Tecnologia ajuda a flagrar homem se masturbando na rua ao seguir mulher

A Polícia Civil de São Roque prendeu na manhã de hoje (04 de outubro) um homem que se masturbava publicamente no centro de São Roque enquanto seguia uma mulher por volta das 7h, na rua Amador Marques da Silva, na área central.

A vítima não percebeu a ação do homem até ser advertida por uma amiga da ação e então procurou a polícia Civil que chegou ao homem através de imagens de câmeras de segurança. Preso, ele foi recolhido à Cadeia Municipal e será apresentado ao Plantão Judiciário de Sorocaba para uma audiência de custódia na manhã deste sábado (05).

Mas por quê?

O que leva um homem a ser masturbar em local público, em perseguição a uma mulher?

A psicanalista Dayle M. Kramer disse em entrevista ao site HuffPost dos Estados Unidos, alguns anos atrás, quando abordava este tema que, para ela, o desejo de masturbar-se e forçar pessoas a assistirem ao ato a contragosto nasce não apenas do desejo por poder e controle, mas também de sentimentos de raiva, fraqueza, humilhação e vergonha do sujeito que assim age: “Não existe um termo clínico para isso, é simplesmente vergonha”, falou Kramer. “Não um tipo específico de vergonha. As pessoas podem senti-la de maneiras diferentes. Não sabemos se essa pessoa foi vítima de bullying na infância, se ela foi envergonhada. Não sabemos o que a levou a querer envergonhar a outras pessoas e a elas próprias”.

Diante da pergunta sobre se o transtorno exibicionista – em que uma pessoa põe em prática seu desejo de exibir-se, acariciar-se ou estimular-se diante de um desconhecido – seria um possível fator motivador, Kramer respondeu com cautela: “É preciso analisar o que o transtorno exibicionista significa realmente”, ela ponderou. “Por que a pessoa se exibe? O que ela ganha com isso? E o que está procurando fazer? É preciso realmente conversar com a pessoa para descobrir. Não dá para simplesmente rotular as pessoas. Não sou a favor de rotular pessoas sem conversar com elas – acho isso perigoso. Nós nos apressamos a dizer que essa pessoa é narcisista, aquela outra é obsessiva. Esses rótulos nos ajudam a pensar que conhecemos alguém, sem conhecer a pessoa.”

O fato, porém, é claro, lembra Quandra Chaffers, terapeuta especializada em comportamentos sexuais problemáticos na mesma entrevista ao site HuffPost dos Estados Unidos, a masturbação na frente de uma mulher, ou mesmo outra pessoa do mesmo sexo, é crime: “Gosto de usar a seguinte metáfora: se um agressor lhe batesse na cabeça com uma panela, você não diria que ele estava cozinhando”, disse Chaffers. “O fato de um ato envolver a genitália não torna esse ato sexual. A pessoa usou a masturbação como uma arma. Não é diferente do que ela faria com uma arma de fogo. Trata-se de violência, portanto”.

Comentários