiti deram o tom atenderam a expectativa de um numeroso público. A semana de Arte e Cultura Negra, também possibilitou muitas reflexões dos 130 anos da Abolição da Escravatura. Nossos parabéns e nosso irrestrito apoio. Para nós do Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra foi uma obrigação disponibilizar todo o nosso apoio e ficamos honrados com a homenagem recebida. “Ubuntu – Eu Sou Porque Nós Somos”.

Comentários

Leia também