Quando um fato é interpretado de acordo com a ideologia de quem o vê, o resultado pode ser bom para os oponentes deste fato. Foi o que aconteceu com a marcha de 4 mil servidores contrários à terceirização

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Sorocaba e a Associação Municipal das Professores e Assistentes da Rede Municipal de Ensino reuniram durante a Marcha Contra a Terceirização, na noite de quinta-feira (10/05), que percorreu um trecho da avenida Afonso Vergueiro segundo eles, aproximadamente 4 mil pessoas e 2.5 mil, segundo a Polícia Militar.

A intenção do protesto foi mostrar à população que o serviço público, “se não está com boa qualidade, a culpa não é do servidor, mas do prefeito Crespo que sucateou a saúde e a educação de Sorocaba, para que fizesse com que a população acreditar que o serviço é ruim, o que não é verdade”, disse Salatiel Hergezel, presidente do sindicato dos servidores. “A violência ao servidor aumentou muito no governo Crespo. Semanalmente, o prefeito tem encaminhado projetos à Câmara, para retirar os direitos dos servidores”, finalizou. Para os manifestantes, “a terceirização dos serviços públicos é uma porta aberta à corrupção”.

Na avaliação dos sindicalistas, a Marcha foi um sucesso não apenas pelo número de manifestantes, mas pelo fato dela ter atingido a população no sentido de que ela entendeu que existe uma luta contra o prefeito.

O prefeito Crespo não se manifestou publicamente sobre a Marcha e desautorizou qualquer um dos seus secretários a emitirem opinião a respeito, para evitar qualquer tipo de polêmica com os funcionários.

Entretanto, na avaliação de pessoas próximas ao prefeito, o fato de ter reunido um número significativo de pessoas fez com que a Marcha fosse notada pelo cidadão comum e esse cidadão, que não estava atento à terceirização, se despertou para ela. E isso, no entender do poder público, é positivo na medida em que as pessoas querem ser bem atendidas nos postos de saúde e querem vagas de creches para os filhos independentemente se o serviço é feito por um funcionário terceirizado ou de carreira. “A população e o prefeito querem a mesma coisa, o melhor para as pessoas que precisam de creche e de médicos, e nesse sentido a marcha foi positiva pois a população viu quem é contrário a essa melhoria”, me disse uma pessoa ligada ao prefeito.

Ou seja, a marcha é um típico exemplo de que os oponentes a um fato, quando olham para ele com a sua ideologia, enxergam o que querem e, nesse fato, os dois viram a mesma coisa: Que ela foi positiva para os seus propósitos.

Comentários

Leia também