Servidor explica, na visão dele, sucesso no combate à mortalidade infantil

Valmir Furlan – funcionário da Prefeitura de Sorocaba na área da saúde,que me acompanha há cinco anos, desde que iniciei a coluna O Deda Questão na rádio Ipanema e aqui no blog – escreve sua opinião sobre a minha postagem “Mortalidade infantil despenca de 25,84 para 10,1 por mil nascidos vivos”, onde dados da Fundação Seade (entidade vinculada à Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado de São Paulo) demonstram que Sorocaba vem apenas evoluindo num dos principais indicadores sobre a qualidade de vida, desenvolvimento humano, econômico e social: a queda na mortalidade infantil.

Para ele, o sucesso de Sorocaba começou no governo de Renato Amary, quando o ex-prefeito Vitor Lippi ainda era Secretário de Saúde e, “numa decisão inédita e única até hoje, deixou a cargo de equipes multidisciplinares formadas por funcionários concursados algumas decisões dos rumos que a saúde pública sorocabana deveria seguir, e essa equipe entendeu que deveria focar incialmente no combate à mortalidade infantil, cujo objetivo era o de se alcançar 1 dígito nesse índice”.

Ele também lembra que “para se buscar isso, muitas outras áreas tiveram de ser repensadas e reformuladas, como a da saúde da mulher, de odontologia, protocolos refeitos, programa da criança, trabalhos com as maternidades, Policlínica, etc”.

O segredo na visão de um funcionário público concursado, se dá no fato de “por alguns anos, o funcionário público teve a liberdade de pensar e sugerir políticas de saúde e seus rumos, de baixo para cima, do trabalhador para o gestor e, certamente, se isso tivesse continuado nos governos seguintes aos de Vitor Lippi, muitos outros índices seriam comemorados hoje também. Foi uma pena terem acabado com o grupo multidisciplinar de Educação Permanente em Saúde…”

Por fim, conclui Furlan: “cabe frisar ainda que o índice atual foi alcançado tendo a pasta da Saúde apenas 40% do seu efetivo necessário, como noticiado há alguns meses pelos jornais, o que comprova (mais uma vez) que se tira leite de pedra e que há comprometimento com o dever a ser cumprido, apesar de todas as dificuldades. Imagine se as condições fossem próximas das ideais!”

Fica, portanto, a sugestão para que Marina Elaine Pereira, secretária da Saúde, fique atenta ao que afirma um experiente funcionário de carreira da área da saúde da prefeitura de Sorocaba.

Comentários

Leia também