Sorocabano deixa chefia do Escritório do Governo de SP em Brasília

Em março do ano passado, a experiência de 16 anos como deputado federal do ex-prefeito Pannunzio, que chegou a ser líder da bancada do PSDB em Brasília, pesou para a decisão do então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, de designá-lo para chefiar o Escritório de Representação do Governo de São Paulo em Brasília.

Agora, 16 meses depois, ele deixa o cargo.

Alckmin renunciou ao posto para concorrer à presidência da República e em seu lugar assumiu o comando do estado o vice-governador Márcio França. E com essa mudança, também mudaram as forças que gravitam em torno de quem tem a caneta mais forte do Estado, assim, as lideranças tucanas deixam espaço para quem é próximo do governador.

Assim dois sorocabanos ganham força: o deputado federal Jeferson Campos e o deputado estadual Carlos Cézar, que é casado com a irmã de Jefferson.

E divergências do passado vieram à tona para a saída de Pannunzio do cargo.

Pannunzio, quando virou prefeito em 2016, tirou quase todo o espaço que Jeferson tinha na prefeitura de Sorocaba com o prefeito Lippi. E por três anos Pannunzio nunca chamou Jeferson para conversar, a não ser quando ficou próxima a eleição de 2016. Mas aí já era tarde, Jeferson havia assumido compromisso com o grupo de Renato Amary que acabou elegendo Crespo.

Hoje, tanto Jeferson como Carlos Cézar têm força no governo Crespo. Toda segunda-feira eles participam da reunião política do governo.

E a gota d’água para o pedido da troca de Pannunzio foi a aprovação do empréstimo que a Prefeitura fará em torno da CAF (antigo Fundo Andino de Gomento) de 70 milhões de dólares. Em que pese todo o processo ter se iniciado no governo Pannunzio, quem acompanhou o processo de liberação do empréstimo não viu empenho algum de Pannunzio para que isso ocorresse e ficou surpreso ao ver que ele posou na foto e tratou de divulgar que foi seu empenho que havia ajudado.

O deputado Jeferson Campos, depois do assunto adormecido, foi quem anunciou (publicado com exclusividade pelo O Deda Questão) seu pedido para que o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira, desse o pontapé que abriu o empréstimo, agora sacramentado. E ver Pannunzio na foto, como o pai da criança, apenas ajudou no sentido de pedir ao governador a troca do representante de São Paulo em Brasília.

O primeiro nome sugerido para o cargo foi de Renato Amary, também ex-deputado federal, mas ele recusou a missão. Então Carlos Cézar sugeriu e o governador aceitou de nomear Marcelo Aguiar ao cargo. Marcelo Aguiar que fez dobradinha com Carlos Cézar na última eleição sendo candidato a federal.

FOTO: Carlos Cézar (à esquerda), pastor Gomes ao centro e Marcelo Aguiar que será nomeado ao cargo por influência do político sorocabano

Comentários

Leia também