Responsável pelos contratos na gestão do ex-prefeito, após ordem judicial, agendou que irá depor na CPI da Merenda na quinta-feira

A CPI da Merenda, instaurada na Câmara Municipal de Sorocaba e presidida pela vereadora Iara Bernardi (PT Sorocaba) realizará nova oitiva nesta quinta-feira (21 de junho), às 14h. Roberto Juliano, ex-secretário de Administração na gestão do ex-prefeito Pannunzio foi convocado judicialmente no domingo passado após expedição de mandado pela Juíza Barbara Syuffi Montes, da Vara Criminal da Comarca de Votorantim.

Roberto Juliano já havia sido convocado diversas vezes, tanto por meio de ofício da CPI quanto por meio do Jornal Oficial de Sorocaba, mas recorrentemente não compareceu. Caso ele não compareça novamente, será feito o pedido de condução coercitiva. Segundo a CPI, o ex-secretário foi encontrado pelo oficial de justiça em sua residência, em Votorantim.

Roberto Juliano é um dos apontados no relatório da Corregedoria Geral do Município como responsável pelo pagamento em duplicidade no valor de R$ 2,9 milhões para a empresa Apetece, valor esse decorrente do não desconto de gêneros alimentícios adquiridos da Agricultura Familiar com dinheiro do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

O relatório também aponta a necessidade de a empresa provar que forneceu mercadorias para a merenda escolar no valor de R$ 6,9 milhões. Os valores a serem devolvidos aos cofres públicos podem ultrapassar o montante de R$ 9,5 milhões. O ex-secretário de Educação, Flaviano Agostinho de Lima, já ouvido pela CPI, também é apontado no relatório da CGM como um dos responsáveis pelo problema.

CPI vai à Polícia Federal

Iara Bernardi, na condição de presidente da CPI, realizará, nesta sexta-feira (22), uma reunião com a Delegada da Polícia Federal de São Paulo responsável pela Operação Prato Feito. A reunião, que já estava marcada antes da entrega do relatório da CGM, buscará oferecer informações à PF sobre o que a CPI já descobriu e coletar informações que possam ser relevantes para as investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito na Câmara Municipal.

Comentários

Leia também