Público estimado em mais de 1500 pessoas passou horas em fila, que começou de madrugada, para conseguir se inscrever num curso de requalificação profissional. Fato retrata crise de emprego que massacra o mais humilde

FilaCursoA sede da Uniten (Universidade do Trabalhador, Empreendedor e Negócios), na Vila Barão, em Sorocaba, braço da Prefeitura de Sorocaba há mais de duas décadas para oferecer requalificação profissional a quem necessita ou quer mudar de área, amanheceu na manhã de hoje com uma fila quilométrica formada por mais de 1500 pessoas. Todas estavam em busca de fazer inscrição para as 450 vagas gratuitas de cursos profissionalizantes oferecidos pela entidade.

O coordenador da Uniten, Rodrigo Cesar de Oliveira, informou que por volta das 20h de segunda-feira chegaram as primeiras pessoas na fila para garantir um lugar na fila, uma vez que as vagas para os cursos são preenchidas por ordem de chegada.

No geral, o perfil de quem busca essa requalificação é a pessoa desempregado há mais de um ano e não consegue vaga em sua ocupação original, tem mais de 45 anos e grau de escolaridade entre o Ensino Fundamental e o Médio.

Os cursos oferecidos são variados, como operador de caixa, auxiliar administrativo, logística, auxiliar de Recursos Humanos, auxiliar de Controle de Qualidade, Vendas e Atendimento aos Clientes, entre outros.

Uniten atende ao PAT

No geral a Uniten oferece cursos para as vagas oferecidas em outro programa da Prefeitura de Sorocaba, o PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador) que, em média, providencia a contratação média que varia de 18 a 2 pessoas por dia. O PAT recebe das empresas pedidos de funcionários e mantém um cadastro de pessoas que buscam emprego. Mas a falta de qualificação adequada mantém muita gente fora dessas vagas. Isso ajuda a explicar o interesse nos cursos da Uniten.

Um dos cursos mais procurados é o de Operador de Caixa e isso também se explica: Neste ano dois grandes empreendimentos comerciais iniciaram suas atividades em Sorocaba (Armarinhos Fernando e Supermercado Pão de Açúcar) e todos os funcionários contratados foram chamados via PAT.