Secretário me corrige e informa que será celebrado contrato com consórcio vencedor do BRT para Sorocaba

Apenas um grupo formado por cinco empresas apresentou propostas para a implantação e concessão em Sorocaba do serviço de ônibus BRT (sistema rápido de transporte) tema que polarizou a última campanha eleitoral municipal em 2012. Em março passado o consórcio entregou para a prefeitura todos os documentos exigidos no edital e agora a comissão de licitação vai analisar a proposta, valores, mas com a chegada de maio e o período eleitoral que impede contratação de serviço devido a legislação eleitoral, eu conclui que as obras do BRT não teriam mais início. Falei disso na coluna O Deda Questão no Jornal da Ipanema (FM 91,1Mhz) e na edição de hoje (06/05) li comunicado enviado pelo secretário de Planejamento e Gestão, Edsom Ortega: “Na quarta-feira (04/05) a comissão de licitação reuniu-se para finalizar a etapa de credenciamento da empresa que pretende ganhar a licitação do BRT onde foram analisadas a regularidade Fiscal e Trabalhista, qualificação econômico-financeira e qualificação técnica do consórcio BRT Sorocaba, o único participante do processo. Será publicado o resultado dessa reunião na próxima semana e também para a próxima semana está prevista a sessão de Abertura das Propostas. Se estiverem dentro do valor estimado, o consórcio BRT Sorocaba será declarado vencedor da concessão e como foi a única participante não será necessário prazo de recurso, restando apenas a elaboração e assinatura do contrato”.

A homologação do contrato não imediata e pode levar até um mês. Depois disso será necessário a formalização por parte do consórcio BRT Sorocaba a formalização de uma SPE (Sociedade de Propósito Específico) para que seja possível a assinatura do contrato com a Caixa Econômica Federal o que pode levar até 120 dias para que seja liberado o contrato que assegura que o consórcio poderá receber pelo serviço prestado.

Em Sorocaba, inicialmente, o BRT vai circular por três corredores de ônibus: Ipanema, Itavuvu e Oeste. O projeto prevê a construção de 28 estações e mais quatro de integração, 96 pontos e três terminais. A concessionária vai ficar responsável por 17 linhas e deve operar uma frota com 125 ônibus. O tempo de viagem deve diminuir 20%.