PSDB sorocabano assimila derrota depois de 20 anos no poder e decide que vai se manter neutro no 2º turno e agir como oposição a partir de janeiro

pannO prefeito Pannunzio, o deputado federal Vitor Lippi, a deputada estadual Maria Lúcia Amary e o candidato a prefeito João Leandro se encontraram na noite de domingo passado, após consolidado o resultado das urnas, para decidir qual o discurso e comportamento que deveriam ter. Quem anunciou este encontro e revelou o conteúdo das conversa foi o prefeito Pannunzio na manhã de hoje na coluna O Deda Questão no Jornal da Ipanema (FM 91,1Mhz). Foi o primeiro pronunciamento oficial de um dos líderes tucanos de Sorocaba. No domingo, tanto a deputada Maria Lúcia quanto o deputado Lippi disseram que preferiam esperar passar o calor do momento da derrota para fazer um pronunciamento, que veio hoje. Amanhã Lippi e na sexta Maria Lúcia vão ao Jornal da Ipanema para dar a opinião deles sobre o recado das urnas.

 

Consciência em paz e Desaprovação do governo

 

Perguntei ao prefeito Pannunzio o que faltou, além de votos, para que o candidato do partido, João Leandro, estivesse ainda no jogo eleitoral. Ele disse que, neste primeiro momento, se entende que o eleitor sorocabano transferiu a desaprovação do governo dele para o candidato do partido. No início do horário eleitoral gratuito de rádio e TV 76% desaprovavam o governo Pannunzio e nos últimos dois dias essa desaprovação havia subido para 80%, segundo dados de duas pesquisas Ibope/TV Tem. Argumentei que o resultado da urna (13,47% dos votos dados a João Leandro) é muito parecido com o dos eleitores que aprovam o governo dele (15%) e que a estratégia de campanha, de esconder Pannunzio, desprezou os eleitores que consideravam Regular a administração (31% no início da campanha e 21% no final). Ele concordou com minha análise e disse que não se trata de um pensamento de engenheiro de obra pronta, pois ainda no meio da campanha eu havia feito este alerta de que o que aconteceu poderia acontecer. Por fim, o prefeito disse que está com a consciência em paz e sabe que tudo o que fez, e desagradou à população, é porque a população não conseguiu ver no momento o benefício do governo. Que a história vai dizer.

 

João Leandro é um bravo

 

O prefeito Pannunzio disse que ninguém no partido imaginava que apenas 6% dos eleitores conhecessem João Leandro quando ele foi anunciado o candidato a prefeito e que isso atrapalhou na decisão sobre a estratégia adotada. O prefeito também disse que ele poderia ter feito oposição, mas acabou concordando, com a estratégia de campanha de colar o deputado Lippi com exclusividade em João Leandro. Por fim, o prefeito fez questão de afirmar que reconhece em João Leandro um bravo que enfrentou com força e coragem todas as adversidades como já vinha fazendo em toda a sua vida.

 

PSDB, o grande derrotado e na oposição

 

Perguntei ao prefeito Pannunzio quem foi o grande derrotado da eleição em 1º turno e ele disse que foi o PSDB e que agora cabe tirar lições dessa derrota em especial quando o PSDB foi o grande vitorioso das eleições no Brasil e em especial no Estado de São Paulo. A primeira lição, disse o prefeito, é compreender que o sorocabano quis o PSDB na oposição e isso é importante de reconhecer. Em segundo lugar que na oposição, o PSDB terá de fazer uma fiscalização com vigor do futuro prefeito. Não é fazer oposição a Sorocaba, mas aos atos do prefeito que não sejam importantes para a cidade. Por fim, o partido precisa ter posições e seus membros agirem em coerência a essas posições, em particular os vereadores na Câmara.

 

Partido será neutro, pessoas nem tanto

 

O prefeito Pannunzio disse que o PSDB vai se manter neutro neste 2º turno, ou seja, não vai expressar apoio nem a Crespo e nem a Raul Marcelo. Mas as pessoas do partido poderão tomar lado, como o caso dos três vereadores tucanos (Martinez, Anselmo Neto e João Donizeti) que claramente já externam uma simpatia com a candidatura de Crespo. O mesmo vale ao próprio prefeito que durante a entrevista se mostrou simpático com o PSOL, com Raul Marcelo e ácido com Crespo e seu comportamento enquanto vereador em que pese tenha ressaltado não ter inimigos, mas adversários políticos.