Série de entrevistas do Jornal da Ipanema com os candidatos a prefeito recebe Hélio Godoy. Ele afirma que os três principais problemas da cidade são: prefeito distante do cidadão; falta de medicamentos e médicos na saúde; ausência de política para a geração de emprego

hgededa

O candidato à Prefeitura de Sorocaba, Hélio Godoy (PRB), abriu a série de entrevistas com os candidatos, realizada pelo Jornal da Ipanema (FM 91,1Mhz) dentro da coluna O Deda Questão da Rádio Ipanema. A entrevista pode ser acompanhada ao vivo em www.ipafm.com.br. A ordem dos entrevistados foi definida através de sorteio, na presença dos representantes das assessorias dos candidatos. Nesta terça-feira será a vez do candidato do PSDB, João Leandro. Na quarta será a vez de Crespo (DEM). Na quinta-feira é a vez de Glauber Piva (PT) e encerrando esta primeira série será Raul Marcelo (Psol). Godoy respondeu questionamentos meus e teve a participação de José Roberto Ercolin e Alexandre Moreto que selecionaram alguns temas propostos pelos ouvintes.

Abrindo a entrevista, Godoy afirmou que deseja ser prefeito para mudar e melhorar a cidade. “Sorocaba é uma cidade maravilhosa, mas tem problemas de infraestrutura”, disse.

No início, o candidato falou sobre sua trajetória profissional e política, como a atuação como vereador na Câmara Municipal e secretário de Habitação da prefeitura.

Três principais problemas

Pedi para Godoy elencar quais são na visão dele, pela ordem de importância, os três maiores problemas enfrentados atualmente pelo sorocabano. Ele citou que o primeiro é a ausência do prefeito Pannunzio na vida da cidade e do cidadão, é um prefeito distante, segundo Hélio, que só apareceu na hora de pedir voto 4 anos atrás; o segundo problema é na saúde com o desmantelamento da Policlínica e a falta de medicamentos que, afirmou Hélio, elevaram e muito o número de pessoas que morreram na fila dos hospitais da cidade; por fim, o terceiro problema, na avaliação do candidato, é a falta de uma política de geração de emprego, situação que ele pretende resolver com a ajuda de Marcos Pereira, ministro da Indústria e Comércio do governo Temer e presidente do seu partido.

Godoy declarou que, entre suas propostas, está a criação de sete sub-prefeituras, que farão a administração por região e irão proporcionar reuniões mensais com a população.

Ouvinte quer saber sobre saída de secretaria

Secretário de Habitação no início do governo Pannunzio, Godoy esclareceu o motivo que o fez deixar a pasta e voltar a atuar na Câmara. Segundo ele, a decisão foi tomada por uma questão política, já que o partido do candidato na época, o PSD, apoiou a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). “Ainda bem que eu saí, porque eu andava a 120 por hora e o governo na faixa de 30, 40 por hora”, disse.

Boatos sobre assalto a sua casa

Vítima de um assalto em agosto, Godoy afastou os boatos de que o crime teria sido uma armação para promoção da candidatura. “Houve o assalto de fato, estávamos gravando [propaganda eleitoral] e foi um vacilo do meu filho, que deixou o portão aberto. Perdi computador, celulares e material de campanha, que não recuperei. A polícia foi eficiente e prendeu o marginal”, destacou.

Ácido e irônico com os concorrentes

Godoy, espontaneamente, fez críticas veladas e explícitas ao candidato Crespo (DEM) e seu principal cabo eleitoral dessa eleição, Renato Amary (PMDB): “tem candidato que utiliza políticos ficha suja como cabos eleitorais”. O candidato do PRB também criticou o fato de Crespo não ter apoiado, na época, a criação do Parque Tecnológico de Sorocaba.

Mas, sem citar os outros concorrentes, decide perguntar o motivo dele só atacar Crespo. Imaginei que ele responderia algo mais óbvio, como o fato de querer disputar com ele no 2º turno, ou pelas pesquisas indicarem que ele est´[a na frente e quer mostrar mais esse candidato ao eleitor. Mas Godoy avançou esse sinal. Em relação a João Leandro (PSDB) e Gluber Piva (PT) preferiu à ironia. E foi ácido ao criticar Raul Marcelo (Psol).

Ao se referir ao candidato João Leandro (PSDB), Godoy disse que acredita que o prefeito Pannunzio deve sair às ruas para “ajudar” o ex-secretário de Governo. “O João tá precisando de ajuda. É uma pessoa boa e tem um bom cabo eleitoral, que é o Pannunzio. Ele é o candidato do Pannunzio. Faz um ano que ele [Pannunzio] não sai do prédio, agora vai sair”, ironizou.

Godoy também usou de ironia para falar sobre a campanha de Glauber Piva (PT). “Como a Dilma [Rousseff] foi cassada e o Lula também está à disposição, eles devem vir ajudar o Piva, eu ouvi falar que vem, não tenho certeza. Vai ser muito legal, porque daí as pessoas poderão bater papo, falar da [Operação] Lava Jato, dessas questões todas”.

Em relação a Raul Marcelo (Psol), Godoy afirmou que “não teria muito o que falar” sobre o adversário. “Quando ele era vereador, nem aparecia na Câmara, votou um projeto e nunca presidiu nenhuma comissão”, declarou. Mas não parou ai, disse que Raul faz parte do Psol, um partido que apoia a descriminalização das drogas e é a favor que as mulheres façam aborto.

Outros temas

Godoy ainda falou sobre a ONG na casa da sua mãe, as ações que enfrenta no Ministério Público, seu trabalho na regularização das escrituras de moradias sorocabanas, da sua experiência como presidente da Comissão de Orçamento da Câmara e apresentou propostas para as área de saúde, administração (com as subprefeituras) e geração de emprego.