Tema tratado com a seriedade que merece

A direção da Escola Sesi de Sorocaba, a Prefeitura Municipal de Sorocaba, a Secretaria de Segurança e Defesa Civil, a Polícia Militar e a Polícia Civil Polícia Civil não foram exageradas ao tratar a ameaça de ataques dentro da unidade Mangal do Sesi Sorocaba, que surge na esteira do massacre ocorrido dentro de uma escola pública de Suzano, na Grande São Paulo, onde 10 pessoas acabaram mortas.

Todos trataram o tema com a seriedade que o tema merece. E não apenas pela suspeita recair sobre um adolescente de 14 anos, de perfil introspectivo e contestador, nas palavras do titular da Delegacia Seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel. Não apenas porque a lei garante aos menor de idade ter preservada a sua identidade. Mas, especialmente, por entender (e outros assim entenderam antes de mim) que dar os nomes, fotos e publicidade ao fato estão apenas premiando essa ação delinquente.

É preciso cautela e inteligência a partir do que aconteceu em Suzano para que não sirva de incentivo a outros jovens problemáticos.

Acompanhado dos pais, o adolescente foi ouvido na Delegacia de Investigações Gerais e o inquérito do caso será encaminhado para a Vara da Infância e da Juventude. Não foram encontradas nem munição ou arma na casa do acusado, mas um telefone celular e um computador pertencentes ao suspeito foram apreendidos e o material foi encaminhado para o Instituto de Criminalística para ser periciado.

Sem aulas

As ameaças de ataque provocaram a suspensão das aulas do Sesi Sorocaba nesta segunda-feira, medida tomada preventivamente após a instituição receber avisos de violência contra a escola nas redes sociais. Algumas mães fizeram vigília na porta da escola para ver se conseguiam informações a mais.

Reforço policial

De acordo com o Sesi, a instituição acionou no domingo a polícia onde foi registrado boletim de ocorrência sobre o fato. “O Sesi reforça que está tomando todas as medidas necessárias para garantir a segurança de seus alunos, funcionários e corpo docente”, afirma a nota.

A Secretaria de Segurança e Defesa Civil informa ainda que, desde o ocorrido na escola de Suzano, foi reforçado o patrulhamento ostensivo nas escolas municipais pela Guarda Civil Municipal. O governo dará continuidade, dando apoio necessário às ações das polícias Militar e Civil, no caso da escola do Sesi.

Pacote antiterror

O vereador Rodrigo Manga, diante do ataque em Suzano e das ameaças no Sesi Sorocaba, encaminhou, ao prefeito de Sorocaba e ao governador do Estado de São Paulo, nesta segunda-feira (18), um documento contendo quatro propostas antiterrorismo a serem implantadas emergencialmente no município, com o objetivo de ampliar a segurança em escolas públicas e privadas.

São elas: 1) instalação de câmeras de monitoramento em todas as unidades de ensino do município; 2) instalação de detectores de metais; 3) contratação direta (rede privada) ou por concurso público (rede pública) de profissionais de segurança, capacitados ao uso de arma de fogo e aparelhos de choque para contenção de possíveis ações criminosas nas unidades de ensino; 4) implantação de sistema de controle de acesso e identificação de aluno, por meio de cartão magnético ou telemetria. A carta aberta foi enviada por e-mail ao prefeito e ao governador e será entregue posteriormente, em mãos, ao chefe do Poder Executivo de Sorocaba.

O manifesto do vereador tem um 5º item (cancelamento ou, ao menos, suspensão por tempo indeterminado do contrato de paisagismo cujo custo previsto é de R$ 45 milhões aos cofres públicos da Prefeitura de Sorocaba), porém ele não se aplica diretamente ao que se deseja que é dar mais segurança às escolas.

Comentários

Leia também