Qual a importância de um ranking feito por empresa particular sobre questões que envolvem a qualidade de vida do cidadão?

Na postagem anterior, sobre os dados da pesquisa com o resultado da 5ª edição do Ranking Connected Smart Cities, ano 2019, divulgado na manhã de hoje (17 de setembro) em São Paulo, quando disse que Sorocaba está neste ano na 29ª posição e era a 42ª em 2018, ou seja, pulou 13 posições, mas não lidera em nenhum dos 10 entre os 11 quesitos avaliados neste ano, fiz duas perguntas:

  • Por que em três quesitos (Educação, Saúde e Urbanismo) dos 11 indicadores do ranking, Sorocaba não está classificada nem entre as 100 primeiras cidades? E isso nos últimos 3 anos.
  • Por que Sorocaba pulou 31 posições (de 39º para 8º) de um ano ao outro em Meio Ambiente?

Não vou me atrever a dar respostas a nenhuma das duas questões e, desde já, agradeço aos técnicos que se dispuserem a se manifestar e pensar a respeito dessas questões de maneira objetiva, ou seja, independentemente dos critérios usados pelos elaboradores do ranking, mas pelo que cada avaliador conhece da cidade, da realidade de nossa educação, meio ambiente e saúde.

Vou me atrever a falar sobre algo de minha alçada, a comunicação. Primeiramente, afirmo que dou fé nas informações da empresa privada, ou seja, que como qualquer uma, visa lucro, mas que para existir no tempo precisa de credibilidade. Então, repito, dou fé às informações da empresa de consultoria e inteligência de mercado Urban Systems. Não acredito que ela “venda” posições no ranking para determinadas cidades para agradar o prefeito de plantão.

Sendo assim, é necessário que os critérios sejam observados pelos técnicos de cada município e eles digam ao seu prefeito: o que eles estão analisando é importante ao nosso munícipe e devemos estar atentos ou, o contrário, eles se apegam a algo que tem uma importância global, mas localmente ainda nosso foco está longe de ser aquele.

Mas é preciso que haja essa preocupação.

Culturalmente, por fim, o cidadão adora lista, de qualquer coisa. Quando se quer aumentar a audiência de qualquer produto jornalístico, basta pautar uma lista de preferência, de curiosidades, de posição num ranking… de qualquer coisa. As pessoas param para ler e olhar.

Por isso, se a intenção é ignorar o Ranking Connected Smart Cities é necessário, no mínimo, saber as razões e se preparar para as consequências. Pois que que haverá, isso haverá.

Comentários

Leia também